Professora chamada de “macaca” por diretora ainda sofre discriminação

Por: Suzana Vier

Episódio em escola paulista chamou atenção após decisão judicial. Pessoas expostas a assédio moral sofrem de tristeza e pânico e até adoecem

São Paulo – O convite para entrar na sala da direção não poderia ter sido mais hostil. “Entra, macaca”, ouviu a professora Neusa Marcondes de sua diretora. O fato ocorreu no dia 16 de março de 2009, precisamente às 20h. Foi pouco o tempo de exposição e preconceito racial, mas o impacto emocional perdura. “Eu parei, fiquei pasma. Foram segundos em que eu saí desse corpo físico”, lembra.

Militante do movimento negro e responsável por preparar aulas e materiais didáticos que tratam de preconceito e igualdade, Neusa tem como filosofia não discutir, apenas buscar seus direitos. “Eu ajo sempre assim, politicamente. Não entro em debate com a pessoa sem justa causa. Eu vou agir de acordo com o que é legal”, explica.

O caso foi julgado em julho deste ano e a diretora da escola municipal em que Neusa atua foi condenada a prestar serviços comunitários. A coordenadoria educacional da capital paulista também definiu sanções à diretora.

O problema, agora, é lidar, no dia a dia, com as recordações e a tristeza que o episódio acarreta. Ela não dorme bem e diz que sempre acorda assustada, às vezes lembrando do fatídico “entra, macaca”, e do que sentiu naquele momento. “Aquela frase volta à mente, porque nada ofende mais a pessoa negra que a palavra ‘macaco’.”

Tristeza e impotência

De acordo com a psicóloga Lídia Gallindo, especialista em assédio moral em instituições de ensino, é comum que pessoas expostas a esse tipo de situação desenvolvam um quadro psicológico de tristeza e pânico. “Elas ficam tristes, chorosas, deprimidas e com pânico”, descreve. “É um misto de decepção, tristeza e impotência.” Os sintomas têm origem psíquica, mas se estendem para organismo e, não raro, as vítimas de assédio moral adoecem.

No ambiente educacional, é mais comum ocorrer assédio de aluno com aluno – o bullying. No entanto, quando o assédio parte de um docente, a violência ganha maior amplitude. “Quando um professor em sala de aula agride um aluno, ofende, apelida e faz esse aluno passar por constrangimento, qualitativamente é muito mais doloso”, avalia Lídia.

Em se tratando de uma diretora de escola, da qual se “espera que tenha formação capaz de ajudar na formação de outras pessoas, é lamentável”, diz. “Mas não gosto de sair culpando pessoas. Parto do princípio de que ninguém quer ser ruim, fazer o outro sofrer. O problema vem muito antes. É preciso ter um diagnóstico sobre o que acontece com essa diretora ou qualquer outra pessoa que chama o outro por um apelido que desagrada”, pondera a psicóloga.

Para Neusa, mais de dois anos depois do assédio, ainda é incompreensível a naturalidade com que a diretora analisou seu próprio ato. “O que que tem falar que é macaca?”, ela conta ter ouvido da diretora. “Ela pode achar que não tem nada demais. Mas, para mim, mexeu com a minha humanidade, com o meu psicológico”, expressa.

Durante o processo judicial, a diretora teria justificado que chamou a colega de macaca, porque ela é muito ativa. “Eu era mesmo uma pessoa muito feliz, muito alegre. Mas eu deixei de ser alegre. Não tenho mais a felicidade de ir para o trabalho.”

Chapinhas

Após a denúncia contra a diretora, a professora, que é readaptada, foi transferida, junto com outros professores na mesma condição, de suas atividades na coordenação pedagógica.

Ela passou a cuidar do registro patrimonial da escola. O novo trabalho é controlar os bens móveis da unidade de ensino, como cadeiras, mesas, ventiladores e computadores. E “colar chapinhas” com os números de registro.

