Medidas econômicas de Bolsonaro contra o coronavírus são inferiores às de outros países, aponta FGV

As medidas anunciadas pelo governo de Jair Bolsonaro para conter o impacto do coronavírus no Brasil estão “muito abaixo do que foi anunciado em outros países”, segundo levantamento do Observatório de Política Fiscal do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), feito pelo economista Manoel Pires.

Por Mariana Schreiber, da BBC

Getty Images

De acordo com ele, iniciativas anunciadas até o momento pelo governo federal — como antecipação do 13º salário de pensionistas e aposentados do INSS, redução temporária de impostos para empresas, ampliação do programa Bolsa Família, novos recursos para o Ministério da Saúde e transferências para Estados e municípios — somam cerca de 4% do PIB do país.

Já na Alemanha, os gastos do governo para enfrentar a crise do coronavírus atingiram 37% do PIB na segunda-feira (23/03), com o anúncio de mais um pacote de 800 bilhões de euros (cerca de R$ 4,4 trilhões), nota Pires.

As medidas incluem 156 bilhões de euros (R$ 854 bilhões) para financiar gastos sociais mais altos. Também há previsão de compensação financeira aos empregados que tiverem redução na jornada de trabalho.

O PIB é o conjunto de bens e riquezas gerado por um país em um intervalo de tempo, normalmente medido ao ano. A comparação dos valores anunciados pelos países contra a crise do coronavírus em percentual dos seus PIBs permite ver qual o esforço que cada nação tem feito, proporcionalmente ao tamanho de suas economias.

Em países como Reino Unido e Espanha, as ações dos governos chegam a 17% do PIB, aponta ainda o levantamento da FGV.

Nos Estados Unidos, por sua vez, os valores discutidos chegam a 6,3% do PIB, mas há uma negociação em andamento no Congresso para elevar o percentual para 11,3%.

Entre as medidas anunciadas pelo governo britânico, por exemplo, está a reposição de até 80% da renda dos trabalhadores que tiverem seus salários suspensos, respeitado o limite de 2.500 libras (cerca de R$ 14.800) por mês, um patamar superior à renda mediana no país.

Críticas e recuo

Já o governo Bolsonaro chegou a editar uma Medida Provisória que permitia suspender salários por até quatro meses, sem qualquer compensação aos trabalhadores.

O presidente recuou da medida após fortes críticas e deve anunciar outro esquema que preveja alguma compensação.

Para Manuel Pires, o esforço fiscal do governo brasileiro adotado até o momento é “absolutamente insuficiente” para enfrentar a crise.

Ele ressalta que parte das medidas é apenas antecipação de despesas que já ocorreriam ao longo do ano, o que significa que não terão efeito se a crise se prolongar por vários meses. Na sua avaliação, há espaço fiscal para o governo fazer mais.

“Pode não ser na intensidade do que outros países estão fazendo, mas dá para fazer mais e melhor. Cada problema tem que ser resolvido no seu momento. O momento agora é da crise”, afirma.

Situação de guerra

O economista da FGV defende que o aumento do endividamento público para custear os gastos extras nesse momento seja pago depois com elevação de impostos.

“Se o governo perguntasse para as pessoas se elas topam receber um benefício agora durante a crise e repagar o governo mais à frente na forma de um imposto pequeno e bem diluído no tempo, de forma temporária por 10 ou 15 anos, tenho certeza que muita gente toparia. O debate fiscal a meu ver nesse tema se dá dessa forma”, propõem.

“Imposto de Renda é o que normalmente é utilizado em casos como esse. Foi o que aconteceu em períodos de guerra. A analogia aqui é direta”, diz ainda.

A ampliação dos gastos para conter a crise do coronavírus tem sido defendida por vários economistas que tradicionalmente defendem o controle das contas públicas.

O ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, em entrevista ao programa Roda Viva na segunda-feira, sugeriu que o governo crie rapidamente um programa de renda mínima que atenda até 100 milhões de pessoas, quase metade dos brasileiros.

Segundo ele, a iniciativa custaria cerca de R$ 300 bilhões (cerca de 4% do PIB) e poderia ser custeada com aumento da dívida pública.

Os números do esforço brasileiro

O levantamento da FGV que comparou o esforço de diferentes países considerou as ações que têm impacto nas contas do governo, ou seja, que significam perdas de receitas ou aumento de gastos. Nesse sentido, o esforço fiscal do governo federal brasileiro somava R$ 207,3 bilhões até domingo, o equivalente a 2,86% do PIB (Produto Interno Bruto) do país, calculou Pires.

Nesta segunda-feira, o governo anunciou mais um pacote de R$ 88,2 bilhões em apoio a Estados e municípios, que inclui repasse de recursos e suspensão e renegociação de dívidas. Se todo esse volume de fato representar novos gastos para a União, o que não está ainda totalmente esclarecido, o esforço fiscal do governo federal contra o impacto do coronavírus chega a cerca de 4% do PIB, estimou o economista a pedido da reportagem.

No entanto, ao anunciar o pacote, o próprio governo destacou que cerca de R$ 20 bilhões se referem a propostas enviadas ao Congresso para socorrer os Estados antes da chegada da doença ao Brasil e que estão paradas no Parlamento.

Até o momento, a medida de maior impacto adotada no Brasil foi a redução do requerimento de capital dos bancos, que liberou R$ 672 bilhões para essas instituições ampliarem sua capacidade de crédito. Essa medida, no entanto, não afeta as contas do governo, pois apenas libera recursos que pertencem aos próprios bancos. O Banco Central pode aumentar ou reduzir esse requerimento com objetivo de regular a oferta de financiamento no mercado.

+ sobre o tema

OABRJ levará absolvição dos policiais no caso João Pedro ao STF

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de...

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito...

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as...

para lembrar

Ban Ki-moon é reeleito secretário-geral da ONU por unanimidade

Candidato único, Ban prometeu manter espírito de 'construção de...

Depois de ato histórico no Rio, São Paulo terá show com artistas por eleições diretas

Mano Brown, Criolo, Emicida, Tulipa Ruiz, Péricles, Otto, Maria...

Tucanos querem reverter pesquisas que mostram queda de eleitorado no Sudeste

PSDB quer anunciar Aécio como vice de Serra em...

Em Minas, Dilma diz que vai criar a Universidade do Sertão

A candidata à presidência da República pelo PT,...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o assunto é pobreza, a francesa Esther Duflo tem gastado muito do seu tempo falando sobre os...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação das ruas são os caminhos mais efetivos para enfrentar a extrema direita. Difícil é encontrar quem...

63% dos municípios do país não realizam concurso para professor há mais de 5 anos

Cerca de seis a cada dez cidades do país estão há mais de cinco anos sem realizar concurso público para contratar professores para as escolas municipais. A...
-+=