quinta-feira, agosto 18, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaEntretenimento‘O Pequeno Príncipe Preto’ e a busca por representatividade

‘O Pequeno Príncipe Preto’ e a busca por representatividade

O ator Junior Dantas (RN) sentiu ainda na infância o peso da falta de diversidade nas obras culturais. Por isso, sempre teve o desejo de desenvolver um trabalho que fosse valorizasse as diferenças e celebrasse a beleza da cultura afro-brasileira. O resultado desse empenho é o solo O Pequeno Príncipe Preto, que ganha pré-estreia dia , às 16h, no Teatro Marco Camarotti, como parte do Trema! Festival.
por Márcio Bastos, do JC
O Pequeno Príncipe Preto, com Junior Dantas. Foto: Clayton Leite/Divulgação
“Eu não me enxergava nos produtos que consumia. Se você olhasse para os personagens infantis, por exemplo, do Sítio do Pica-Pau Amarelo, as referências eram o Saci Pererê, que é uma criança com um cachimbo na boca e que faz muitas ações ruins, e tia Anastácia, que era descrita com racismo por Monteiro Lobato. Todos os super-heróis eram brancos, os príncipes loiros”, lembra o intérprete.
Ao lado do diretor e dramaturgo Rodrigo França, Junior decidiu fazer uma adaptação de um dos maiores clássicos da literatura infanto-juvenil mundial: O Pequeno Príncipe, de Saint-Exupéry. Na montagem do artista potiguar, o protagonista é negro e durante suas aventuras pelos diferentes mundos, trata de questões como identidade e respeito à diversidade.
Para construir o trabalho, eles conversaram com famílias negras para saber como elas passavam para as crianças mensagens de empoderamento e orgulho de suas raízes. Junior acredita que o momento não poderia ser mais propício, com o aumento da representatividade em obras como Pantera Negra.
“O nome da peça já diz tudo. O que queremos é criar referências positivas a partir deste protagonista que a cada novo encontro aprende mais sobre a diversidade. Fizemos também outras adaptações. Por exemplo, no livro original, o baobá precisa ser cortado para salvar o planeta. Na nossa peça, a árvore, que tem origem africana, é a melhor amiga do protagonista”, explica o intérprete, que integra também a Cia. OmondÉ.
Colorido e com trilha sonora original, inspirada em ritmos afro-brasileiros, o espetáculo é o único infanto-juvenil dentro da programação do Trema!

LANÇAMENTOS

Ainda hoje, às 19h, no Teatro Apolo, Mata Teu Pai, da Cia OmondÉ, faz sua última apresentação dentro da programação do Trema! Festival. A peça é estrelada por Debora Lamm, que celebra 20 anos de carreira, e faz uma adaptação para a contemporaneidade de Medeia.
Dirigida por Inez Viana e com dramaturgia de Grace Passô, a montagem mantém os eventos da tragédia de Eurípedes, mas lança uma lente de aumento para os temas urgentes do texto, como a opressão feminina e a xenofobia. Rejeitada, Medeia chega às últimas consequências para se vingar. Os ingressos custam R$ 30 e R$ 15 (meia).
Na ocasião, também será lançado o livro com a dramaturgia de Passô. Outra publicação que estará disponível para compra no Teatro Apolo é Pasolini, do Neorrealismo ao Cinema Poesia, de Daniel Kinski. O autor paulista investiga a poética do diretor italiano, um dos nomes mais importantes do cinema, e como seu trabalho opõe ao conservadorismo.

SERVIÇO

O Pequeno Príncipe Preto
Quando: dia 27 de maio, às 16h
Onde: no Teatro Marco Camarotti (Rua Treze de Maio, 455, Santo Amaro)
Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia)
Informações: 3216-1728
Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench