Seguir Movendo, seguir vivendo, é tudo pra ontem!

Enfim chegamos a um ano da Coluna Negras que Movem! Uma coluna assim como nós mulheres negras, diversas, com múltiplas visões e conhecimentos, intensas, e sedentas por levar a luta de nossas ancestrais para o mundo. 

Quando começamos a coluna no ano passado, um ano que desafiou a todas, todex e todos e que impôs desafios gigantescos, e aprofundou o abismo das desigualdades. Nós mulheres negras vivenciamos perdas, luto e sobrevivência. Aprendemos a nos reinventar, mais uma vez, e estamos esperançosas em um futuro (ainda incerto), mas estamos movendo, vivendo e entendendo que é tudo pra ontem!

Entendam caros leitores, que não estou aqui para nos colocar no lugar de mulheres fortes, super heroínas ou coisas do tipo. É uma constatação. Nós movemos a pirâmide que sustentamos a muitas gerações. E poucos são aqueles que estão interessados em compreender ou saber sobre nossas dores.

O cálculo e a dimensão do estrago que a pandemia do coronavirus terá em nosso futuro, visto que sabemos que somos a população mais impactada, nos traz a missão de encaminhar uma geração inteira, pois os impactos são incalculáveis. A covid-19, desnudou o que estudiosos e militantes dos Direitos Humanos vem denunciando a anos, que as desigualdades sociais e econômicas no Brasil e no mundo, estão aí, e que é preciso olhar com seriedade para a implementação de políticas públicas e enxergar que a ausência delas mata! 

Políticas no campo do acesso a serviços básicos, como saneamento básico, saúde, educação, segurança, assistência social, direitos humanos, emprego e renda são fundamentais ao bem viver, sobretudo dos corpos pretos.

É doloroso, e diz muito sobre a necessidade de mudança na sociedade brasileira, que a primeira vítima de Covid-19 no Brasil tenha sido uma Mulher, Negra, Mãe, Periférica, Empregada Doméstica. A covid-19 nós mata, mas ela é só a doença. Os sintomas são anteriores à sua dissipação em escala mundial. Vivemos em uma sociedade doente, que não reconhece o seu passado como fruto do problema, e minimiza, buscando desculpas e justificativas para não se reconhecer racista. Vamos Brasil, façamos uma terapia para reconhecer nosso problema para assim seguirmos!

Enquanto isso, nós mulheres negras, continuamos movendo a pirâmide é batendo de frente  todos os dias com racismo estrutural, machismo, sexismo e patriarcado que não nós dão um minuto de sossego. Ligamos a TV e entendemos que os pretensos projetos sobre a economia do país não irão nos contemplar, porque a cesta básica está cada vez mais cara e nosso dinheiro cada vez mais curto!

Buscamos em nossa ancestralidade forças para cuidar da nossa saúde mental para conseguir manter nossa participação nas lutas do dia a dia. Mesmo diante dos desafios, estamos apontando os caminhos, denunciando sim, sobrevivendo sim, nós vamos pautar, fazer e refazer os caminhos e mudar as nossas trajetórias e do nosso povo, pois estamos ampliando nossa tecnologia ancestral que carregamos no DNA. 

Sim, mulheres negras, que diante de tantos desafios, com o aumento das vulnerabilidades que percebemos em nossos corpos, nós da Coluna Negras que Movem, criamos aqui um espaço potente, com representatividade, afetos e superações. Falamos nesses espaço de nossa construção, colocamos o dedo nas nossas feridas e dores; apontamos para o nosso afrofuturo, reverenciamos as nossas ancestrais e construímos um ponto de partida, que assim como nos ensina a cultura africana, será um espiral de trocas que nunca findará em si.

Aqui expresso minha gratidão à Mayara Silva, que trouxe para o nosso grupo a oportunidade de expor nossos pensamentos na coluna. E agradecer as 23 componentes do movimento Negras que movem, vocês são incríveis! 

Graças ao Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco, do Fundo Baobá, nós conhecemos e ampliamos nossa voz! O Brasil inteiro de potências negras reunidas em um só lugar! Somos 63 apoiadas individuais e 15 coletivos. Nossa jornada como primeira turma se aproxima do fim, mas a ponte que construímos, só faz com que nos lembremos que nada é por acaso. 

E por último e não menos importante, aproveito para agradecer a parceria com o Portal Geledés, que possibilitou dar visibilidade às nossas potências. 

Colunas Negras que Movem é a constatação de que somos nós por nós, nós por todas nós!

Àsé!


¹ Monalyza Alves é Carioca.  Historiadora formada pela Universidade Veiga de Almeida, especialista em Políticas Públicas em Direitos Humanos pelo Instituto de Políticas Pública em Direitos Humanos do Mercosul – IPPDH. É uma liderança apoiada pelo “Programa Marielle Franco de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas  Negras”, realizado pelo Fundo Baobá e seus parceiros. Foi Diretora Executiva do Instituto MiGRA – Migração, Gênero e Raça, cujo objetivo é trabalhar a transversalidade dos Direitos Humanos, com ênfase na agenda de Migração, Gênero e Atualmente é chefe de Gabinete da Secretaria Especial de Políticas e Promoção da Mulher do Município do Rio de Janeiro.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Jornalismo, imagem e poder: repertório para as representações raciais

  "Toute image du pouvoir se fonde sur un pouvoir...

A Sociedade e Nós

Se a história não reparar os séculos a fio...

Papai Noel preto, uma crônica natalina

Seo Gerson beijou a esposa e a filha pequena,...

E eu, não sou brasileira?

“Paulista, sério? Caramba, eu jurava que você era de...

para lembrar

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

A revolução começa preta e trans

Os dados estão lançados no tabuleiro. Centrão e direita...

Representantes da AMNB fazem reunião com ministra Luiza Bairros

Por volta do meio dia desta quinta-feira (14), as...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=