Relatório aponta desigualdades de gênero no acesso à educação

No marco da Campanha Educação Não Sexista e Anti Discriminatória, coordenada em 14 países pelo Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (Cladem), o Informe Brasil – Gênero e Educação mostra que, diferente do discurso oficial, o acesso à educação formal ainda não é igualitário quando se considera o gênero.

Coordenadora da Campanha e membro do Cladem Brasil, Ingrid Leão explica que o foco do documento é indicar que há dificuldades no acesso à educação, e que elas não se constituem só entre homens e mulheres, mas também entre os vários segmentos femininos, como mulheres que vivem na zona urbana e rural, camponesas, indígenas e afrodescendentes.

“A gente queria desfazer um pouco essa ideia de que o acesso das mulheres à educação é coisa resolvida, que está presente em praticamente todos os países da América Latina”, comenta.

O estudo, coordenado por Denise Carreira, relatora do Direito Humano à Educação (iniciativa da Plataforma DHESCA), foi apresentado ontem (25) em audiência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington, Estados Unidos. No Brasil, o documento foi conhecido parcialmente em maio, por ocasião da Semana de Ação Mundial.

Denuncia-se os principais desafios ao acesso igualitário, como as disparidades persistentes entre as mulheres brasileiras; a manutenção de uma educação sexista, homofóbica/lesbofóbica, racista e discriminatóriano ambiente escolar; a concentração das mulheres em cursos e carreiras consideradas “femininas”,com menor valorização profissional e limitado reconhecimento social.

“Embora as meninas negras tenham maior permanência na escola do que os meninos negros, no ensino superior isso é invertido. Essa questão traz uma leitura racial e de gênero, porque a mulher vai viver papéis, como cuidar da família e a maternidade, que lhe fazem perder essa oportunidade que é o ensino superior. Os meninos também ficam fora da escola devido ao papel de gênero, pois têm que procurar trabalho para sustentar a família”, exemplifica Ingrid, afirmando que o importante é haver equidade no acesso para os dois gêneros.

Outro ponto relevante no Brasil, segundo a coordenadora da campanha, é a intervenção de setores religiosos em políticas públicas na Educação, como ocorreu no caso do kit Brasil sem Homofobia, elaborado pelo Ministério da Educação em parceria com a ONG Ecos, que foi suspenso devido a pressões de religiosos.

O documento traz ainda recomendações para que o problema do acesso desigual seja solucionado. Têm destaque a laicidade; valorização dos profissionais da Educação, principalmente a Educação Básica, onde 90% são mulheres; implantação de ações afirmativas; implementação da lei que torna obrigatório o Ensino de História da África nas escolas; e que o Programa Nacional da Educação (PNE) atente para metas de igualdade de gênero e raça.

O Relatório Brasileiro integra Relatório Regional desenvolvido em todos os países latino americanos que compõem a Campanha, documento a ser lançado em 2012.

Na íntegra, o texto pode ser acessado em http://www.acaoeducativa.org.br/portal/images/stories/pdfs/informegeneroeducacaoout2011.pdf

Campanha Educação Não Sexista e Anti Discriminatória

Ingrid Leão ressalta que a intenção da campanha, levada a cabo desde junho de 2009, com apoio da União Europeia e do fundo holandês, é formar alianças para reforçar, na agenda feminista e de outros movimentos sociais, a pauta da educação.

“Nós percebemos um trabalho muito focado em violência e direitos sexuais e reprodutivos, o que o Cladem já faz, mas não tanto em educação não sexista, então decidimos investir nessa ferramenta importante para a conquista dos direitos das mulheres, que é a educação formal”, sublinha.

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Cresce o número de mulheres que ganham mais que seus maridos, mostra estudo

O poder financeiro das mulheres em casamentos heterossexuais está...

Alexandra e Damien Loras deixam a vida diplomática para continuar em SP

O cônsul da França em São Paulo, Damien Loras,...

A heteronormatividade patriarcal do casamento

O patriarcado nos impulsiona e nos obriga a cumprir...

para lembrar

13 anos como doméstica, 4 sem receber. A escravidão no quarto de empregada

A atriz Cyda Baú, bisneta de escravos, saiu de...

Poderoso documentário sobre assédio é exibido pela 1ª vez em Manaus

Dirigido por Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão e...

Universidade de Oxford muda regras de vestimenta por causa de transsexuais

Sob a nova regulamentação, estudantes em exames e provas...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=