ONU pede descriminalização do aborto no Brasil e veto ao marco temporal

Enviado por / FonteUOL, por Jamil Chade

Num informe divulgado nesta segunda-feira, o Comitê da ONU para Direitos Econômicos e Sociais apresentou dezenas de recomendações ao Brasil e alertou, de uma forma geral, para a preocupação que existe na entidade sobre a situação da pobreza, fome, racismo e discriminação no país.

O informe foi publicado como resultado de uma sabatina na qual o governo de Luiz Inácio Lula da Silva se submeteu em Genebra, há duas semanas. Na ocasião, os 18 peritos do organismo questionaram a delegação brasileira sobre diversos aspectos das políticas de direitos humanos, sociais e de combate à pobreza.

Agora, em suas recomendações, o Comitê da ONU aponta para a necessidade de que o país lide com alguns de seus maiores desafios sociais.

No que se refere aos direitos sexuais e saúde reprodutiva, o órgão propõe a descriminalização do aborto e afirma:

O Comitê está preocupado com os obstáculos que as mulheres enfrentam para obter acesso ao aborto seguro, mesmo nos casos em que ele é legalmente permitido, especialmente para as mulheres que enfrentam formas de discriminação cruzadas. Também está preocupado com as altas taxas de mortalidade materna e com a falta de acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva apropriados e a informações em áreas rurais e periféricas.

O Comitê recomenda que o Brasil:

Reveja sua legislação criminal que proíbe o aborto para torná-la compatível com a integridade, a autonomia e a saúde das mulheres, em particular descriminalizando o aborto e ampliando as circunstâncias em que o aborto é legalmente permitido, e seja orientado pelo comentário geral do Comitê nº 22 (2016) sobre o direito à saúde sexual e reprodutiva e pelas Diretrizes da Organização Mundial da Saúde sobre o Aborto (2022);

Garantir a acessibilidade e a disponibilidade de serviços e informações de saúde sexual e reprodutiva adequados e de boa qualidade, inclusive o acesso a serviços de aborto seguro, incluindo medicamentos para aborto, contracepção e contracepção de emergência, para todas as mulheres e meninas adolescentes no Estado Parte, especialmente em áreas rurais ou remotas;

Tomar as medidas legislativas e administrativas necessárias para prevenir a mortalidade e a morbidade maternas, levando em conta a orientação técnica fornecida pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos sobre a aplicação de uma abordagem baseada nos direitos humanos para a implementação de políticas e programas para reduzir a morbidade e a mortalidade maternas evitáveis.


Marco temporal, indígenas e clima

Um outro aspecto levantado pela ONU se refere à situação dos indígenas e de terras. A entidade insiste sobre a necessidade de que o marco temporal seja vetado, aumentando a pressão sobre o governo.

Há, neste momento, uma pressão para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva rejeite o projeto de lei que foi aprovado no Congresso Nacional. O presidente tem até sexta-feira (20) para vetar ou sancionar o marco temporal.

De acordo com o informe, o Comitê está “preocupado com os relatos de que a apropriação de terras, o açambarcamento de recursos naturais, o grande número de disputas de terra não resolvidas e a alta concentração da propriedade da terra no Estado Parte prejudicam o gozo dos direitos econômicos, sociais e culturais de indivíduos e grupos desfavorecidos e marginalizados e desencadearam sérios conflitos sociais e violência”.

O Comitê, portanto, recomenda que o Brasil:

Estabeleça um mecanismo eficaz para proteger os direitos dos Povos Indígenas e Quilombolas de possuir, usar, desenvolver e controlar suas terras, territórios e recursos em plena segurança e impedir a intrusão de terceiros ocupantes em suas terras e territórios, garantindo a alocação adequada de recursos financeiros, técnicos e humanos para sua implementação;

Agilizar a demarcação, regularização e titulação das terras e territórios dos Povos Indígenas, Quilombolas e outras comunidades tradicionais de acordo com as normas internacionais e defender seus direitos, rejeitando a aplicação e institucionalização da doutrina do marco temporal;

Garantir que os Povos Indígenas, Quilombolas e outras comunidades tradicionais afetadas por atividades econômicas e pela exploração de recursos naturais em seus territórios sejam consultados, recebam compensação por qualquer dano ou perda e obtenham benefícios tangíveis de tais atividades;

Tomar as medidas necessárias para respeitar e proteger o acesso justo à terra e aos recursos naturais e salvaguardar os direitos de uso da terra, especialmente para os camponeses sem terra e os trabalhadores rurais, acelerando a reforma agrária.

Ainda no que se refere aos povos indígenas, o Comitê está “preocupado com a falta de mecanismos legais eficazes para garantir que os povos indígenas, quilombolas e outras comunidades tradicionais sejam consultados sobre medidas legislativas ou administrativas que possam afetá-los”.

“Também está preocupado com o fato de que o Estado Parte continua a conceder licenças para a exploração de recursos naturais e investimentos de grande escala sem realizar sistematicamente consultas com o objetivo de obter o consentimento livre, prévio e informado dos Povos Indígenas, Quilombolas e outras comunidades tradicionais”, disse.