Neusa foi readaptada inicialmente na área pedagógica devido a um problema de saúde que a impede de dar aula. “Eu fazia projetos, sondagens, buscava, pesquisava textos para professores. Por exemplo, o professor de história queria falar sobre mulher negra caribenha, eu procurava o texto”, explica. Neusa também era responsável por elaborar e atualizar o projeto pedagógico da escola. “Qualquer trabalho é digno, mas é que minha competência pedagógica continua. Mas, agora eu me acho inútil, com duas faculdades e o mestrado que comecei”, entristece-se.

O convívio na escola também não é fácil. Olhar os colegas depois do preconceito sofrido, do processo de investigação interno e judicial causa “uma situação muito constrangedora”. “Sinto-me isolada na escola”, lamenta.

Cuidados

A tristeza comum entre vítimas de assédio moral precisa ser acompanhada por especialistas, diz Lídia. “Assédio moral é uma violência. O tratamento vai buscar fortalecer a vítima, os familiares”, analisa.

Ela também sugere o encontro das duas pessoas, agressor e vítima, para falarem especificamente das emoções envolvidas. “O agressor às vezes não têm noção do quanto machuca.” Por último, os casos de assédio merecem ação judicial para se obter indenização e pedido de desculpa. “Em geral, o que mais conta é o reconhecimento do sofrimento”, testemunha.

Para além do tratamento da vítima de assédio moral, Lídia propõe uma nova abordagem sobre o problema. “É preciso levantar a bandeira dos espectadores”, alerta. Os casos de violência têm sempre três grandes personagens: a vítima, o agressor e os espectadores que podem ser vistos também como cúmplices. “O que acontece com os espectadores que não fazem nada, não reagem ao ver o outro apanhar?”, indaga.

Na opinião da especialista, é hora de fortalecer esse terceiro personagem das histórias de violência. “Mostrando a eles que é fantasia pensar ‘não quero me meter nesse grupo, porque eu posso ser o próximo. Então vou me tornar inclusive amigo dos agressores'”, aborda.

A omissão pode acontecer por medo, hábito ou por achar que não deve fazer nada porque o problema é com outra pessoa. “É preciso mostrar que problema com um é problema de todos”, insiste. “Quando uma diretora chama a professora de macaca e ninguém contesta, todos estão concordando com aquilo.”

“Se isso hoje ainda acontece é por falta de conscientização e de um trabalho mais intenso de todos nós, pais, imprensa, legisladores, educadores na formação ética das pessoas. É preciso saber que somos todos iguais”, resume Lídia.

 

Fonte: Rede BrasilAtual

+ sobre o tema

Refletir sobre o racismo a partir do yoga

Na coluna PerifaConnection, Tainá Antonio descreve o Yoga Marginal,...

Presa por racismo é nomeada secretária da Igualdade Racial

Além de Maria Luiza, prefeito de Bodocó (PE), Túlio...

Beyoncé se manifesta sobre protestos em Baltimore

Cantora Beyoncé também pediu doações para instituição que luta...

para lembrar

Victoria Monét e Ariana Grande dedicam single a vítimas de confrontos raciais; ouça

Cantoras citam movimento Black Lives Matter ao compartilhar 'Better...

Grávida de oito meses foi presa após reconhecimento facial errado nos EUA

Porcha Woodruff arrumava suas duas filhas para irem à...

Flica – A construção dos mitos étnicos e o retrato do racismo

Debate 'acalorado' encerra mesa sobre mitos étnicos e racismo...
spot_imgspot_img

Professora denuncia aluno por injúria racial após estudante escrever ‘preto não é gente’ em folha de papel

Uma professora denunciou um estudante de 14 anos à polícia após ele escrever "preto não é gente" em uma folha de papel, em uma...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início de 2024, a letalidade das ações policiais também registrou crescimento. De acordo com o Ministério...

STF prorroga validade das cotas raciais para concursos públicos

O Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a prorrogação das cotas raciais para o serviço público – ação afirmativa que expiraria no próximo dia 10. A Corte...
-+=