Saúde mental dos idosos ainda sofre os impactos da pandemia

O distanciamento de amigos e familiares, a suspensão de atividades sociais e, a perda de entes queridos levaram a solidão e ansiedade

Após anos de enfrentamento da pandemia da Covid-19, torna-se evidente que os idosos estão entre os grupos mais afetados em termos de saúde mental. A melhoria das condições e o afastamento gradual das restrições revelam agora as consequências devastadoras que essa experiência teve sobre essa população vulnerável. Os relatos de depressão, ansiedade, perda de memória, agorafobia e isolamento social entre os idosos estão se tornando cada vez mais alarmantes.

Durante o auge da pandemia, os idosos foram aconselhados a se isolar para proteger sua saúde, o que, embora tenha sido eficaz na prevenção da infecção, trouxe consigo uma série de desafios emocionais. O distanciamento de amigos e familiares, a suspensão de atividades sociais e, muitas vezes, a perda de entes queridos levaram a sentimentos profundos de solidão, ansiedade e impotência. A rotina sedentária, a falta de estímulos cognitivos e as interações sociais limitadas contribuíram para o agravamento desses problemas, que ainda persistem mesmo com a diminuição dos casos de Covid-19.

Novos desafios surgiram à medida que os idosos tentam retomar suas vidas pré-pandêmicas, enfrentando obstáculos tanto físicos quanto emocionais. De acordo com dados da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), um em cada quatro idosos enfrenta problemas emocionais, mas mais da metade deles não recebe o tratamento adequado. A recuperação emocional é um processo complexo e demorado que exige apoio contínuo da comunidade, familiares e profissionais de saúde.

Identificar a necessidade de tratamento é essencial, especialmente porque a depressão em idosos pode se manifestar de maneira diferente em comparação com adultos mais jovens. Os idosos tendem a relatar mais sintomas físicos, como dores no corpo, fadiga, fraqueza, distúrbios do sono e do apetite, além de falta de interesse em atividades anteriormente apreciadas e problemas de memória. Esses sintomas não melhoram com o tempo, afetando significativamente a qualidade de vida e a autonomia dos idosos.

Portanto, é fundamental encorajar os idosos a buscar ajuda de profissionais de saúde para identificar e tratar a depressão, muitas vezes envolvendo o uso de medicamentos específicos. É importante desmistificar a ideia de que os antidepressivos causam dependência, explicando que podem levar algum tempo para produzir resultados positivos. A família desempenha um papel crucial em apoiar o idoso durante o tratamento, incentivando a persistência e a paciência, visto que a melhora pode começar com a qualidade do sono e do apetite, progredindo gradualmente para energia e interesse.

Além do tratamento medicamentoso, é essencial promover um envelhecimento ativo, incentivando a interação social, a participação em atividades comunitárias e a exploração de novos interesses e hobbies. A criação de rotinas estimulantes, que incluam atividades físicas, também é crucial para preservar a memória e a cognição.

Não podemos subestimar a importância da atividade física, especialmente para aqueles idosos que perderam mobilidade durante a pandemia. A prática regular de exercícios não apenas melhora a saúde física, mas também ajuda a prevenir quedas e a promover o bem-estar mental. Para superar as barreiras de acesso, é importante buscar opções de atividades em centros para idosos ou projetadas especificamente para esse público.

Em resumo, a pandemia deixou uma marca profunda na saúde mental dos idosos. É fundamental oferecer atenção e cuidados adequados para ajudá-los a se recuperar e desfrutar de uma vida mais gratificante à medida que a sociedade avança em direção a um novo normal.

+ sobre o tema

Pela Vida das Mulheres Negras, vamos todas/os/es

“A noite não adormece nos olhos das mulheres a lua...

Mulher negra e miomas: Uma incursão na área de saúde, raça/etnia.

INTRODUÇÃO Por Vera Cristina de Souza Do SlideShare No Brasil, ainda são...

Audiência Pública cria grupo para discutir tratamento de pessoas com anemia falciforme

Proposta pelo deputado João Grandão em parceria com o...

Serena Williams canta em campanha contra câncer de mama

Segurando os seios nus, a tenista entoa a música...

para lembrar

Aumento do número de suicídios entre população trans preocupa ativistas

No primeiro semestre de 2019, foram registrados 12 suicídios...
spot_imgspot_img

Sobrecarga pode fazer com que mães solo enfrentem transtornos de saúde mental

"Eu sentia muita taquicardia e tinha medo de tudo. Me vinham aquelas crises e eu não conseguia entender o que era. Naquela época, saúde...

USP oferece mais de 4 mil vagas em cursos gratuitos para público 60+

O programa USP 60+ completa 30 anos de sua criação e está com as inscrições abertas para o primeiro semestre de 2024. A abertura de vagas se...

Depressão em idosos: por que doença ainda é difícil de ser diagnosticada

"Perdi o amor da minha vida, com quem estava há 45 anos." A aposentada paranaense Maria Helena Barroso, de 64 anos, relembra assim a morte...
-+=