Racismo recreativo: atualizando os estereótipos contra as mulheres negras

Enviado por / FontePor Maria Sylvia de Oliveira

Artigo produzido por Redação de Geledés

No último sábado, 18 de janeiro, o programa Caldeirão do Huck da Rede Globo trouxe como “atração” no quadro Gonga La Gonga a apresentação de um artista regional com uma boneca caracterizada de “nega maluca” – um estereótipo que reforça o lugar da mulher negra ridicularizada. 

Os episódios de desqualificação e de racismo em emissoras de TV se repetem o tempo todo, principalmente contra mulheres negras. Recentemente, no SBT, uma mulher negra foi discriminada no ar pelo apresentador Silvio Santos, o que lhe rendeu uma representação junto ao Ministério Público de São Paulo, sob a acusação de racismo. Na edição do reality show A Fazenda, no dia 05/11/19, uma participante negra sofreu ofensas racistas, na forma de injúria, por parte de um produtor da TV Record.

Emissoras de TV e de rádiodifusão são concessões públicas, têm disciplina constitucional prevista no art. 221, onde se verifica que essas deverão atender à princípios que dizem respeito à “finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas;…”. Essa mesma Constituição afirma, em seu artigo 1º , que um dos fundamentos da República Federativa do Brasil é “a dignidade da pessoa humana”, preceito que deveria ser respeitado por empresas, quaisquer que sejam os serviços públicos a serem explorados. 

Atrações como a veiculada no programa de Huck, no caso, a dança do artista com a “nega maluca”, uma fantasia jocosa à exemplo de ‘blackface”,  é combatida pela militância negra porque fazem representação extremamente negativa da mulher negra, estando “baseada na noção de que negros são moral, intelectual, sexual e esteticamente inferiores a brancos”, como afirma o jurista Adilson José Moreira na obra O que é racismo recreativo. (Polén, 2019, pag. 155)

Em alguns momentos, a Rede Globo se mostra atenta em trazer para o público em geral a temática racial de forma qualificada, e para exemplificar citamos a cena da novela “Amor de Mãe”, no último dia 11/01, onde a personagem Camila, uma professora interpretada magistralmente pela atriz Jéssica Hellen, diz que: “tenho que ser forte porque sou preta e a gente vive num país racista … eu tô cansada, mãe, eu tô cansada” (sic), dando a exata dimensão do quanto as mulheres negras são estigmatizadas numa sociedade estruturada pelo racismo e pelo sexismo.

Certamente ainda há um longo caminho a ser percorrido por essas emissoras de televisão que em geral não demonstram nenhuma preocupação em trazer para o debate público a temática racial, ao contrário, veiculam programas, principalmente de humor, notícias e policialescos que reforçam estereótipos e estigmas sobre a população negra.  

Por isso Geledès-Instituto da Mulher Negra, uma organização que tem como missão institucional a defesa de mulheres negras, repudia e denuncia o impacto negativo que representações hiperssexualizadas, caricatas e fantasias como a de “nega maluca” têm em suas vidas, principalmente no âmbito emocional, perpetuando seu histórico de desvalorização em nossa sociedade.  

Imagens como essas nos causam enorme constrangimento e indignação, pois ferem nossa auto estima e violam nossa dignidade. 

 

Maria Sylvia de Oliveira

Presidente de Geledès-Instituto da Mulher Negra

+ sobre o tema

Do social ao religioso, Jair de Odé constrói projetos socioeducativos na Cidade Tiradentes

A reportagem abaixo faz parte da série Geledés- Retratos...

Clélia Rosa – Trabalhando relações étnico-raciais na educação

Conversamos com a pedagoga Clélia Rosa, sobre como as...

“Ser líder negra é ser infinita, como toda grande força”, diz Neon Cunha

Geledés no Debate inicia 2019 entrevistando Neon Cunha, ativista,...

Mãe-solo, Inaihe se torna empreendedora na pandemia

Em fevereiro de 2021, em plena pandemia, Inaihe Nainhana...

para lembrar

“Uma OAB antirracista é a que assegura a participação de 30% a advogados negros e advogadas negras”

André Costa, advogado e consultor especializado em direitos políticos e...

A costura das máscaras se tornou o sustento da família de Janaína

Costureira e moradora da Cidade Tiradentes, bairro periférico de...

O desastre não é natural, é político

O cenário é devastador. Relatos absurdamente trágicos e tristes...

Quilombolas do Rio Grande do Sul pedem socorro para receber alimentos

“Os alimentos não estão chegando às comunidades quilombolas. Estamos numa corrente de solidariedade dentro do Estado em razão da condição das estradas. Além disso,...

“Precisamos repensar a escravidão, porque o que aprendemos nos livros são mentiras” diz Sheila S Walker

Por Kátia Mello A antropóloga afro-americana e diretora executiva da ONG Afrodiáspora, Sheila S Walker esteve rodando o Brasil para lançar seu último livro Conhecimento...

Eloana, mãe de PcD se empodera e descobre sua ancestralidade durante a pandemia

Desde que o filho nasceu, Eloana de Cássia da Costa, 37 anos, não faz outra coisa a não se dedicar aos cuidados dele. Claudiano,...
-+=