Nota de Apoio de Geledés – Instituto da Mulher Negra e Anis – Instituto de Bioética a Samantha Vitena Barbosa

Nosso relacionamento com Samantha Vitena Barbosa teve início em 2020, ano que ficou marcado pela pandemia de covid-19, pelo isolamento e diferentes formas de violências e violações que acometeram a população brasileira, em particular as mulheres e negros.

Apesar das dificuldades para realizar o diálogo e apoio para a população, em particular aqueles vítimas cotidianas do racismo e do sexismo, Anis e Geledés encontraram um caminho de continuidade de nosso compromisso com ações articuladas e de ampliação de possibilidades para estudantes negros e negras: por meio da Chamada para pesquisadoras negras e negros interessados em pleitear vagas em programas de pós-graduação – 2020, realizamos a troca de saberes e experiências entreprofessoras(es) tutoras(es) e candidatas negras que tinham como projeto de vida a entrada no mestrado ou doutorado, como um direito delas em integrar esse núcleo especializado de saber e uma forma de Anis e Geledés realizarem a justiça racial por meio da preparação para que elas pudessem superar uma das fases mais elitistas do processo para a pós graduação.

Dentre as selecionadas para a formação estava Samantha, naquele momento cientista social e bacharel em relações internacionais, disposta a pleitear uma vaga de mestrado, tendo por foco os temas Educação e Mudança Social; Educação e Justiça Social; Educação e Diversidade Racial. Para ela, o mestrado aportaria estratégias para a formação de professores, de forma a estarem cada vez mais preparados(as) para realizarem a reflexão e estratégias práticas para uma educação antirracista, de maneira que os professores não só abracem as diversidades presentes em sala de aula, mas saibam também lidar com as tensões que a diversidade proporciona. Em razão de seus compromissos, Samantha foi selecionada no mestrado da Fiocruz/RJ.

A crença de Samantha, em que é possível transformar uma sociedade racista como a brasileira e enfrentar a sua manifestação em todos os âmbitos foi confrontada com uma das formas mais violentas de expressão do racismo estrutural e da violência de gênero que marcam o cotidiano de mulheres negras, em particular nas instituições públicas e privadas. Em 28 de abril de 2023 ela sofreu um tratamento inadmissível em um voo da Gol Linhas Aéreas, tendo sido acusada pelo comandante da aeronave de causar tumulto, e forçada a se retirar do avião pela Polícia Federal sem qualquer explicação.

A violência sofrida por Samantha exige mais do que notas de repúdio, comunicado empresarial ou avaliação dos fatos pelo setor de compliance ou similares, tão comuns em situação de violência racial. A situação revela que cor e gênero permitem que mulheres negras tenham revogados os direitos expressos em orientações assumidas por todo o sistema de aviação, e possam ser consideradas causadoras de tumultos mesmo quando reivindicam os mesmos direitos reservados a todo e qualquer passageiro. Ser forçada a sair da aeronave e conduzida por

policiais federais é a mais perfeita forma de reafirmar a hierarquia racial e de gênero que marcam a sociedade brasileira.

Expressamos nosso repúdio à violência racista e de gênero sofrida por Samantha, exigimos que as instituições envolvidas se retratem e se pronunciem com a seriedade que a situação merece, e reivindicamos a realização de um debate ampliado sobre como o racismo e a violência contra mulheres negras se reproduzem.

Mais do que reconhecer ou pedir desculpas por situações de racismo, é urgente que empresas e instituições públicas efetivem práticas antirracistas efetivas no seu cotidiano, para que nenhuma outra pessoa ou mulher negra seja violentada durante seu retorno para casa após um dia de trabalho ou em qualquer espaço, seja ele público ou privado.

Suelaine Carneiro | Geledés – Instituto da Mulher Negra

Gabriela Rondon e Luciana Brito | Anis – Instituto de Bioética

+ sobre o tema

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

para lembrar

Ministra Luíza Bairros é homenageada durante Afro XXI

Horas antes de receber a Medalha Zumbi dos Palmares...

4 efeitos do racismo no cérebro e no corpo de crianças, segundo Harvard

A conclusão é do Centro de Desenvolvimento Infantil da...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=