PR: PM afasta policiais suspeitos de racismo contra advogada

O Comando da Polícia Militar (PM) do Paraná afastou das ruas, nesta quinta-feira, dois dos policiais envolvidos em uma ação no Bairro Alto, na capital, no sábado passado. Eles deixaram de realizar patrulhamento nas ruas e passaram a executar trabalhos administrativos. Os PMs foram acusados de abuso de autoridade, tortura e racismo por moradores. No sábado, após uma abordagem, eles teria invadido uma casa sem autorização e xingado uma advogada negra, além de supostamente agredir detidos que foram levados para um posto policial no centro.

A assessoria da PM paranaense não divulgou os nomes dos dois policiais afastados. A corregedoria instaurou um processo para investigar o caso e apurar as responsabilidades. A investigação pode durar até dois meses. Após a ação no Bairro Alto ter se tornado pública através de um vídeo divulgado na internet pela Associação Brasileira de Advogados Criminalistas (AbraCrim), a PM informou, em nota, que os agentes foram hostilizados por cerca de 50 pessoas. No comunicado, a corporação disse que foram registradas agressões (um policial militar teria sido atingido por um soco) e desacato verbal.

A advogada Andréia Cândido Vitor, moradora do bairro onde tudo aconteceu, afirmou que foi agredida, chamada de “vadia” e “vagabunda” e teve sua profissão colocada em dúvida pelos policiais em virtude da cor da pele. Os PMs tentaram interceptar um motociclista que estava sem capacete, mas ele fugiu para dentro de uma residência. Sem mandado, os policiais invadiram a casa. Andréia alega que interpelou o tenente que comandava a operação e acabou sendo detida por desacato.

Andréia contou que, ao se identificar como advogada e informar que estaria acompanhando a operação, o tenente teria ligado uma câmera de vídeo e perguntado onde estavam os documentos. Ela disse ter informado que os documentos estavam em sua residência, próxima do local. Mesmo assim, disse ter citado o seu nome e o número de registro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), com o tenente gravando. Após perguntar se o policial queria mais alguma identificação, a advogada disse ter recebido voz de prisão. “Você está presa sua advogada… você é advogada, é? Então você está presa, sua vadia”, teria afirmado o policial militar.

Leia matéria relacionada:

Barbárie, racismo e tortura da Polícia do Paraná

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Douglas Belchior: STF, Cotas e o caminho racista das pedras

O resultado do julgamento de Cotas e das Ações...

Universitário é preso em suposta abordagem racista da PM e mobiliza OAB-MG

Uma suposta abordagem policial truculenta e motivada pelo racismo...

Sou preto e não disputo migalhas com os pardos

E a miscigenação, tema polêmico no gueto, Relação do branco,...

Acusado de racismo é alvo de protesto em retorno às aulas na FGV

Estudante havia sido suspenso por ter chamado um colega...

para lembrar

Estudo mostra que custo da violência no Brasil já chega a 5,4% do PIB

Moradores de Niterói realizaram uma manifestação nos últimos dias...

‘Constranger os racistas é mais que necessário’, afirma psicólogo

CORREIO ouviu o presidente do Conselho Regional de Psicologia...

O racismo que nos tira a autoestima já na infância

Lembro que, ano passado, ao conversar com a professora...
spot_imgspot_img

Na França, esquerda unida mostra que é possível barrar a extrema direita

Mais uma vez a democracia francesa deu um chega pra lá na extrema direita, repetindo o que já fez em outras eleições. Uma coisa...

A saída contra a extrema direita é negra

A campanha fria e sonolenta de Joe Biden fez os democratas buscarem alternativas e a pressão para que ele abandone a corrida eleitoral está...

Mbappé, a extrema direita e a pergunta: quem tem direito de ser francês?

Quando Mbappé concedeu uma coletiva de imprensa, há poucos dias, um repórter pegou o microfone para fazer uma pergunta ao craque da seleção francesa....
-+=