A quem serve transformar a falsa acusação de estupro em crime hediondo?

Sugestão chegou ao Senado via portal e-Cidadania. No Brasil um estupro acontece a cada 11 minutos, mas só 10% são denunciados.

por Tory Oliveira, da Carta Capital 

 

Uma proposta de tornar uma falsa acusação de estupro crime hediondo e inafiançável chegou à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado. Com 21 mil assinaturas, a iniciativa partiu do Portal e-Cidadania e, por conta do volume de apoiadores, foi encaminhada para à comissão para análise como Sugestão Legislativa 7/2017.

O autor da proposta, Rafael Zucco, justifica o pedido afirmando que leu na imprensa que “80% das denúncias de estupro são falsas”. Ele cita genericamente a “vingança da mulher contra o homem, alienação parental e conseguir mais bens no divórcio” como os principais motivos que levariam uma mulher a inventar uma denúncia de violência sexual.

“A reflexão que faço é: a quem interessa transformar a falsa denúncia de estupro em crime hediondo? Qual o seu objetivo, considerando que vivemos em um país com altíssimos índices de violência sexual, um crime altamente subnotificado?”, analisa Silvia Chakian, promotora do Grupo Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Ministério Público de São Paulo.

O Código Penal já contempla e pune, no artigo 339, a denunciação caluniosa, isto é, iniciar processo de investigação criminal contra alguém imputando-lhe crime de que o sabe inocente. A pena prevista é de dois a oito anos de reclusão.

“A acusação falsa de qualquer crime é gravíssima. Mas a questão é por que especificar no caso de estupro? Fica claro que isso atende a uma casuística, são casos pontuais. Isso afronta todas as vigências da boa técnica legislativa, ainda mais quando falamos da lei penal, que deve sempre ser genérica”, explica.

O site Aos Fatos, dedicado a fazer checagem de dados e notícias, classificou a estatística citada de 80% de falsas denúncias como “insustentável”, devido à “ausência de estatísticas básicas para comprovar ou refutar qualquer informação categórica a respeito de falsas acusações de estupro”.

A estatística, cuja fonte não foi detalhada pelo proponente da ideia, é recorrente em sites e páginas anti-feministas e de matiz conservadora. A possível origem parece ser uma notícia do jornal Extra, publicada em 2012, em que é atribuída à uma psicóloga do Tribunal de Justiça do Rio a informação de que, nas varas de família na cidade do Rio de Janeiro, 80% das denúncias são infundadas. No entanto, esse número circunscreve-se aos registros de abuso infantil em situações de alienação parental e briga pela guarda das crianças naquele município – e, portando, não pode ser extrapolado para a realidade brasileira.

Outro obstáculo para embasar tal afirmação é a ausência de dados oficiais.O estupro é um crime com grande subnotificação, isto é, muitas vítimas deixam de denunciar a violência sexual.

No Brasil, onde a cada um minuto 11 mulheres são estupradas, estima-se que apenas 10% dos casos cheguem até a delegacia, segundo informações da pesquisa Estupro no Brasil: uma radiografia, elaborada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgada em 2016.

Na visão de Chakian, a sugestão legislativa proposta é perigosa. Além disso, traz à tona a questão da desconfiança que se tem em relação à palavra da vítima de violência sexual, como se a mentira fosse mais frequente nesses casos, em comparação com outros crimes.

“Isso é fruto de um preconceito com relação às mulheres. É como se a palavra delas não fosse digna de crédito”, afirma, explicando que os casos de denúncias falsas devem ser investigados, mas, novamente, apontou que tratam-se de casos isolados.

Silêncio e isolamento

O estupro é uma violência complexa, íntima, humilhante e peculiar, que viceja no silêncio: nove em cada dez mulheres vítimas de violência sexual acaba por não levar o caso até a polícia. A subnotificação é elevada no mundo todo.

O silenciamento é incrementado pelo medo de não acreditarem em seu relato, pelo estigma, o isolamento social e a vergonha de expor a privacidade. Outro complicador é que muitos estupros são praticados por pessoas do convívio da vítima, como cônjuges e exs, pais e padrastos. Amigos ou conhecidos respondem por 15% dos casos.

“Muitas acreditam que são culpadas também, que se colocaram naquela situação. Outras nem entendem o acontecido como um crime. Também sofrem com a falta de compreensão no próprio círculo de convivência e familiar, vistas como causadoras de desagregação na família”, analisa Chakian, observando que as vítimas de violência sexual ocupam uma posição desvantajosa e são as mais estigmatizadas. “Depois que elas denunciam, sofrem mais violência institucional e preconceito do que outras”.

Além disso, a própria natureza do crime torna-o complexo do ponto de vista das provas e de sua comprovação. Em primeiro lugar, nem sempre há prova pericial, uma vez que é possível que não haja vestígios da violência. Assim, o depoimento da vítima e sua palavra ganha relevância nesses processos.

“Quando você cria uma lei casuística, há o perigo de desestimular as denúncias. As vítimas tendem a suportar muito tempo caladas, não pode haver uma lei que desestimule a denúncia”, critica.

Apesar da ausência de estudos mais consistentes, a pesquisa False Allegations of Sexual Assault: An Analysis of Ten Years of Reported Cases estima que o índice de denúncias falsas de estupro fique entre 2 e 10% – resultado parecido com o observado em outros crimes.

Em outro levantamento, realizado no Reino Unido e encomendado pelo Crown Prosecution Service há quatro anos, concluiu-se que, em 17 meses de monitoramento entre 2011 e 2012, 35 processos de falsas denúncias de violência sexual foram levados a frente. No mesmo período, registrou-se 5,6 mil casos de estupro.

Para a justiça inglesa, o estudo embasa que a polícia não deve adotar uma postura “cautelosa” instigada pela “preocupação compreensível de que algumas alegações são falsas”.

Para Chakian, o esforço institucional deveria ser para incentivar que mais mulheres e vítimas consigam denunciar seus agressores. Ela também observa que o quadro parece estar mudando.

“Houve um tempo não tão distante em que as mulheres eram estupradas dentro de casa e não tinham onde denunciar, sequer sabiam que eram vítimas. Hoje as mulheres estão menos tolerantes, acionando o sistema para buscar o seu direito de denunciar uma violência. Isso é fruto de uma maior conscientização e amadurecimento da sociedade”.

+ sobre o tema

Igualdade de gênero para as mulheres negras ainda parece sonho

A desigualdade para as brasileiras negras é dupla. Além...

John Smid ex-líder de grupo que defende a “cura gay” se casa com um homem

O americano John Smid, que liderou durante 18 anos...

Sou pai e sou gay: O que eu aprendi no primeiro ano de meus filhos gêmeos

Há um velho ditado judaico que diz: "As crianças...

Para ministra, partidos não financiam campanhas femininas

Para as eleições do próximo dia sete, 52% do...

para lembrar

Outras dores do parto: mães relatam ‘novo tipo’ de violência obstétrica em hospitais

Centenas de mulheres são vítimas, diariamente, da violência obstétrica...

Plano prevê reduzir em 10% diferença salarial entre homens e mulheres

O governo quer reduzir em 10% a diferença da...

A Marcha das Mulheres contra Trump se tornou ‘indispensável’ nos EUA

Norte-americanas vão marchar novamente em oposição ao governo de...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=