Racismo e baixa autoestima levam cotistas a se esconder, diz pesquisadora

 

Brasília – A pesquisadora da Universidade de Brasília (UnB) Ana Paula Meira afirma que estudantes cotistas, mesmo depois de passar em concorridos vestibulares, ainda se escondem por causa de baixa auto estima e do racismo. “O racismo coloca as pessoas sempre à margem. Você duvida que possa estar fazendo o que é certo, que pode ser bonita e inteligente”, afirma Ana Paula. “É dificílimo achar um cotista, as pessoas se escondem”, descreve a mestranda em Política Pública e Gestão de Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB).

Apesar de ter conseguido falar com quase uma centena de alunos, Ana Paula avalia que os cotistas “tem medo dizer” e temem reações que possam causar ao assumir que são cotistas. “Para não se prejudicarem, eles se esquivam”. O comportamento, na avaliação da pesquisadora que deve defender sua dissertação até o fim do ano, guarda relação com a “baixíssima” auto estima dos estudantes e com o racismo.

A pesquisa de Ana Paula Meira tenta entender “o fenômeno” e traz levantamento de trajetórias e histórico escolar de cada entrevistado, fazendo recorte por classe, gênero e identidade. Segundo ela, a UnB tem “mudado lentamente” com a política afirmativa. “Existe uma presença negra que não é só a presença do estudante da embaixada africana.”

Para a pesquisadora, no entanto, há setores “elitizados” na universidade que são contra a política de cotas. A oposição tem a ver com disputas simbólicas e de mercado de trabalho. “A vaga na UnB no imaginário brasilense é super disputada. Estudar lá, especialmente em certos cursos, significa ter status quo.”

Ana Paula Meira critica a iniciativa do partido Democratas que entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal contra o sistema de cotas. Ela classifica a iniciativa de “reacionária” e refuta o argumento de que o recorte pela renda tornaria a política afirmativa mais justa e eficaz. “A maioria dos negros é pobre, mas o que está em voga não é só o econômico. O que socialmente está torto é o racismo”, defende.

 Matéria original: Racismo e baixa autoestima levam cotistas a se esconder, diz pesquisadora

+ sobre o tema

Secretária da Igualdade Racial quer aumentar cota racial em concursos

A socióloga Márcia Lima, secretária nacional de Ações Afirmativas...

Machismo e racismo pintados de colonialismo verde

Nos últimos dias, sentimentos de raiva, ódio, indignação, revolta...

Unicamp 2024: prazo para pedir isenção em taxa do vestibular termina nesta segunda

A Unicamp encerra nesta segunda-feira (5) o prazo para pedido de...

para lembrar

Cotas. Essa conversa não é sobre você Full HD

  Matérias relacionadas: "O perigo...

Posicionamento de Lilia Schwarcz e Maria Helena Pereira Toledo Machado ao projeto PIMESP – USP

Lilia Schwarcz - Professora Titular Departamento de Antropologia Global Professor...

Atriz desmente polêmica sobre cota de negros em ‘Amor à Vida’

Ana Carbatti garante que não foi chamada às pressas...

Demetrio racista aqui só tem cotista! A manifestação do alunos no FLICA

Enviado para o Portal Geledes por - Angela Figueiredo...
spot_imgspot_img

Luiza Trajano lembra programa do Magalu para negros: ‘A maior paulada que já tomei’

A presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, defendeu nesta terça-feira (23) políticas públicas como a Lei de Cotas para ampliar...

Ministra Anielle Franco participa de aula inaugural na UFRJ

Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial, foi a convidada principal da mesa de debate sobre a Lei de Cotas (12.711) e sobre a Lei...

Mesmo com matrícula, jovem negro pode perder vaga na USP

São louváveis - ainda que tardios - os esforços da USP (Universidade de São Paulo) para aumentar o ingresso e a permanência de estudantes...
-+=