Manifestantes em prol dos direitos humanos fazem protesto em Cuiabá

Membros de institutos, ONGs e estudantes fizeram protesto na capital.
Deputado gerou polêmica após declarações contra grupos sociais.

Por: Denise Soares

Um grupo de manifestantes de Cuiabá fez um protesto nesta sexta-feira (19) em prol dos direitos humanos, além de criticar a permanência do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Feliciano é acusado de racismo e homofobia, após discursos polêmicos em redes sociais sobre negros, homossexuais e mulheres.

Os cerca de 100 manifestantes se reuniram na Praça Alencastro, em frente à Prefeitura de Cuiabá, e se posicionaram contra as declarações do deputado, através de cartazes e depoimentos públicos. “As declarações dele vão contra tudo aquilo que já discutimos e conquistamos no Brasil. Esses discursos só dão espaço para fomentar a homofobia e a violência contra os negros, além de ir contra os direitos que as mulheres já conquistaram”, declarou ao G1 Clóvis Arantes, membro e presidente do Grupo Livremente.

Para a documentarista Rizza Matos, de 26 anos, integrante do Instituto Humana Raça Fêmina, da cidade de São Félix do Araguaia, a 1.159 quilômetros de Cuiabá, a presença de Feliciano na Comissão é uma ameaça ao estado democrático.

feliciano620x465 2

“Você vê uma pessoa que representa um grupo religioso e que está tentando impor os pensamentos religiosos. O estado é laico e não podemos tolerar esse tipo de coisa. Não temos a intenção de criminalizar os evangélicos ou cristãos, mas ele [Feliciano] quer impor dogmas religiosos na sociedade”, disse Rizza.

O universitário Vinícius Fernandes, de 20 anos, classificou o discurso de Feliciano como ‘agressivo’. “O discurso que ele implanta é machista, cheio de ódio e vai contra a democratização. Não precisamos de Marco Feliciano para dizer que negros são amaldiçoados ou que o homem e a mulher são a única forma de amor”, pontuou Vinícius.

O grupo também lembrou os crimes contra homossexuais na capital, como a de Paulo Medina, dançarino de 38 anos assassinado a facadas no dia 14 de abril.

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) disse na semana passada, após participar da reunião de líderes partidários na Câmara, que não renunciará à presidência da Comissão de Direitos Humanos. Indagado sobre a decisão de não renunciar, o parlamentar do PSC afirmou: “Eu fico. Eu fui eleito democraticamente. Me dêem uma chance de trabalhar.”

 

Fonte: G1

 

Leia Também: 

Estudante de Guiné Bissau assassinado por policiais em Cuiabá

Cuiabá: O Racismo que ninguém vê

Neofascistas decretam pena de morte em Cuiabá

João Negrão: As duas mortes do Toni

Nota de solidariedade a Dom Pedro Casaldáliga

+ sobre o tema

Ex-presidenta da Comissão de Direitos Humanos pede abertura de processo contra pastor Feliciano

  A ex-presidenta da Comissão de Direitos Humanos e Minorias...

Marco Feliciano tem agenda própria, alerta igreja

O Conselho Coordenador da Igreja Presbiteriana Unida do...

Carta Africana de Direitos Humanos foi adoptada há 32 anos

Luanda – A Carta Africana de Direitos do...

para lembrar

GPS revela trajeto de carro da PM onde estava Amarildo

Jornal Nacional teve acesso com exclusividade às informações.Nesta quarta-feira...

Nós por nós, na luta e no luto

“JULGUEM A MIM”, postou no Facebook um grande ativista...

Esqueço não

Janaína de Almeida Teles, nascida em 1967, tem pedigree...
spot_imgspot_img

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...

PM matou 94% a mais na Baixada Santista; ‘Tô nem aí’, diz Tarcísio

"Sinceramente, nós temos muita tranquilidade com o que está sendo feito. E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da...
-+=