Juliana Ribeiro mostra Preta Brasileira no verão de Salvador

Das partituras para o palco, a poesia vira som e cena teatral no novo show da cantora Juliana Ribeiro, intitulado “Preta Brasileira”. São três linguagens reunidas que culminam numa experiência multi-artística, em que músicas são interpretadas por personagens e poesias se misturam com canções.

No Tribuna da Bahia 

O novo espetáculo terá três exibições, no Teatro Solar Boa Vista, com estréia no próximo dia 19 de dezembro (sexta-feira). A outras apresentações acontecem no dia 16 de janeiro e no dia 20 de fevereiro, sempre às 20h, com ingressos a R$ 20 e R$ 40 (meia para todos mediante doação de 1 kg de alimento).

O verão de Juliana Ribeiro mais uma vez utiliza a música como pano de fundo para reverenciar outras formas de arte e para falar de temas que, embalados pela poesia, ganham força.

“Preta Brasileira” é o nome do show e também uma das canções do repertório, de autoria da artista, que fala de miscigenação racial e das inúmeras denominações para os tons de pele do brasileiro.

A letra é irreverente e fala da mulher negra contemporânea, inspirada na própria vivência da compositora. “A ideia é abordar temas atuais e agregar várias linguagens dentro do show, dando vida aos personagens que compõem cada canção”, adianta Juliana.

Com direção artística da própria cantora, ‘Preta Brasileira’ traz duetos cênicos entre a artista e o ator Pedro Rosa de Moraes, casando teatro e música e imprimindo um clima divertido ao show.

Já Vinicius de Moraes, Paulo Leminski e Cecília Meirelles foram os parceiros poéticos escolhidos por Juliana para seu espetáculo multi-artístico. “O show tem a música como pano de fundo para dialogar com o teatro, a poesia e a arte performática”, destaca Juliana

No repertório, Juliana lança mais três canções inéditas, além da homônima ao show. São elas “Canto de Olorum”, de Gerônimo, “Cantador do Sertão”, de Seu Reginaldo Souza, e “Rainha Ginga”, uma homenagem da artista à eterna Clementina de Jesus, em parceria com Lia Chaves.

Entre as surpresas do show, também está um autêntico boas-vindas que Juliana escolheu para receber o público e iniciar o espetáculo. Como um presente de Olorum, ela surgirá do teto do Teatro Solar Boa Vista.

Em destaque, outras duas músicas consagradas no cenário nacional incrementam o repertório do show: “Carcará” (João do Valle e José Cândido, 1964), que ganha nova roupagem e ancora um discurso reflexivo da cantora contra a prostituição infantil no nordeste brasileiro; e “Galope”, canção composta por Gonzaguinha em 1974 e que remete ao Baião, ritmo universalizado no país por Gonzagão, pai do cantor.

A cada edição, a cantora promete convidar um artista do cenário local ou nacional. Projeções fotográficas de Gal Meirelles, doutora e antropóloga, farão parte da cenografia do espetáculo. Na estreia, a exposição ‘A Cor do Invisível’ vai dialogar com outros elementos cênicos escolhidos para compor o show. Em cada apresentação, uma exposição diferente.

A pesquisa focada nas raízes do samba permanece norteando o trabalho de Juliana Ribeiro. Desta vez, ela traz para o palco ritmos ancestrais como vissungo (dialeto ainda falado no sudeste brasileiro),o côco de roda, o  maxixe, chamado pela artista de avô do samba. Zé Ketti, Paulinho da Viola, Sinhô, Roque Ferreira fazem parte do set list da artista.

Uma homenagem afetiva também marca a temporada da cantora. Neta de Herondino Ribeiro, um dos 11 estivadores que fundaram o Afoxé Filhos de Gandhy, a cantora irá reverenciar os 66 anos de existência do grupo.

Os músicos André Tigana, Luciano Chaves, Tedy Santana e Sérgio Müller vão acompanhar a artista nessa odisseia poética e teatral, que tem direção musical de Duarte Velloso e Ricardo Hardmann.

+ sobre o tema

Congresso argentino volta a discutir legalização do aborto

Milhares de pessoas voltarão, nesta quarta-feira (29), às ruas...

Bancada evangélica agora investe na “cura” dos gays

Na Câmara, a Comissão de Seguridade Social e Família...

para lembrar

Meninos Bons de Bola, o primeiro time de homens trans do Brasil

Raphael é o idealizador do Meninos Bons de Bola,...

Baixada Fluminense abre neste mês 1º Festival Literário e Cultural

Com entrada franqueada ao público, o 1°  (Flic) será...

“Meu avô abusou sexualmente da minha mãe e eu sou o resultado”

A americana Rexan Jones, 23, é fruto dos anos...

A figura paterna no desenvolvimento infantil

Pesquisas revelam a influência específica do pai no fortalecimento...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=