Preparador físico de time peruano que imitou macaco para torcida do Corinthians é condenado por racismo pela Justiça de SP

Enviado por / FonteG1

'Como explicar para uma criança preta ou parda o significado daqueles gestos? Trata-se de gesto de desprezo contra o ser humano', escreveu na sentença o juiz Antonio Zorz.

O preparador físico do time peruano Universitário, Sebastian Avellino Vargas, foi condenado pela Justiça de São Paulo por fazer gestos racistas — imitação de macaco — em um jogo do time contra o Corinthians, em Itaquera. O caso aconteceu em julho deste ano.

A denúncia foi feita pelo Grupo Especial de Combate aos Crimes Raciais e de Intolerância, do Ministério Público de São Paulo.

Para o órgão, a conduta de Sebastian depreciou e inferiorizou a coletividade de pessoas pretas e pardas ao associá-las a um animal irracional.

“Como explicar para uma criança preta ou parda o significado daqueles gestos? A imagem perdurou e ultrapassou as fronteiras do campo. Não se tratava de gesto para ‘um grupo de torcedores’, mas sim gesto de desprezo contra o ser humano”, escreveu na sentença o juiz Antonio Zorz.

À época, ele virou réu, mas conseguiu a liberdade provisória dias depois. O Tribunal de Justiça determinou sua liberdade em razão de o crime não ter sido cometido com violência física ou grave ameaça e por considerar que ele possui bons antecedentes.

Preparador físico do time peruano Universitário, Sebastian Avellino Vargas — Foto: Reprodução

Preparador peruano negou racismo

Sebastian Avellino Vargas, agora condenado por racismo, negou em interrogatório ter chamado torcedores do Corinthians de “macaco” e afirmou que estava com os braços abertos porque segurava cones.

Segundo apurado pelo g1, durante a fase de investigação do caso, ele foi ouvido com um tradutor. Questionado sobre ter se dirigido aos torcedores imitando um macaco, ele declarou que estava finalizando os trabalhos e recolhendo o material quando sofreu uma suposta cuspida.

Ele alegou que sentiu a saliva no pescoço e voltou para a torcida “apenas para perguntar”: “Por que vocês estão cuspindo em mim se eu estou trabalhando?”

+ sobre o tema

O Esporte, o racismo e os estereótipos

Filme que marcou época nos anos 1990, principalmente na...

Lei isenta comunidades quilombolas do pagamento do ITR e perdoa dívida

A partir de agora, as comunidades quilombolas não terão...

Entrevista com Fábio Konder Comparato

Írohín- Jornal Online - O Professor Fábio Konder Comparato titular...

Lukaku pede a torcedores que parem cânticos sobre seu órgão sexual

Música proferida a plenos pulmões pelos torcedores foi o...

para lembrar

Conectas manifesta preocupação com o aumento da violência no Ceará

A ONG Conectas Direitos Humanos publicou uma nota, nesta...

“Pretos Fedem” é o recadinho deixado na parede da UniRio

"Pretos Fedem" é o recadinho deixado na parede da...

UFMA: Professor acusado de racismo pede desculpas

O professor do Curso de Engenharia Química da UFMA,...
spot_imgspot_img

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...
-+=