Jonathan Azevedo sobre machismo: “Quero que os homens reflitam o que as mulheres passam”

O ator, que fez sucesso como Sabiá em “A Força do Querer”, agora quer conquistar o mundo com sua música

Por Felipe Carvalho Do Marie Claire

Jonathan Azevedo (Foto: Pedro Dimitrow)

Desde 2007, Jonathan Azevedo vem batalhando por sua carreira na televisão e no cinema, mas foi 10 anos depois que ele conquistou o país com Sabiá, em A Força do Querer, personagem  este que estaria em apenas três capítulos e ganhou força até a última exibição da novela. O ator, formado pelo grupo Nós do Morro, no Rio de Janeiro, não esconde sua autoestima elevada e justifica que teve uma base muito sólida para ser quem é hoje.

“Essa autoestima vem de um pai e uma mãe maravilhosos. Eles são incríveis. Por toda a dificuldade que eu passei na minha infância, os dois trabalharam muito para se superarem e me darem atenção. Não é beleza, roupa ou carro, minha autoestima é o brilho no olhar. Quando eu olho ou abraço alguém, faço isso de verdade. A autoestima é viver o agora para ter um amanhã melhor. O protagonista da sua vida tem de ser você”, salienta.

Atualmente ele está na websérie Ilha de Ferro, disponível na Globo Play, em que vive Fiapo, um homem que trabalha numa plataforma de petróleo e que não aceita se submeter às ordens de uma chefe mulher, vivida por Maria Casadevall. Jonathan acentua que ainda é importante discutir este machismo para fazer com que os homens reflitam sobre este tipo de pensamento.

“Os personagens trabalham em uma ilha de ferro em que os homens são a maioria. Eu quero incrementar essa discussão sobre o machismo. Como ator, quero que todos os homens reflitam o que suas mulheres passam no dia a dia. Quero mostrar essa realidade ao mundo por meio do Fiapo. A mulher sempre teve um papel gigante na sociedade e, se não fosse por elas, nem estaríamos aqui. Está sendo um prazer colocar essa discussão em pauta”, diz.

Na TV aberta, o ator também mostrou seu lado musical no reality show Posptar, mas não se consagrou como campeão. Em contrapartida, ele afirma que ficou muito feliz com a experiência e comemorou que o primeiro lugar foi de Jeniffer Nascimento.

“Me senti um campeão de vê-la se consagrar como campeã, uma mulher negra. Quero ver essas deusas chegarem ao lugar que elas merecem de fato. Para mim foi maravilhoso só de ver isso. Eu já tive uma banda de rap e agora construí um novo grupo em que eu tive de ampliar o meu leque musical. Não poderia ficar apenas restrito ao rap. Aceitei o desafio, fui para lá, brinquei e me diverti bastante.”

O grupo saiu da TV, ganhou os palcos e um nome: Neggs. Aliás, eles já estão preenchendo todas as páginas da agenda com shows e pretende sair pelo país levando um mix fashion musical.

“Nossa banda mistura moda, música e entretenimento. Está sendo maravilhoso porque meu irmão, Jefferson Brasil, e eu somos atores, cantores e artistas e vamos viajar o Brasil levando nossa música”, completa.

Jonathan Azevedo (Foto: Reprodução/Instagram)

 

+ sobre o tema

‘Sexo frágil’ – será?

Para início de conversa esse rótulo está ultrapassado. Em...

BA empossa 1ª transexual no serviço público do Estado

O transexual Paulo César dos Santos, de 25 anos,...

Índias levam bandeiras feministas às aldeias e assumem dianteira do movimento

Nascidas em aldeias indígenas no Acre, Letícia Yawanawá, 49...

para lembrar

Sexo e gênero e a boçalidade eleita

"ANTES DA TRANSFORMAÇÃO DE UM HOMEM OU DE UMA...

Como o 8 de Março mudou a ciência

Eva Alterman Blay é Professora Emérita da USP e...

Especialistas pedem mais compromisso com saúde de presidiárias

Se a realidade psicológica e social da mulher encarcerada...
spot_imgspot_img

O direito das mulheres à literatura

A literatura, para Antonio Candido, é direito inalienável do sujeito, indispensável à humanização. Espaço de desacato, para a escritora argentina María Teresa Andruetto, ela nos questiona,...

Competência Feminina Negra diante de Chefes e Colegas de Trabalho Negros: Desafios e Reflexões

Hoje, mês da consciência negra, não focalizaremos no racismo perpetrado pelos brancos, mas sim direcionaremos nossa atenção para nós mesmos. Vamos discutir as novas...

Pode a subalterna julgar?

O STF (Supremo Tribunal Federal) é a mais alta corte do Poder Judiciário brasileiro, cuja presidência é a quarta na linha de sucessão à Presidência da República. Na hipótese...
-+=