Parece, mas não é

'Reverência' à negritude se aplica quando há prazo de validade definido e o assunto é diversão

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem vê de fora até pensa que aqui há uma democracia racial e reinam a harmonia e o apreço pela cultura negra em toda a sua magnitude. Ao ritmo do samba, do axé e do frevo, o brasileiro se mistura.

Para tudo acabar na quarta-feira…

A festa mais popular do país, onde a criatividade se materializa numa espetacular manifestação cultural, é o momento em que o negro tem algum protagonismo. O desfile das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro, considerado o maior espetáculo da Terra, é prova disso. A “paradinha” da bateria (invenção de Mestre André da Mocidade Independente), que mudou a forma de tocar samba, serve de exemplo.

Mas a “reverência” à negritude se aplica quando há prazo de validade definido e o assunto é diversão, cenário em que está garantida a preservação do status quo. Com isso, se mantém a desvantagem histórica de pretos e pardos, que seguirão tocando suas vidas em pé de desigualdade em múltiplas dimensões. Inclusive no Carnaval, quando são avaliados por comissões julgadoras formadas majoritariamente por brancos.

Na prática, não deixa de ser mais uma usurpação. Em situações específicas, o racismo e o preconceito que marginalizam a cultura afro permitem a celebração de tradições e de personagens que habitualmente deprecia, desde que o protagonismo negro seja esvaziado.

Em Salvador, os cordeiros (quem mantém foliões pagantes separados dos demais) penaram para conseguir 20 reais de aumento na diária de 2024. E o tradicional bloco afro Araketu, de origem periférica, anunciou que não vai desfilar por falta de incentivo da prefeitura.

Enquanto a negritude for tema recreativo, o Brasil continuará mantendo um apartheid socioeconômico baseado na raça, a despeito do arcabouço legal em contrário. Mas é tempo de festa. E parece até que está tudo bem.

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

Afirmação da cultura negra na capital

Por: Tássia Martins Turbante e outros acessórios resgatam tradições africanas em...

Identificação com a cultura negra através da literatura

A história dos negros no Brasil é marcada, desde...

Projeto turístico Guia Negro percorre monumentos históricos da cultura afro em Salvador

Uma caminhada por 13 pontos históricos de Salvador onde...

Festa da Boa Morte celebra tradição secular de mulheres negras na Bahia

As roupas de gala são bordadas com renda branca...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

Um país doente de realidade

O Brasil é um país "doente de realidade". A constante negação da verdade me leva a essa conclusão. Enquanto parte dos indivíduos prefere alterar...

Inclusão não é favor

Inclusão não é favor. Inclusão é direito! Essa é a principal razão pela qual ações voltadas à promoção da equidade racial devem ser respeitadas, defendidas e...
-+=