Marina Silva morreu abraçada a Feliciano

O fim patético de uma candidatura que surgiu como promessa de renovação.

Marina Silva faleceu politicamente hoje, 15 de maio, vítima de si própria.

Morreu abraçada ao irmão evangélico Marco Feliciano.

RIP.

As três linhas acima resumem o fato político mais importante do dia.

Num erro de avaliação impressionante, Marina Silva, numa viagem ao Recife, tomou a defesa de Feliciano.

Disse que ele estava sendo atacado, em boa parte, por ser evangélico.

Vou repetir.

Disse que ele estava sendo atacado, em boa parte, por ser evangélico.

Ora.

Feliciano, desde que irrompeu do anonimato, tem repetido barbaridades homofóbicas e racistas em sucessivas e despudoradas odes à intolerância e ao fanatismo.

Quando já achávamos que ele tinha esgotado o estoque de obscurantismo agressivo, eis que aparece um vídeo no qual ele diz que Deus assassinou John Lennon porque não gostou de uma coisa que Lennon disse.

E com todo esse passivo brutal de posições que fazem mal à sociedade, Marina consegue dizer que a rejeição a Feliciano se funda mais na religião que na obra do pastor.

“Quando penso em certas coisas que disse, invejo os mudos”, escreveu Sêneca, o grande filósofo estoico da Antiguidade romana.

Eis uma frase que cabe em Marina.

Para quem num certo momento surgiu como esperança de renovação política, não poderia haver desfecho mais patético do que falecer na bizarra defesa do que existe de mais vulgar, mais mistificador e mais atrasado na política brasileira, o pastor Feliciano.

Por: PAULO NOGUEIRA

Fonte: Diário do Centro do Mundo

+ sobre o tema

Luiza Bairros apresenta balanço das ações da Seppir para bancada do PT

por Rogério Tomaz Jr. Em reunião com a bancada do...

Ministra diz que só ação federativa pode conter violência contra jovens negros

A ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos...

Dois novos municípios aderem aos sistema de igualdade racial

O Diário Oficial da União dessa segunda-feira (14) divulgou...

Seppir e MRE promovem reunião para discutir racismo em AL e Caribe

Evento começa às 9h desta quinta-feira, no auditório do...

para lembrar

Governo Federal garante inclusão social da população negra

As comunidades quilombolas representam um patrimônio cultural do Brasil....

O caráter racista da PEC 55

Cortar investimentos públicos significa manter os negros nos grilhões Por Djamila...

65 organizações repreendem Marina: “Não aceitamos BC independente”

65 entidades do movimento popular, sindical, estudantil, ambiental e...

Primeiro Dicionário de Políticas Públicas no Brasil pode ser acessado pela internet

Capital social, Estado de Direito, Gestor Público,  Esfera Pública...Como...
spot_imgspot_img

Geledés e Alana lançam pesquisa sobre municípios que colocam a Lei 10.639/03 em prática

Em Diadema (SP), após um ano de implementação da Lei 10.639/03, que há 20 anos alterou a LDB e instituiu a obrigatoriedade do ensino da história e...

O Brasil se movimenta a partir das mulheres negras

Pela primeira vez celebramos o julho das pretas num Brasil com quatro ministras de Estado negras —e não vamos simular normalidade. É histórico, uma ventania de...

Tiro no pé ambiental

O Congresso pressionou, e o governo cedeu justamente nas áreas —climática e ambiental— que fazem este país ser relevante aos olhos do mundo. Ao desidratar parte das pastas do...
-+=