Literatura afro-brasileira: coletânea reúne 18 histórias sobre os orixás

Enviado por / FontePor Thiago Rodrigues, do EM

Livro traz as entidades religiosas como base para contos inéditos

A editora Malê lançou o livro “Contos de axé: 18 histórias inspiradas nos arquétipos dos orixás”, obra que apresenta narrativas escritas por autores de diferentes regiões do Brasil sobre os orixás.

Rompendo com as barreiras de outras produções literárias no país, a obra tem como um de seus principais objetivos trazer mais visibilidade a temáticas que não possuem reconhecimento. Um desses temas é a tradição das religiões de matriz africana e das entidades como os orixás.

Para Marcelo Moutinho, idealizador e organizador da coletânea, as culturas e as tradições afro-brasileiras são elementos importantes formadores do país. “A partir dos contos criados com base na mitologia das religiões de matriz africana, a ideia é tentar iluminar uma cultura de admirável força alegórica que costuma ser ignorada no Brasil, embora seja tão definidora de nossa gênese”, afirma Moutinho.

Confira os 18 autores que contribuíram com a coletânea:

  • Aidil Araújo Lima
  • Carlos Eduardo Pereira
  • Edimilson de Almeida Pereira
  • Eliana Alves Cruz
  • Fabiana Cozza
  • Geovani Martins
  • Giovana Madalosso
  • Gustavo Pacheco
  • Itamar Vieira Junior
  • Jeferson Tenório
  • Juliana Leite
  • Luisa Geisler
  • Marcelino Freire
  • Miriam Alves
  • Nei Lopes
  • Paula Gicovate
  • Rodrigo Santos
  • Socorro Acioli

A diversidade e a variedade dos autores foi um dos caminhos escolhidos por Marcelo Moutinho no momento da organização da coletânea, optando por escritores de localidades, gêneros, raças e carreiras diferentes.

Na obra, há autores que estão iniciando seus percursos nas escritas sobre religiões de matriz africana e outros que já são consolidados, com diversas obras e livros sobre o tema. É o caso do compositor, cantor, escritor e pesquisador Nei Lopes, que também integra a lista de autores escolhidos para a coletânea.

Literatura negra para todos os públicos

Outras obras com características semelhantes também foram lançadas este ano no Brasil. É o caso de “Òrun Àiyé: A criação do mundo”, que narra o surgimento do universo a partir da mitologia iorubá.

No livro, dedicado ao público infantil, a autora baiana Jamile Coelho apresenta o plano espiritual Òrunonde, onde vive Olorum, o senhor de todas as coisas e seus filhos, Obatalá e Odùdùa, quem espalha a magia necessária para o surgimento da terra.

O cenário da literatura negra nacional vem sendo tema de pesquisas pelo país. Em um estudo realizado pela Universidade de Brasília (UnB) e divulgado em 2014 foi indicado que aproximadamente 90% dos romancistas nacionais e contemporâneos são brancos. Além disso, quase 70% são homens e aproximadamente 50% são residentes em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro.

+ sobre o tema

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

Afroempreendedores criam peças exclusivas com o mínimo de impacto ambiental no Encontro Preto

Esse Dia das Mães contará com com consumo diferenciado....

Milton Nascimento faz 80 anos; relembre seus discos mais importantes

Uma discografia que se inicia com uma marca, "Travessia"....

Este chamamento é destinado exclusivamente á pessoas pretas e pardas

Ayodele Balé Escola de Formação em Danças é uma...

Mostra em Inhotim revela caminhos de Abdias Nascimento no exílio

Intelectual de múltiplos talentos, Abdias Nascimento havia feito suas...
spot_imgspot_img

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

Chega a São Paulo Um defeito de cor, exposição que propõe uma revisão historiográfica da identidade brasileira por meio de uma seleção de obras em...

De 25 de abril a 1º de dezembro, o Sesc Pinheiros recebe "Um Defeito de Cor". Resultado da parceria entre o Sesc São Paulo...

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada de travesti e mulata (atualmente, prefere-se o termo pardo ou negro). Aos 76 anos, sendo...
-+=