Mulher negra no STF, nove nomes

Escolha não é identitarismo, é ocupar o poder para reparação histórica

Pessoas negras têm nome e sobrenome e trajetórias construídas coletivamente, por vezes longe dos tapinhas nas costas em Brasília ou das rodas de vinho em Portugal. É hora de pararmos de demandar em abstrato que Lula nomeie uma jurista —e, sobretudo, negra— ao STF; devemos dizer seus nomes. Escolher uma mulher negra progressista não é identitarismo. É política em sentido puro; é ocupar o poder para reparação histórica.

Listo aqui nove juristas, sem prejuízo de outras. Começo com três nomes de juízas negras, que já destoam da regra: estima-se que mulheres negras ocupem apenas 7% do Judiciário e tão somente 2% na segunda instância.

A juíza e professora de direito Adriana Cruz – Zo Guimaraes – 9.dez.2020/Folhapress – Folhapress

Minha favorita, Adriana Cruz é juíza titular no Rio de Janeiro, doutora em direito penal pela Uerj e professora na PUC-Rio —deverá ser secretária-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Outras duas juízas negras despontam como excelentes nomes: Karen Luise Souza, do TJ-RS, que ocupa o Comitê Executivo do Observatório de Direitos Humanos do Poder Judiciário no CNJ e auxilia Rosa Weber; e Flávia Martins de Carvalho, do TJ-SP, diretora de Promoção da Igualdade Racial da Associação de Magistrados do Brasil.

Tirar o foco do eixo sudestino também é fundamental. Outra favorita, Lívia Sant’Anna Vaz é promotora de Justiça no Ministério Público da Bahia, doutora em ciências jurídico-políticas em Lisboa e foi nomeada uma das 100 pessoas de descendência africana mais influentes do mundo. Já Vera Lúcia Araújo é advogada baiana com longa e respeitada trajetória, chegando a ter integrado a lista tríplice do TSE em 2022. Dentro da academia e advocacia pretas, não posso deixar de citar Thula PiresSilvia Souza Alessandra Benedito.

A promotora de Justiça Lívia Sant’Anna Vaz, do Ministério Público da Bahia – Karime Xavier/Folhapress – Folhapress

Já Joenia Wapichana se destaca como a primeira advogada indígena a fazer sustentação oral no Supremo, e sua nomeação seria uma reparação aos anos de morticínio.

O STF somente será equânime quando tivermos 11 mulheres na corte e ninguém achar isso estranho: não achavam quando eram apenas homens por 110 anos até os anos 2000.

+ sobre o tema

A cadeira da foto da socialite-sinhá, segundo um antropólogo

Além de violenta, a versão atual da foto é...

Gilberto Gil fala de primeiro encontro com racismo e medo de morrer

Gilberto Gil está prestes a completar 80 anos. Se...

Brasil reconhece extermínio da juventude negra em audiência na OEA

- Relatora da OEA diz que redução da maioridade...

“Tem sido incrivelmente corajoso”, destaca Lewis Hamilton sobre Vini Jr.

Conhecido pelo seu ativismo em diversas causas, especialmente o...

para lembrar

Cotas Raciais no Concurso para Defensoria Pública de SP

negrobelchior Cotas raciais para Defensoria Pública do Estado de SP Conselho...

Audiência destaca violência contra jovens negros e burla às cotas raciais

Sem negar os avanços da luta pela igualdade racial...

Servidoras municipais acusam médico da UPA de racismo

Duas servidoras municipais, uma de 44 anos e outra...

Universidade: o que a branquitude tem e o que nós temos

A universidade pública é uma instituição branca, concebida por...
spot_imgspot_img

‘Volta pra senzala’: o que disse a policial denunciada por injúria racial contra garçom em Fortaleza, segundo denúncia

Uma inspetora da Polícia Civil denunciada por um garçom pelo crime de injúria racial foi indiciada pela Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública...

Uma descoberta

Fiz uma descoberta importante nos últimos meses. Na verdade, nem é uma coisa nova, mas para mim a “descoberta” foi tão surpreendente quanto a...

SC tem alta de 51% nos casos de injúria racial e lidera denúncias do crime no país

Em Santa Catarina, seis pessoas procuraram a polícia por dia, em média, para denunciar casos de injúria racial em 2023. No ano passado, 2.280 pessoas sofreram ofensas...
-+=