Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade

Segue o rastro das andorinhas”

(Ditado chope)

Por  Iolanda Barros, do Afreka

Tradição, esperança, modernidade, amor, a vida durante tempos difíceis, a África, a mulher – todos essas são as temáticas trabalhadas por Paulina Chiziane, uma contadora de histórias que aprendeu o ofício com sua avó, quando criança, em momentos mágicos ao redor da fogueira.

Com a publicação do seu primeiro livro, Balada de Amor ao Vento, editado em 1990, Paulina Chiziane tornou-se a primeira mulher moçambicana a publicar um romance.

“Dizem que sou romancista e que fui a primeira mulher moçambicana a escrever um romance (…) mas eu afirmo: sou contadora de estórias, estórias grandes e pequenas. Inspiro-me nos contos à volta da fogueira, minha primeira escola de arte” (Depoimento de Paulina Chiziane na contracapa de Niketche, Lisboa: Caminho, 2002).

Militante da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) durante a juventude, Paulina iniciou a sua atividade literária em 1984, com contos publicados na imprensa moçambicana. Nascida em Manjacaze, ela cresceu nos arredores da cidade de Maputo, ao sul de Moçambique. Falante das línguas Chope e Ronga, aprendeu a língua portuguesa na escola em que estudou, pertencente a uma missão católica. Começou os estudos de Linguística na Universidade Eduardo Mondlane sem, porém, ter concluído o curso.

“A inspiração é qualquer coisa que vem do fundo, do fundo mesmo”, nos revela a autora em entrevista à TV Brasil. Apaixonada por escrever e com dez livros publicados, Paulina Chiziane foi ainda premiada em 2003 com o Prêmio José Craveirinha de Literatura, pela obra Niketche: uma história da poligamia. Foi também designada pela União Africana como embaixadora da paz na África em 2010. Lida e estudada internacionalmente, Paulina Chiziane é uma mulher africana que vive a liberdade de contar suas próprias histórias.

+ sobre o tema

Para onde caminha a Marcha das Mulheres Negras. Por Cidinha da Silva

A previsão do tempo indicava chuva em Brasília, mas...

Livros angolanos expostos em Lisboa serão matéria de estudo

Lisboa (do correspondente) – Alguns dos 50 títulos...

“O sentimento da família é desesperador”, diz irmã de Marielle sobre impunidade

Quase sete meses depois do assassinato da vereadora carioca Marielle...

Tradução do conto “Você na América”, de Chimamanda Ngozi Adichie

O blog traz abaixo a tradução do conto “Você...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

Thiaguinho tem tipo de tuberculose comum entre jovens, diz médico

Doença é adquirida pelo ar e atinge membrana ao...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...
spot_imgspot_img

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde mundial feminino da maratona ao vencer a prova em Londres com o tempo de 2h16m16s....

O futuro de Brasília: ministra Vera Lúcia luta por uma capital mais inclusiva

Segunda mulher negra a ser empossada como ministra na história do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a advogada Vera Lúcia Santana Araújo, 64 anos, é...
-+=