O que fazer ao presenciar uma criança praticando racismo contra outra?

Para que essa reflexão caminhe, precisaremos entender que o Brasil é um país racista. Temos dados suficientes para comprovar que a maioria das pessoas negras está em situação de pobreza, que o acesso à educação, saúde e outros direitos básicos é mais precarizado quando oferecido à população negra.

Precisaremos entender que não existe racismo contra pessoas brancas, uma vez que a intelectualidade branca, a estética branca e a palavra de pessoas brancas são exaltadas e supervalorizadas no Brasil.

Em suma, para prosseguir, precisamos concordar que o racismo contra pessoas negras no Brasil existe e que não vivemos numa democracia racial. Também precisaremos concordar que muitas famílias brancas brasileiras são racistas e ensinam as crianças brancas a perpetuar o racismo na comunidade, na escola e em outros espaços que frequentam.

Não é possível dialogar sobre estratégias de intervenção diante de uma situação em que uma criança teve postura racista contra outra, se não acreditamos que o racismo existe.

Existem muitas pesquisas que revelam os efeitos do racismo em crianças negras, sobretudo, quando estão no ambiente escolar. E engana-se quem acredita que somente pessoas adultas contribuem para a fragilização da autoestima de crianças negras. As crianças brancas, por vezes, chegam em ambientes comunitários e escolares com pouca ou nenhuma reflexão sobre sua própria raça (branca) ou sobre relações raciais.

Quando uma família branca —consciente ou inconscientemente — não dialoga com suas crianças sobre relações raciais e racismo, está contribuindo para a perpetuação da violência racial. Ser uma pessoa branca com postura antirracista é também dialogar com as crianças brancas sobre sua própria raça e seus privilégios.

Então vamos lá: se uma criança branca tiver uma fala ou comportamento racista com uma criança negra, o que eu posso fazer?

Vamos começar com um exercício: suponhamos que uma criança é empurrada de uma escada por outra criança, qual a primeira medida que você adota? Imagino que seja socorrer a criança que caiu e verificar se ela está bem ou se precisa ser levada ao pronto-socorro. Daí, só depois você dialogará com a criança que a empurrou buscando mostrar a ela que não se pode agredir ninguém, que isso gera dor.

Pois bem, diante de uma violência racista, primeiro acolhemos a vítima e depois olhamos para a pessoa que a agrediu. Socorra a criança negra, diga que sente muito por ela ter sido vítima de uma agressão daquela dimensão, pergunte se ela deseja que você chame algum adulto que ela confia, valorize a estética e inteligência daquela criança negra e cuide para que ela sinta que sua dor foi legitimada e acolhida.

Com essa atitude, automaticamente a criança negra poderá se sentir protegida e a criança branca perceberá que sua atitude gerou efeito emocional em outra pessoa, além de ter sido desrespeitosa e violenta.

Em seguida, é preciso pensar que ninguém nasce racista, mas aprende a ser racista, então aquela criança aprendeu com alguém. Não aja com violência, não grite ou chame a criança de feia, muito menos diga que ela será castigada por alguma divindade. Aproxime-se dela e dialogue sobre aquela postura, busque informar que aquela atitude foi racista e que agressões fragilizam as pessoas e as relações.

Essas são atitudes imediatas diante de um episódio de racismo entre crianças, mas é importante não parar por aí. É preciso desenvolver planos de médio e longo prazo, abrindo espaço para diálogos em casa, na comunidade e na escola sobre relações raciais, tornando o posicionamento antirracista parte da construção de todas as relações desde a infância.

+ sobre o tema

Bárbara Querino, modelo negra presa estava a 85 km do local do crime

De acordo com documentos apresentados pela defesa de Bárbara...

Manifesto de repúdio à violência da política de segurança em São Paulo

Nos últimos 20 anos, São Paulo testemunhou uma expansão...

Auxiliar de limpeza ganha indenização por discriminação racial

"Essa negra, para vir trabalhar, está doente, mas para...

Homens negros relatam casos de racismo ao utilizar máscaras na rua

"Se você continuar falando demais, eu te levo preso,...

para lembrar

Reconhecer o racismo é determinante nas condições da saúde da população negra

Há um mês, em Brasília, o Ministério da Saúde...

Após acusações de racismo, No Doubt retira videoclipe do ar

Os norte-americanos do No Doubt não suportaram as críticas...

Niousha Roshani, antropóloga: ‘O discurso de ódio on-line pode matar’

Pesquisadora do Berkman Center, da Universidade de Harvard, iraniana...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=