Quatro mulheres são vítimas de feminicídio durante o feriado em SP

Útimo crime ocorreu em Guarulhos, na Grande São Paulo, no domingo.

Por Ananda Apple, do G1 

Ellen Bandeira, de 22 anos, Renata Solange de Souza, 35, Renata Basso Beisna, 46, e Sheron Chaves Monteiro, 34 anos, foram assassinadas por maridos e ex-companheiros – Reprodução/ Facebook

Quatro mulheres foram vítimas de feminicídio nos últimos dias em São Paulo. Todas foram mortas pelos companheiros ou ex-namorados. O último crime ocorreu em Guarulhos, na Grande São Paulo, na madrugada de domingo (14).

Ellen Bandeira, de 22 anos, mãe de um menino de 3 anos, foi morta pelo ex-namorado, Richardson Johnison, com quem se relacionou por 5 meses este ano. O crime foi cometido em uma casa no bairro Parque Brasília, pouco antes das 3h.

Segundo a investigação, ele vinha ameaçando Ellen de morte desde que ela rompeu o relacionamento, no meio do ano. “Ele já tentou matar ela enforcada. Já tentou matar ela com faca. Eu já vim aqui tirar ele várias vezes de dentro de casa”, disse a mãe da vítima, Rosa Maria dos Santos.

Richardson disparou cinco tiros que ficaram marcados em vários pontos na sala. Um deles atravessou o tórax de Ellen, que morreu a caminho do hospital.

Segundo um tio da vítima, o assassino foi procurar a ajuda da mãe que trabalha em uma igreja evangélica a menos de 1 quilômetro de onde o crime aconteceu. Segundo os amigos de Ellen, ela o escondeu na igreja.

Os amigos ouviram que ele estava roncando no andar de cima e entraram na igreja. Quando a polícia chegou, o assassino estava apanhando. Em seguida, foi preso.

Richardson foi levado para o 4º Distrito Policial de Guarulhos acusado de feminicídio. Ele já cumpriu pena em 2006 por roubo e porte ilegal de arma.

O feriado também foi marcado pela morte de outras três mulheres vítimas de seus companheiros ou ex-maridos.

Em Sumaré, região de Campinas, um engenheiro matou a ex-mulher e se suicidou num condomínio de luxo.

A segunda vítima foi Renata Solange de Souza, de 35 anos. Ela estava numa praça no Campo Limpo, Zona Sul da capital, com um sobrinho, na sexta-feira à noite.

Uma câmera de segurança gravou quando o ex-marido dela parou o carro e atirou. José Manuel da Silva, de 47 anos, saiu do carro e atirou de novo. Ele foi preso e, segundo a polícia, confessou o crime.

A terceira vítima foi Sheron Chaves Monteiro, de 34. Ela foi queimada pelo companheiro Alex Alexandre Ferreira, de 41 anos, no domingo passado, na casa do casal, em Parelheiros, também na Zona Sul da capital.

Ela ficou internada até sexta-feira, no Hospital do Grajau, quando morreu. O suspeito ainda não foi preso. Quem tiver qualquer pista sobre ele pode ligar para o telefone 181. Não precisa se identificar.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que os registros de feminicídio no estado de São Paulo aumentaram 12% de janeiro a agosto deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

Feminicídio
Desde 9 de março de 2015, a legislação prevê penalidades mais graves para homicídios que se encaixam na definição de feminicídio – ou seja, que envolvam “violência doméstica e familiar e/ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher”. Os casos mais comuns desses assassinatos ocorrem por motivos como a separação.

+ sobre o tema

Atrizes da Globo se juntam para boicotar volta de Zé Mayer à TV

Segundo coluna do Uol, ator acusado de assediar figurinista...

Webinar debate violência de gênero e segurança de mulheres jornalistas

Resolução aprovada pela ONU para promover a segurança de...

A cada dia, pelo menos 18 meninas são estupradas no Brasil

Principal causa da gravidez precoce, o estupro está relacionado...

Técnica de enfermagem é morta por ex com mais de 50 facadas na frente da filha

Vítima foi atacada quando buscava dinheiro da escola da...

para lembrar

Câmara aprova registro de violência contra a mulher em prontuário médico

Os deputados aprovaram hoje (20) projeto de lei que...

Lutador Ronny Jason é suspeito de agredir a irmã com socos e chutes, diz polícia

Irmã do lutador não registrou boletim de ocorrência, mas...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...
-+=