O Comitê, portanto, recomenda que o Brasil:

Em consulta com os Povos Indígenas, Quilombolas e outras comunidades tradicionais, levando em consideração suas características culturais, modos e costumes, desenvolva e implemente uma lei e protocolos efetivos, apropriados e legalmente vinculantes, incluindo requisitos claros em relação à forma de consultas e sua representação, para garantir o respeito total ao seu direito de ser consultado para obter seu consentimento livre, prévio e informado em relação a decisões que possam afetá-los;

Tomar as medidas administrativas necessárias para garantir que as consultas prévias sejam conduzidas de forma sistemática e transparente para obter o consentimento livre, prévio e informado dos Povos Indígenas, Quilombolas e outras comunidades tradicionais em relação a decisões que possam afetá-los, notadamente antes da concessão de licenças para a realização de investimentos de grande escala e exploração de recursos naturais nas terras e territórios que tradicionalmente possuem, ocupam ou usam, mesmo no contexto do pedido de suspensão de segurança;

Incorporar sistematicamente no processo de consulta prévia a realização de estudos independentes sobre o potencial impacto social, ambiental e sobre os direitos humanos dos investimentos de grande escala ou da exploração de recursos naturais sobre os povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais envolvidas, e publicar os resultados desses estudos;

A ONU ainda afirmou que “está preocupada com o fato de que o Estado Parte (Brasil) não está no caminho certo para cumprir sua contribuição nacionalmente determinada no âmbito do Acordo de Paris”.

Diante disso, recomenda que o Brasil “tome todas as medidas necessárias para atingir suas contribuições determinadas nacionalmente no âmbito do Acordo de Paris, em particular nos setores de energia, agricultura e uso da terra, mudança no uso da terra e silvicultura, prestando atenção à formulação de uma estrutura política coerente e de todo o governo”.

Impostos inadequados e combate à pobreza

Um outro tema examinado pelo Comitê foi a questão fiscal no Brasil, considerada como fundamental para lidar com a pobreza e garantir direitos.

A ONU afirmou estar “preocupada com a inadequação da política fiscal para lidar com as persistentes desigualdades socioeconômicas e raciais” no Brasil. “O Comitê está preocupado com a parcela excessiva de impostos indiretos como proporção da receita total do Estado e com o fato de certas transferências não atingirem os segmentos populacionais que deveriam beneficiar”, disse.

O Comitê também está preocupado com o nível persistentemente baixo de financiamento e com a incidência frequente de desvio de fundos alocados para a realização dos direitos econômicos, sociais e culturais.

Para lidar com essa realidade, o Comitê recomenda ao Brasil:

Adote uma política fiscal mais eficiente, progressiva e socialmente justa, entre outras coisas, revisando a receita derivada dos impostos cobrados sobre a renda pessoal e corporativa, ganhos de capital e impostos sobre transações, e a alíquota do imposto sobre herança e propriedade, com o objetivo de expandir a base tributária e o espaço fiscal para a realização progressiva dos direitos econômicos, sociais e culturais, e para aumentar seus efeitos redistributivos;

Realizar uma avaliação completa, com a participação das partes interessadas sociais, dos efeitos de sua política fiscal sobre os direitos econômicos, sociais e culturais, incluindo uma análise das consequências distributivas e da carga tributária sobre diferentes setores e grupos marginalizados e desfavorecidos;

Aumentar o orçamento alocado para programas de alimentação, seguridade social, habitação social, assistência médica, educação, serviços de emprego.

No documento, a ONU pede maiores esforços na luta contra trabalho infantil, trabalho escravo, e contra a informalidade.

Outro aspecto “preocupante” é o aumento da taxas de desnutrição crônica nos últimos anos no Brasil. “O Comitê também está preocupado com o fato de que um grande número de pessoas em áreas periféricas e rurais enfrenta insegurança alimentar moderada ou grave, particularmente grave em famílias chefiadas por mulheres”, disse.

Para esse aspecto, o Comitê recomendou que o Brasil:

Redobre seus esforços para proteger o direito à alimentação adequada e intensifique as iniciativas para responder efetivamente à insegurança alimentar, à desnutrição e à subnutrição, especialmente nas regiões norte e nordeste, com atenção especial às famílias chefiadas por mulheres afrodescendentes;

Aumentar o investimento na produção agrícola local, inclusive na estrutura do Programa de Aquisição de Alimentos, e melhorar a produtividade e o acesso ao mercado de pequenos agricultores para aumentar a renda nas áreas rurais;

+ sobre o tema

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela...

Um compromisso nacional

Alfabetizar todas as crianças foi colocado desde o início...

para lembrar

Após ser eliminado por fraude nas cotas raciais, candidato ganha causa e é nomeado diplomata em vaga para negros

Após ser barrado em uma comissão, por não apresentar características...

Luiza Trajano cria movimento para vacinar todos os brasileiros até setembro

Um grupo de empresários liderados por Luiza Trajano, do Magazine...

Morre no Maranhão o carnavalesco Joãosinho Trinta

  O carnavalesco João Clemente Jorge Trinta, conhecido como Joãosinho...

Mapa aponta que quase meio milhão de cariocas passam fome

A insegurança alimentar grave é realidade em 7,9% das casas na capital fluminense. Em números absolutos, são 489 mil pessoas que passam fome. Cerca de 2 milhões de cariocas convivem...

STF intima governo de SP a se manifestar em ação sobre edital de câmeras

O presidente do STF, Luís Roberto Barroso, intimou o governo de São Paulo a se manifestar em até 72 horas sobre ação que questiona edital que...

Alfabetização de crianças retoma nível pré-pandemia, mas quase metade de alunos no 2º ano ainda não sabe ler e escrever

O governo federal afirmou nesta terça-feira que 56% das crianças alcançaram em 2023 o patamar de alfabetização registrado no período pré-pandemia, em 2019. Com...
-+=