Padre Júlio Lancellotti e Instituto Geledés recebem Prêmio USP de Direitos Humanos 2020

Enviado por / FontePor Adriana Cruz, da USP

Artigo produzido por Redação de Geledés

O padre Júlio Lancellotti e o Geledés – Instituto da Mulher Negra foram os ganhadores do Prêmio USP de Direitos Humanos 2020. A cerimônia virtual de premiação foi realizada no dia 21 de dezembro.

O Prêmio USP de Direitos Humanos, que está em sua 17ª edição, foi criado pela Comissão de Direitos Humanos da Universidade em 2000, com o objetivo de identificar e homenagear pessoas e instituições que, por suas atividades exemplares, tenham contribuído significativamente para a difusão, disseminação e divulgação dos direitos humanos no Brasil.

Premiado na categoria individual, o padre Júlio Lancellotti é referência nacional na defesa dos direitos humanos e dedica-se, há mais de 30 anos, à assistência à população marginalizada. Participou da fundação da Pastoral da Criança e na formulação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e tem atuado fortemente junto a menores infratores, detentos em liberdade assistida, pessoas carentes e em situação de rua, imigrantes sem teto e refugiados, além de crianças e adultos com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) ou com a síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids). Em 1991, fundou a Casa Vida I e, em seguida, uma segunda unidade (Casa Vida II), que acolhem essa população.

Há mais de 25 anos, é vigário episcopal da Pastoral do Povo da Rua e lidera vários projetos municipais, como A Gente na Rua, composto por agentes comunitários de saúde e ex-moradores de rua e, mensalmente, realiza missas junto aos indivíduos que habitam a Cracolândia.

O Geledés – Instituto da Mulher Negra, vencedor na categoria institucional, é uma organização da sociedade civil que se posiciona em defesa de mulheres e negros por entender que esses dois segmentos sociais padecem de desvantagens e discriminações no acesso às oportunidades sociais em função do racismo e do sexismo vigentes na sociedade brasileira.

Posiciona-se também contra todas as demais formas de discriminação que limitam a realização da plena cidadania, tais como: a lesbofobia, a homofobia, os preconceitos regionais, de credo, opinião e de classe social. As áreas prioritárias da ação política e social do Geledés são a questão racial, as questões de gênero, as implicações desses temas com os direitos humanos, a educação, a saúde, a comunicação, o mercado de trabalho, a pesquisa acadêmica e as políticas públicas.

Em todos esses temas, o Geledés desenvolve projetos próprios ou em parceria com outras organizações de defesa dos direitos de cidadania, além de monitorar no Portal Geledés o debate público que ocorre sobre cada um deles no Brasil e no mundo.

Luta diária
A cerimônia teve início com a fala do presidente da Comissão de Direitos Humanos, José Gregori. “Esse tipo de ação [a premiação] faz com que USP participe de algo indispensável no século 21, que é a lembrança e o estímulo para certos assuntos que a sociedade ainda não tomou a sério. Esses temas têm de ser incorporados em nossas preocupações diárias. Este prêmio é uma mostra de vanguarda da USP e a Universidade tem que ter esse papel”, destacou Gregori.

Em seguida, foram feitas as apresentações e saudações aos premiados pelos integrantes da Comissão, Gustavo Gonçalves Ungaro e Eunice Prudente.

“Este prêmio toca muito no meu coração, na minha vida, em um momento de tantos desafios, tantas ameaças, tantas dificuldades, como um gesto de solidariedade. A solidariedade não pode ser pandêmica, tem que ser endêmica, e tem que entrar nas estruturas, não basta ter momentos de solidariedade. A pandemia, como uma varinha mágica, não mudou a sociedade. As pessoas precisam ser mudadas a partir de uma reflexão do que nós estamos vivendo. Foi durante esta pandemia que o racismo se tornou mais forte, a misoginia, a homofobia, a aporofobia, se tornaram mais violentas e fortes”, afirmou Lancellotti.

O padre afirmou que “a população de rua não precisa ser tutelada, tem que ter autonomia, que eles sejam responsáveis pela construção. A USP é um lugar sagrado, de ciência, do conhecimento, da busca. Que a USP ajude a população de rua de maneira a fazer propostas, que caminhos devemos seguir, como entender esse fenômeno histórico”.

Para a presidente do Instituto Geledés, Maria Sylvia Aparecida de Oliveira, “esta premiação representa o reconhecimento da USP de que racismo e sexismo são categorias estruturantes da violação de direitos humanos no Brasil. Importante sinalização para o conjunto da sociedade e as principais instituições formadoras de opinião da importância destas matérias que aqui estão em questão”.

Ao encerrar a cerimônia, o reitor da USP, Vahan Agopyan, reiterou que o Prêmio USP de Direitos Humanos “reflete as nossas preocupações com o que acontece com a sociedade. A Universidade está, sim, comprometida com essas discussões e tem consciência que a luta em prol dos direitos humanos é contínua e que temos de propor alternativas para esse combate, que é diuturno”.

Assista, a seguir, à integra da cerimônia.

+ sobre o tema

Curso: Violência, Gênero e Raça: Resistência e caminho de superação – Inscreva-se

Nas sociedades brasileira, latino-americana e caribenha as assimetrias de...

Durban +10: Discurso de Rodnei Jericó na ONU

Discurso de Rodnei Jericó na Assembléia Geral da ONU...

Geledés Instituto da Mulher Negra elege nova presidenta

Geledés Instituto da Mulher Negra realizou nesta sexta-feira (23), ...

para lembrar

Roda de conversa com Geledés

Roda de conversa com Geledés Do Sesc Com integrantes do Geledés...

Solimar Carneiro, fundadora de Geledés Instituto da Mulher Negra, faz sua passagem para o Orun

Morreu nesta terça-feira (11), aos 66 anos, Solimar Carneiro,...

Parcerias

As parcerias de Geledés com outras organizações Articulação de Organizações...

Direitos das mulheres afrodescendentes são reforçados na COP 28 por Geledés

No primeiro dia de participação de Geledés – Instituto...

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, promovido pela ONU, em Genebra, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, destacou a importância...

Empoderamento econômico das mulheres negras é tema de Geledés na ONU

Participam do evento de Geledés a ministra das Mulheres, Aparecida Gonçalves, a ministra de Igualdade Racial, Anielle Franco, a diplomata do Itamaraty, Rafaela Fontes,...

8 de março: os desafios por justiça racial e de gênero

Ao refletirmos sobre a situação das mulheres negras na sociedade brasileira, torna-se evidente que, apesar de alguns avanços na pauta racial, pouco tem sido...
-+=