Ingrid Silva e Globo Livros iniciam pré-venda de “A sapatilha que mudou meu mundo”

Bailarina brasileira que por anos pintou suas sapatilhas, e inspirou marcas a comercializar o acessório em seu tom de pele, lança autobiografia

Há 13 anos, Ingrid Silva saia do bairro de Benfica, no Rio de Janeiro, para uma das maiores companhias de ballet dos Estados Unidos. Em “A sapatilha que mudou meu mundo”, Ingrid divide com o leitor sua trajetória desde que entrou no projeto social que mudaria sua vida até se tornar referência para tantas meninas e mulheres e a Primeira Bailarina de um dos corpos de dança mais importantes do mundo.

O balé é conhecido por ser um espaço elitizado e majoritariamente branco. Mas foi ao entrar para a Dance Theatre of Harlem que Ingrid se deparou com uma questão de pertencimento e representatividade: a cor da sapatilha. Os acessórios e figurinos do balé, criado na Europa, servem como extensão das linhas do corpo do bailarino. O tom rosa é próximo à pele branca e, por isso, sua companhia passou a adotar a customização da cor da sapatilha de acordo com o tom de pele de cada dançarino. Por onze anos, Ingrid pintou suas sapatilhas até que, após uma longa negociação com fabricantes, o modelo usado por Ingrid passou a ser produzido para seu tom de pele – o que gerou notícia no mundo todo, tornando Ingrid uma importante voz de sua geração. Hoje, as sapatilhas que costumava pintar integram o acervo do Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana Smithsonian, nos Estados Unidos.

Ao longo de sua vida, Ingrid venceu obstáculos, sofreu preconceito e narra no livro toda a sua caminhada até aqui. “A dança conseguiu motivar meu irmão e eu e nos levar a outras áreas que nos fizeram crescer não só como profissionais, mas como seres humanos. Este livro não fala apenas sobre balé. Ele relata a minha vida, o que me levou a ser essa mulher que, hoje, não tem dúvidas sobre a sua importância, sobre o seu lugar no mundo. Espero que você possa se redescobrir e se inspirar por meio da minha trajetória”, conta a bailarina.

O livro está em pré-venda nas livrarias físicas e online e será lançado em agosto, nas versões impressa (R$44,90) e digital (R$29,90).

+ sobre o tema

Flip 2016: Mel Duarte detona machismo, racismo e cultura do estupro em apresentação (VÍDEO)

Por Caio Delcolli, do HuffPost Brasil Mulher, negra e poeta. As palavras...

‘Medo faz sociedade dar respaldo a práticas violentas de suposta repressão ao crime’

Abolicionista penal, feminista interseccional, mulher negra e pesquisadora de...

Exposição fotográfica feita por mulheres no Recife questiona o racismo e o sexismo

Três fotógrafas integrantes de formação promovida pela FASE em...

STF julga ação que pode dar um passo para acabar com recém-nascidos na prisões

“É tirar a criança do cárcere”, diz defensor-geral sobre...

para lembrar

Interseccionalidade: uso e comando nas lutas políticas

O teor prático da ferramenta interseccionalidade, pode ser validado...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

Maioria das grávidas ou lactantes presas é parda ou negra

No último dia de 2017, havia 373 mulheres grávidas...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=