Pesquisador defende combate ao racismo institucional no sistema policial

Ilustração: Junião/Ponte Jornalismo

Racismo institucional no sistema policial

As relações raciais no Brasil não admitem declarações sobre preferências ou atitudes racistas. Entretanto, dados oficiais comprovam a existência de filtragem racial nas instituições policiais do país, chancelada pelo próprio sistema de Justiça, conforme afirmou hoje (6) o professor Danilo Morais, pesquisador do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). Em 2012, ele participou da pesquisa “Filtragem racial na seleção policial de suspeitos: segurança pública e relações raciais”, que identificou os mecanismos de atuação das Polícias Militares de São Paulo, Minas Gerais, do Rio de Janeiro e Distrito Federal.

por Andreia Verdélio da Agência Brasil

Conforme a pesquisa, a proporção de jovens negros mortos em ação policial é três ou quatro vezes superior à de brancos. No Rio de Janeiro, para cada 100 mil habitantes, 3,6 negros são mortos pela polícia, contra 0,9 brancos. Em São Paulo, também para cada 100 mil habitantes, os índices são de 1,4 negros para 0,5 brancos. “Em São Paulo, o negro tem mais chance de ser morto pela polícia, ainda que eles não admitam o fato”, disse Morais.

Ainda em São Paulo, para os mesmos 100 mil habitantes, as taxas de encarceramento de presos em flagrante são 35 negros e 14 brancos. Entre 2008 a 2012, 54% das prisões em flagrantes no estado foram de negros, ante 42,9% de brancos.

“Se partíssemos da premissa racista, os negros são presos porque cometem mais crimes. Na verdade, pela premissa não-racista, observa-se que condutas ilícitas da população negra são mais vigiadas. Por isso, as prisões em flagrante. Elas não são fruto de investigação policial”, explicou o pesquisador da Ufscar.

Durante as entrevistas, os policiais relataram aos pesquisadores que o tirocínio – capacidade de reconhecer os criminosos por marcas objetivas – é construído ao longo do “tempo de rua”. Entre as marcas descritas, destacam-se as tatuagens, os carros rebaixados e o uso de moletons em dia de calor. Segundo Morais, os policiais até admitem alguma discriminação de natureza econômica com as pessoas mais pobre, mas  nunca racial.

Danilo Morais Ufscar
Danilo Morais Ufscar

“Não é racismo individual. Temos um modelo de policiamento e instituições policias moldadas para resultados. Estamos falando também do sistema de Justiça. Se os negros são mais presos e continuam presos, significa que o Judiciário, de alguma forma, chancela essa forma de segurança pública”, salientou.

Morais elogiou o Plano Juventude Viva, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República. Segundo ele, é a única política pública que considera os elementos étnico-raciais e etários na prevenção da violência, mas incide pouco, do ponto de vista da segurança pública, na redução da letalidade policial.

“Embora o policiamento tenha a ver com as secretarias estaduais de segurança pública, o governo federal, por meio do Ministério da Justiça, poderia implementar ações para que fossem considerados os elementos de cor, raça e idade na formação policial. Deveria estabelecer, ainda, procedimentos operacionais padrão e formular coleta de dados. Está pacificada a tese de que esses elementos são importantes no acompanhamento das desigualdades raciais nas áreas de saúde, educação e trabalho. Então, também deveria ser para a segurança pública”, assinalou o pesquisador.

Morais participou hoje, no Ministério da Justiça, em Brasília, do ciclo de atividades sobre Juventude Negra Brasileira: Homicídios e Encarceramento. Aberto ao público, o evento será encerrado amanhã (7).

+ sobre o tema

Mulher negra no STF, nove nomes

Pessoas negras têm nome e sobrenome e trajetórias construídas...

Investigação contra Matheus Ribeiro causa estranheza, dizem advogados

Uma semana depois de ser acusado falsamente de furtar uma...

Racismo institucional ainda é realidade na Bahia

Somente 5% dos altos cargos públicos são ocupados por...

Luiz Flávio Gomes: Licença para matar; mais de 50 linchamentos em 2014

Onda de linchamentos começou com adolescente negro acorrentado no...

para lembrar

STF nega liberdade a skinhead acusado de racismo

- Fonte: Consultor Jurídico - O ministro Menezes Direito,...

Aldo, o menino negro da escola

Na minha escola, havia o Aldo. Era ele o...

Maisa faz desabafo sobre racismo sofrido pelo pai: “Sempre é o segurança”

A atriz usou seu twitter para conversar sobre o...

Partidos e movimentos sociais viram alvo em SP

Repórter relata violência de nacionalistas contra manifestantes organizados por...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=