Negros são menos de 1% de cursos de ponta da USP

São Paulo – Em cinco anos, os cursos de Medicina, Direito e Engenharia da Universidade de São Paulo (USP) – considerados de ponta – matricularam 77 alunos pretos. O número refere-se a 0,9% dos matriculados nas carreiras entre 2005 e 2011. Os dados de 2012 não estão disponíveis no site da Fuvest e a universidade não os forneceu. Preto é a terminologia usada pelo IBGE e pela USP para a cor da pele.

Na quinta-feira, a Faculdade de Direito aprovou recomendação para que a USP adote o sistema de cotas raciais. A decisão será encaminhada ao Conselho Universitário, instância máxima da USP, a quem caberá discutir a adoção da medida. O conselho é, tradicionalmente, contrário à ideia de cotas. A USP entende que o sistema de bônus do Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp), voltado a alunos de escola pública, independentemente da cor da pele, já atende as demandas por inclusão. O Inclusp foi adotado a partir de 2007.

Em 2012, a universidade matriculou 28% de alunos vindos de escolas públicas. No ano anterior, esse índice foi de 26%. Somente nos três cursos citados, 12% dos alunos matriculados em 2011 participaram do Inclusp.

A proporção de pretos e pardos, que em geral constituem os beneficiados das cotas, foi em 2011 de 13,4%, dos quais 2,8% se declararam pretos. A proporção de 2011 é bem maior do que a registrada dez anos antes, por exemplo, mas ainda não reflete o perfil da população do Estado de São Paulo, que tem 34,6% de pretos e pardos. No Brasil, são 50,7%.

O diretor da ONG Educafro, frei David Raimundo dos Santos, ressalta que o sucesso do programa de inclusão da USP tem de se refletir nos cursos mais tradicionais. “Se a USP consegue com o Inclusp colocar pretos em Medicina e Direito, nos demais também terá inclusão.” A reitoria informou que não seria possível entrevistar o reitor João Grandino Rodas sobre o tema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

Fonte: Veja

+ sobre o tema

Demetrio racista aqui só tem cotista! A manifestação do alunos no FLICA

Enviado para o Portal Geledes por - Angela Figueiredo...

Em livro, Preta Ferreira tira o sono e convoca à luta

A ansiedade para ler "Minha carne: diário de uma prisão"...

Curso Kilombagem – Fanon; Vida e Obra, dia 20 de julho em Campinas

No dia 20 de julho Frantz Fanon completaria 90...

Denise Assunção, artista indomável e indestrutível

Conheci Denise Assunção na cena underground do Bixiga dos...

para lembrar

Movimento negro apresenta livro sobre racismo em Ilhabela

A Prefeitura de Ilhabela receberá representantes do Conselho de...

Fundo Brasil seleciona projetos de combate ao racismo no país

O Fundo Brasil de Direitos Humanos vai doar R$...

Sociólogo registra queixa de racismo no MP estadual

  Yuri Silva, O sociólogo Josenildo Sousa, especialista...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=