Rui Costa e o terraplanismo em segurança

Para quem está na mira do gol, não importa de onde vem o tiro na cabecinha

Ministro da Casa Civil, Rui Costa, em entrevista na segunda-feira (14): “Não reconheci e não reconheço de ONGs que fazem publicações sobre questão de segurança. (…) Nós estamos comparando coisas diferentes: melancia com abacaxi. Quando estados brasileiros, por exemplo, encontram corpos boiando com perfuração no crânio, no peito, e dizem que vão investigar aquela morte e não classificam como óbito e comparam com estado que registra essa morte como óbito, então nós estamos comparando coisas diferentes.”

Trata-se de terraplanismo em segurança. A ONG a que se refere o ministro é o Fórum Brasileiro, respeitada autora do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, principal compêndio de dados na área. Os diretores do fórum, aliás, se colocaram à disposição do ministro para debater. Negacionistas apelam, em geral, para uma dúvida que parece à primeira vista razoável, mas que resta sem fundamento, como reportou a agência Aos Fatos: o anuário usa dados oficiais das secretarias, explica em detalhes a metodologia e emprega referências internacionais.

A razão do descontentamento talvez seja outra: Rui Costa foi governador da Bahia entre 2015 e 2022, período em que mortes pela polícia quadruplicaram, saltando de 354 (2015) para 1.464 (2022). Não são apenas os números de segurança: a mesma tendência de alta é verificada no DataSUS, onde desde 2019 a Bahia é o estado com mais mortes por “intervenção legal”. Quando a PM baiana efetuou a chacina do Cabula, em 2015, o então governador disse: “É como um artilheiro em frente ao gol que tenta decidir, em alguns segundos, como é que ele vai botar a bola dentro do gol”. O caso segue, depois de oito anos, sem desfecho.

Não há problema algum que o governo padronize coleta e divulgação de dados sobre segurança, desde que isto signifique mais transparência, não menos; seria inclusive bem-vinda uma atuação federal sobre o controle das polícias. Para quem está na mira do gol, não importa muito de onde vem o tiro na cabecinha.

+ sobre o tema

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente...

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

para lembrar

Protesto não é crime! Anistia Internacional

A preparação para a Copa do Mundo fez com...

Apreensões sobre o racismo norte-americano

A pequena cidade de Ferguson, no Missouri (centro dos...

Pelo fim da pena de morte aos adolescentes. O caso São Remo

O “mito do adolescente violento” transforma o jovem, negro e...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...
-+=