Relatório aponta desigualdades de gênero no acesso à educação

No marco da Campanha Educação Não Sexista e Anti Discriminatória, coordenada em 14 países pelo Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (Cladem), o Informe Brasil – Gênero e Educação mostra que, diferente do discurso oficial, o acesso à educação formal ainda não é igualitário quando se considera o gênero.

Coordenadora da Campanha e membro do Cladem Brasil, Ingrid Leão explica que o foco do documento é indicar que há dificuldades no acesso à educação, e que elas não se constituem só entre homens e mulheres, mas também entre os vários segmentos femininos, como mulheres que vivem na zona urbana e rural, camponesas, indígenas e afrodescendentes.

“A gente queria desfazer um pouco essa ideia de que o acesso das mulheres à educação é coisa resolvida, que está presente em praticamente todos os países da América Latina”, comenta.

O estudo, coordenado por Denise Carreira, relatora do Direito Humano à Educação (iniciativa da Plataforma DHESCA), foi apresentado ontem (25) em audiência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington, Estados Unidos. No Brasil, o documento foi conhecido parcialmente em maio, por ocasião da Semana de Ação Mundial.

Denuncia-se os principais desafios ao acesso igualitário, como as disparidades persistentes entre as mulheres brasileiras; a manutenção de uma educação sexista, homofóbica/lesbofóbica, racista e discriminatóriano ambiente escolar; a concentração das mulheres em cursos e carreiras consideradas “femininas”,com menor valorização profissional e limitado reconhecimento social.

“Embora as meninas negras tenham maior permanência na escola do que os meninos negros, no ensino superior isso é invertido. Essa questão traz uma leitura racial e de gênero, porque a mulher vai viver papéis, como cuidar da família e a maternidade, que lhe fazem perder essa oportunidade que é o ensino superior. Os meninos também ficam fora da escola devido ao papel de gênero, pois têm que procurar trabalho para sustentar a família”, exemplifica Ingrid, afirmando que o importante é haver equidade no acesso para os dois gêneros.

Outro ponto relevante no Brasil, segundo a coordenadora da campanha, é a intervenção de setores religiosos em políticas públicas na Educação, como ocorreu no caso do kit Brasil sem Homofobia, elaborado pelo Ministério da Educação em parceria com a ONG Ecos, que foi suspenso devido a pressões de religiosos.

O documento traz ainda recomendações para que o problema do acesso desigual seja solucionado. Têm destaque a laicidade; valorização dos profissionais da Educação, principalmente a Educação Básica, onde 90% são mulheres; implantação de ações afirmativas; implementação da lei que torna obrigatório o Ensino de História da África nas escolas; e que o Programa Nacional da Educação (PNE) atente para metas de igualdade de gênero e raça.

O Relatório Brasileiro integra Relatório Regional desenvolvido em todos os países latino americanos que compõem a Campanha, documento a ser lançado em 2012.

Na íntegra, o texto pode ser acessado em http://www.acaoeducativa.org.br/portal/images/stories/pdfs/informegeneroeducacaoout2011.pdf

Campanha Educação Não Sexista e Anti Discriminatória

Ingrid Leão ressalta que a intenção da campanha, levada a cabo desde junho de 2009, com apoio da União Europeia e do fundo holandês, é formar alianças para reforçar, na agenda feminista e de outros movimentos sociais, a pauta da educação.

“Nós percebemos um trabalho muito focado em violência e direitos sexuais e reprodutivos, o que o Cladem já faz, mas não tanto em educação não sexista, então decidimos investir nessa ferramenta importante para a conquista dos direitos das mulheres, que é a educação formal”, sublinha.

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Adele sobre amamentação: ‘A pressão em cima de nós é absolutamente ridícula’

No show que aconteceu na última terça-feira (22) na...

Núcleo da Unicamp abre inscrições para o concurso “Grafite Feminista”

O Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, da Unicamp,...

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira...

para lembrar

Liberdade caça jeito

Quem reivindica direitos, demanda a democratização do poder, luta...

Cinco vantagens da camisinha feminina que nem todo mundo conhece

Ela já existe desde 1980, mas foi de uns...

A escola falhou se o aluno acha que menina é inferior

Na foto acima, seriam prezados alunos ou prezadas alunas?...
spot_imgspot_img

Fui demitida depois dos 40. E agora?

Dia desses, enquanto navegava pelos comentários de uma publicação no LinkedIn, deparei-me com o relato em que uma mulher mencionava ter ouvido de seu...

O direito das mulheres à literatura

A literatura, para Antonio Candido, é direito inalienável do sujeito, indispensável à humanização. Espaço de desacato, para a escritora argentina María Teresa Andruetto, ela nos questiona,...

O preço de pegar a contramão da história

O Brasil não é um país de iguais. Aqui tem pacto da branquitude, privilégio branco, colorismo, racismo, machismo e meritocracia aplicada de maneira assimétrica. Tudo...
-+=