Progressão escolar amplia desigualdade racial, diz estudo

Enviado por / FonteEcoa, por Rodrigo Ratier

No começo da escolarização básica, alunos negros e brancos partem de condições desiguais. No final dela, estão ainda mais distantes. É o que indica um levantamento do Cedra (Centro de Estudos e Dados sobre Desigualdades Raciais), divulgado hoje (11), com cerca de 70 dados inéditos sobre escolaridade com recorte de cor/raça.

Um exemplo prático é a taxa de distorção idade-série – o número de alunos que, por repetência ou evasão, estão 2 ou mais anos atrasados em relação à idade adequada para a escolarização. Nas séries iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano), 13% dos estudantes negros e 6% dos brancos se encontram nessa condição. No Ensino Médio, os índices são, respectivamente, de 31% e 17%. Como consequência, a Educação de Jovens e Adultos – modalidade dedicada a quem precisou interromper a escolarização – tem 28 negros para cada 10 brancos matriculados.

A pesquisa do Cedra compila microdados do Censo Escolar e da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios), do IBGE. “Na média, a situação melhorou entre 2012 e 2019 [período dos dados analisados], mas as desigualdades seguem se acumulando conforme negros e brancos avançam na escolarização“, afirma o físico Marcelo Tragtenberg, integrante do Conselho Deliberativo do Cedra.

São diversos os retratos das diferenças: negros são maioria nas escolas públicas; brancos, nas particulares. Escolas com estudantes de famílias ricas são predominantemente brancas; as pobres, predominantemente negras. Entre a população de mais de 60 anos, a taxa de analfabetismo é de 31% entre negros e 12% entre brancos. O total de pessoas com mais de 15 anos sem instrução ou com fundamental incompleto é de 38% entre negros, 27% entre brancos. Em geral, a população negra atinge agora os índices que os brancos já atingiram 10 anos atrás.

Tratemberg chama a atenção para um indicador que ajuda a explicar a amplificação da desigualdade. Durante o período analisado, professores do Ensino Fundamental com formação adequada – com curso superior na área da disciplina que lecionam – eram 62% nas escolas predominantemente brancas, mas apenas 33% nas predominantemente negras.

Isso nos aponta que o ensino nas escolas periféricas, justamente as que mais precisam de professores qualificados, tende a ser pior. Faria sentido pensar em uma remuneração maior para atrair bons docentes para essas instituições, como ocorre na França.

Marcelo Tragtenberg, integrante do Conselho Deliberativo do Cedra

O especialista afirma que o salário diferencial é um exemplo de política afirmativa, que não se resume a cotas ou reserva de vagas. “Assim como a ideia de bolsa para incentivar a permanência dos alunos mais vulneráveis, seja por recorte racial ou social.”.

Ações afirmativas, aliás, são responsáveis pelo único segmento em que houve alterações significativas no período: o ensino superior público. A reserva de vagas em universidades federais para estudantes de escola pública, pessoas de famílias de baixa renda, com deficiência, quilombolas e pretos, pardos e indígenas alterou fortemente a composição racial dessas instituições. Já em 2018, a Pnad apontava que pretos e pardos eram maioria nas universidades públicas federais.

O avanço, entretanto, não se fez sentir no segmento como um todo. Isso porque o ensino superior é predominantemente particular, ocupado sobretudo por brancos. Em 2012, a taxa de pessoas brancas no ensino superior era de 26,4%, e a de negros, 13,4%. Em 2019, 27,6% dos brancos e 14,8% dos negros estavam na universidade. O acesso melhorou, mas a distância permaneceu.

“Os dados reforçam a importância tanto das políticas de permanência quanto das ações para melhorar o acesso da população negra nas diferentes etapas da escolarização”, finaliza Tragtenberg.

+ sobre o tema

Matrículas das universidades federais caem pela primeira vez desde 1990

George Monteiro, de 20 anos, já tinha encaminhada sua...

Foram antecipadas as datas do SiSU, ProUni e Fies 2023/1, confira

O Ministério da Educação (MEC) antecipou os calendários de...

Vestibular 2023: Unicamp tem alta de aprovados que estudaram na rede pública, e de pretos e pardos

A Unicamp registrou no Vestibular 2023 aumento na quantidade de estudantes...

para lembrar

Menina de 5 anos chora por ter sido chamada de “macaca” por professora

Com dificuldade de identificar quem fez isso com a...

Pesquisas apontam : Crianças que morrem por Covid são maioria negras e indígenas

Brasil é 2º país com mais mortes no mundo...

Projeto Escola + Diversa| Chamada para Juventudes LGBTQIA+

O Escola +Diversa é um projeto desenvolvido pelo CIEDS,...

Discriminação e desigualdades raciais no Brasil: obra de Carlos Hasenbalg quarenta anos depois

Em 1978, Carlos Hasenbalg defendeu na Universidade de Berkeley,...
spot_imgspot_img

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial das mães. Isso é o que mostra uma pesquisa desenvolvida pelo Centro de Integração de Dados...
-+=