Lideranças femininas negras se reúnem em encontro transnacional

Enviado por / FonteBrasil 247

Dezenas de mulheres negras de diversos países do mundo se encontram nesta terça e quarta-feira (28 e 29 de julho), no 1º Webnário Transnacional promovido pela Mahin – Organização de Mulheres Negras. A atividade acontece através de plataformas online, com transmissão ao vivo pelo Facebook e Youtube, das 11h às 15h. O encontro emitirá certificado para as participantes do dia 28, por meio de inscrição prévia no site www.negrasmahin.org. O Webnário integra as atividade do Julho das Pretas e conta com a parceria e apoio de instituições como a Cese, Coletivo Luiza Bairros, Fórum Marielles, Almaa, Rede de Mulheres Negras, Sindoméstico, Kilomba, Afroresistance, Malungu, Rede de Mulheres de Terreiro e os Comitês Comunitários de Enfrentamento a Covid-19 nos Bairros Populares e nas Religiões de Matriz Africana de Salvador.

O Webnário Transcional, além de marcar o mês em que celebra a luta das mulheres negras latino-americanas e caribenhas, tem por objetivo traçar estratégias de articulação, mobilização e apoio mútuo entre mulheres negras como forma de enfrentamento ao racismo, ao sexismo e as formas e exploração impostas pelo capitalismo. Entre as construções propostas pelo encontro, estão a consolidação de uma Rede Transnacional de Lutas e uma Escola de Formação Permanente Feminista Negra. Para isso, uma série de lideranças femininas negras da América Latina e Caribe, África, Ásia, América do Norte, Europa e outros lugares foram convidadas a fazer parte dessa construção histórica para o movimento feminista negro.

Entre as mulheres negras que participam do evento, estão: a ativista pelos direitos humanos Raaya Famau Ahmed (Quênia); a deputada Joacine Katar (Portugal); a diretora executiva da ONG Afroresistance Janvieve Wiliams Comrie (EUA/Panamá); a da socióloga e ex-Ouvidora Geral da Defensoria Pública do Estado da Bahia, Vilma Reis (Brasil); a ativista e da Agência ONU para Refugiados Prudence Kalambay (República Democrática do Congo); a embaixadora Tonika Seal Thompson (Barbados) e a pesquisadora panafricanista Yannia Sofia Garzón Valencia (Colômbia). programação completa abaixo

O evento começa no dia 28 (terça), às 11h, com a realização do painel de análise de conjuntura que debaterá “Violência, mulheres negras – enfrentamento político/econômico no contexto de pandemia e no pós-pandemia”.

O debate será realizado por meio de blocos, onde as lideranças de cada região apresentará reflexões sobre a realidade da vida das mulheres negras diante do cenário atual mundial. “Compreendemos que o impacto da pandemia da Covid-19 na precarização das vidas negras, na exploração capitalista, no racismo estrutural e nas situações de genocídio da população negra, se dá diretamente na vida das mulheres negras e isso precisa ser levado em consideração a nível global. Esse encontro é o primeiro passo para a construção de nosso futuro”, salienta Maria José Menezes, biológa e integrante da Mahin – Organização de Mulheres Negras.

Para a quarta-feira (29), o Webnário realizará uma roda de conversa relacionada a quatro eixos temáticos, são eles: 1) Mulheres negras no contexto de imigração na Europa, EUA e Brasil; 2) Saúde da população negra na África e Diáspora e Genocídio negro; 3) Questões sócio-ambientais: interesses econômicos na Amazônia, agricultura; privatização da água; comunidades quilombolas, de pescadores e pescadoras, de Terreiros e outros povos tradicionais; 4) Articulação e fortalecimento das redes de aquilombamento de mulheres numa perspectiva transnacional. A atividade desse dia é destinada apenas a representantes de organizações de mulheres negras que entrarem em contato com a Mahin previamente.

“Como desdobramento dos diálogos e parcerias com mulheres negras organizadas em grupos estabelecidos durante o Webnário sustentaremos o segundo momento dessa construção coletiva que está planejado para ser realizado em novembro, visando a atuação e incidência das mulheres negras na política internacional”, completa Denize Ribeiro, professora da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) e integrante da Mahin – Organização de Mulheres Negras.

A MAHIN é uma organização não governamental de mulheres negras da Bahia (Nordeste do Brasil). É internacionalista, anticapitalista, antirracista, anticolonial, popular e de esquerda que atua na construção de um projeto coletivo e libertário que busca o protagonismo das mulheres negras a partir da articulação das bases, aliado à incidência política, socializando o diálogo com os demais movimentos sociais na perspectiva da transformação da sociedade. Articula com mulheres negras e indígenas no Brasil, América Latina e Caribe, África, Ásia, América do Norte e Europa.

A Mahin tem como seus principais objetivos: Promover a incidência política para luta, defesa e construção de direitos a partir do protagonismo dos sujeitos políticos, especialmente as mulheres negras; produzir, estimular a produção, identificar e sistematizar conhecimentos construídos a partir da experiência das mulheres negras numa perspectiva decolonial.

PROGRAMAÇÃO

28 de julho (terça-feira)

11h ás 15h

Transmissão pelo Facebook e Youtube da Mahin

Painel: “Violência, mulheres negras – enfrentamento político/econômico no contexto de pandemia e no pós-pandemia”.

Painelistas: Prudence Kalambay(República Democrática do Congo); Nadine Nembhard (Quênia); RayaFamau Ahmed (Quênia); Vilma Reis (Brasil); Fuva Muiambo (Moçambique); Joacine M. Katar (Imigrantes africanos-Portugal); Milca Martins (Brasil); IshitaMukopadhyay (Índia); Tonika Seal Thompson (Barbados); Janvieve Willians (EUA/Panamá); Yannia Sofia Garzón Valencia (Colômbia); Fani (ColombiaConfirmar com Suzete); Maria José Pacheco (Brasil); Andreia de Jesus (Brasil).

29 de julho (terça-feira)

11h às 15h

Participação restrita a organizações de mulheres negras

Roda de conversa: Eixos temáticos – 1) Mulheres negras no contexto de imigração na Europa, EUA e Brasil; 2) Saúde da população negra na África e Diáspora e Genocídio negro; 3) Questões sócio-ambientais: interesses econômicos na Amazônia, agricultura; privatização da água; comunidades quilombolas, de pescadores e pescadoras, de Terreiros e outros povos tradicionais; 4) Articulação e fortalecimento das redes de aquilombamento de mulheres numa perspectiva transnacional.

Serviço: 

Josy Azeviche:  (71) 98828-6176

Juliana Dias (71) 99116-8055

Email: [email protected]

Site: www.negrasmahin.org

+ sobre o tema

‘Meu útero foi removido sem eu saber e só descobri 11 anos depois’

Uma mulher sul-africana contou à BBC como ela foi...

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Oxfam: Brasil é um caso de sucesso na redução da desigualdade

Sugerido por robson_lopes Trechos dos artigos: Felizmente, a...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

para lembrar

Desafios do Feminismo diante da questão de raça

Há pouco tempo atrás um debate acirrado aqueceu as...

A apresentação de Beyoncé no VMA foi o momento feminista que eu estava esperando

Imagem da apresentação da cantora norte-americana Beyoncé no prêmio Video...

Nós, Madalenas: uma palavra pelo Feminismo

Maria Ribeiro é a fotográfa responsável por transformar em...

Ofensiva feminista

Criminalizado no Brasil, o aborto é um assunto interdito...

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...
-+=