Morador de Coronel Vivida de 117 anos pode ser um dos homens mais velhos do mundo

Sebastião Batista dos Santos nasceu no dia 15 de março de 1902. Ele recebeu uma nova identidade e registro de nascimento de técnicos do Instituto de Identificação do Paraná.

No G1

Seu Sebastião: nascimento em 15 de março de 1902. (Foto: Niomar Pereira/Gazeta do Povo)

Sebastião Batista dos Santos pode ser um dos homens mais velhos do mundo. Com 117 anos, o centenário, que mora em Coronel Vivida, no sudoeste do Paraná, gosta de passar o tempo na varanda de casa tocando a gaita que ganhou dos amigos. O segredo da longevidade é a alegria. Ele está sempre sorrindo.

“Estou sempre alegre, graças a Deus! A riqueza que Deus me deu foi essa, sou pobre mas alegre”, se diverte o centenário.

Outra paixão é a horta. Há uma semana ele plantou pés de mandioca no quintal de casa com a ajuda da filha e da neta. Seu Sebastião teve uma doença e ficou um pouco debilitado, mas ainda espera voltar a cuidar das plantas.

“Estou com esperança que daqui mais uns dias já vou de novo limpar, plantar mais um pouco. Tenho esperança de trabalhar mais um pouco ainda”, diz Sebastião Batista dos Santos, de 117 anos

A filha de Sebastião diz que muitas pessoas chegaram a duvidar da idade do pai.

“Algumas pessoas não acreditavam que ele tinha essa idade. A gente apresentava a identidade e o CPF, mas aí perguntavam se tínhamos o registro de nascimento. Não tínhamos”, conta Joceli Santos.

Depois de saber da história do centenário, os técnicos do Instituto de Identificação do Paraná foram pesquisar os registros e conseguiram confirmar, Sebastião nasceu em 15 de março de 1902. Com ajuda dos servidores, ele recebeu a certidão de nascimento e uma nova carteira de identidade.

“A gente tinha uma certidão dele lá no setor de microfilmagem quando ele fez a primeira identidade nos anos 70”, explicou o papiloscopista Roque da Silva.

Agora, com toda documentação oficial, Sebastião pode até ser reconhecido como o homem mais velho do mundo.

A assessoria do Instituto de Identificação do Paraná entrou em contato com o livro mundial dos recordes que está analisando o caso.

A expectativa é de que a resposta seja enviada em até seis meses.

Leia também:

Nascido em quilombo, homem de 126 anos pode ser o mais velho do mundo

Sobre velhos e velhice

“Nunca fui escravo, mas a mãe era”, conta quilombola de 128 anos que vive em Bauru (SP)

+ sobre o tema

Estilosos do LookBook: Kaelin Davis

Este americano mora em Atlanta e se veste muito...

Gaby Amarantos realiza sonho de ser atriz de novela: ‘Me senti oprimida’

A cantora Gaby Amarantos estreia nas novelas em “Além da ilusão”, da Globo....

Assombrando o mainstream

Liderada pelo rapper Emicida, gravadora Laboratório Fantasma quer se...

Donatella Versace fala sobre cotas para negros em desfile e elogia Lenny Niemeyer

Rio - Comecei minha tarde desta sexta num papo...

para lembrar

Primeiro restaurante a desafiar o apartheid fecha após 40 anos de história

Gramadoelas, de Johanesburgo, serviu pela última vez seu célebre...

Encontrado o quarto da escrava que deu 6 filhos ao presidente Thomas Jefferson

Uma equipa de arqueólogos conseguiu descobrir os aposentos da...

Projeto elaborado pela Semed para o mês da Consciência Negra

Como parte integrante da programação do Mês da...

Ouvindo Passos Cia de Dança realiza oficina de criação baseada na oralidade

São Paulo, agosto de 2021. No próximo dia 08/set, a...
spot_imgspot_img

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...
-+=