Racismo nas escolas, dados e um alerta da influenciadora Patrícia Ramos

Mulheres pretas são as que mais sofrem com efeitos do preconceito racial na educação

Mulheres pretas são as que mais reconhecem raça, cor e etnia como o principal motivador de violência na escola e são as que mais sofrem agressão, tanto física quanto psicológica, nesse ambiente. Ou seja, são elas as que mais sofrem com os efeitos do racismo nas escolas.

O dado foi revelado pela pesquisa “Percepções sobre o Racismo no Brasil”, encomendado pelo Instituto Peregum e pelo Projeto Seta (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista) ao IPEC (Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica).

Trata-se de uma pesquisa de opinião lançada em julho deste ano, mês em que se comemora o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha.

Os dados do levantamento voltaram a ressoar na minha mente ao assistir uma entrevista concedida pela artista Patrícia Ramos à influenciadora Blogueirinha, em que ela conta como conviveu cotidianamente com o racismo na escola.

Afinal, por que naturalizamos as violências raciais, sobretudo contra mulheres pretas, nos ambientes escolares?

Nessa pesquisa de opinião é possível observar a percepção da população brasileira sobre diversos aspectos relacionados ao racismo.

Aqui destaco o que tange os ambientes escolares sobre as diversas formas de violência. Mulheres pretas são as que mais percebem raça e cor como principais motivadores de violência na escola. Elas representam 63% do total de mulheres que identificam o racismo como causa de agressões.

Outras revelações impressionam: das mulheres, são as pretas que mais dizem sofrer ou terem sofrido violência física na escola, representando 25% das respostas, seguido de mulheres pardas, 17%, e das mulheres brancas, 13%.

Quanto à violência psicológica, também são elas, as mulheres pretas, que aparecem com percentual alto, sendo 25% das que responderam passar por isso. Para as mulheres pardas e brancas o índice é igual, 19%.

Um aspecto especialmente marcante desse estudo é a constatação da urgência de se repensar o sistema educacional do Brasil. Darmos um maior foco às escolas como locais de socialização e construção de conhecimento é ponto central na luta contra o racismo.

A apresentadora e influenciadora digital Patrícia Ramos – Instagram/patriciaramos

Em meio a risadas descontraídas durante entrevista, a história compartilhada pela atriz Patrícia Ramos mostra como se tornou comum transcender a dor com um “sorriso negro”, parafraseando dona Ivone Lara.

Ao expor os traumas enfrentados em sua jornada educacional, a também apresentadora ecoa como seu exemplo doloroso é o mesmo experienciado por muitas outras pessoas negras (pretas e pardas).

“Eu sofri muito bullying, muito racismo durante toda minha infância e adolescência. Era bem maltratada por pessoas na escola”, contou Patrícia.

Ela relatou ter vivido situações de agressão, como ter o seu cabelo puxado, terem colado chiclete em sua cadeira e até mesmo ter conseguido escapar de uma armação em que o objetivo seria acusá-la de roubo.

Quantas mulheres pretas não vivenciaram isso no seu dia a dia? Quantas não desistiram de seguir com os estudos por conta dessa cultura de violência no ambiente escolar?

Voltemos à pesquisa, que analisa as percepções sobre racismo no Brasil e oferece um panorama instigante e, muitas vezes, alarmante do ambiente educacional no país.

Os dados levantados revelam que, apesar dos avanços em alguns aspectos, há uma série de desafios a serem enfrentados para garantir uma educação livre de violência.

Outro ponto relevante é a necessidade da priorização do debate sobre o racismo nas escolas. O estudo mostra que 42% das pessoas entrevistadas informaram ter aprendido sobre o tema durante sua formação, mas consideraram a abordagem não tão adequada.

Do total entrevistado, 47% consideram que o tema foi abordado de forma muito adequada, 42% consideram que o tema foi abordado de forma pouco adequada e 10%, que o tema foi abordado de forma nada adequada.

A pesquisa ressalta ainda como é preocupante observar que temas igualmente essenciais, como história e cultura afro-brasileira, história e cultura indígena, e questões de gênero, são percebidos como menos relevantes pelos respondentes.

O levantamento revela ainda uma realidade alarmante quanto à violência nas escolas. Os dados apontam para a existência de violência física, psicológica, moral, patrimonial e até sexual no ambiente escolar.

Grupos criminalizados, como pessoas pretas, mulheres e pessoas com deficiência, são os mais afetados por essa violência, segundo a pesquisa. As constatações do levantamento são um lembrete da necessidade de transformações profundas no sistema educacional brasileiro.

A formação de professores, a atualização dos currículos e o fomento a debates abertos e respeitosos sobre questões de gênero, raça e sexualidade devem ser considerados pilares fundamentais nos sistemas de educação pública e privada.

O trabalho é da sociedade, mas sobretudo de gestores educacionais e formuladores de políticas públicas, para que atuem em conjunto para transformar a educação em espaço de aprendizado, respeito e tolerância.


​Midiã Noelle

Jornalista, mestra em cultura e sociedade, idealizadora da COMMBNE (comunicação baseada em inovação, raça e etnia)

+ sobre o tema

A chaga do racismo no Brasil

Por José Carlos Ruy O racismo é uma chaga,...

Quem te disse que o cabelo liso é o mais bonito?

*Walmyr Junior  Em uma escola da Baixada Fluminense, um amigo...

A absurda melodia das crianças mortas

Uma menina igual a mil/ Que não está nem...

Turista racista disse o Brasil era ‘terra de macaco’ e começou a imitar o animal

Um turista racista europeu, natural da Suécia, está sendo...

para lembrar

Hoje na História, 27 de maio de 1963, o líder pró-independência e ex-prisioneiro Jomo Kenyatta é eleito primeiro-ministro do Quênia

Jomo Kenyatta Presidente do Quênia de 1964 a 1978 20-10-1891, Ichaweri 22-8-1978, Mombaça Do...

Especificidade do racismo brasileiro

Sempre perguntam o porquê de algumas pessoas não se...

Ex-delegado é condenado por preconceito contra muçulmana no Rio

Ex-policial ofendeu mulher por ela pertencer à região islâmica....
spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=