Ser feminista é assumir uma postura incômoda, afirmam militantes

Debate do UM BRASIL conta com a escritora e militante LGBT Amara Moira e a filósofa e ativista do feminismo negro Djamila Ribeiro.

Do HuffPost

Parte da sociedade entende que os privilégios de que desfruta são oriundos apenas de seus esforços e não de uma sociedade desigual. Essa análise impede a mudança dessa situação nos casos de gênero e raça. O tema foi discutido pela escritora e militante LGBT Amara Moira e a filósofa e ativista do feminismo negro Djamila Ribeiro, entrevistadas pelo UM BRASIL.

“Trazemos narrativas de incômodo porque os cidadãos precisam se incomodar e entender o que significa o privilégio que vem sistematicamente sendo produzido à custa da opressão de outros grupos. Ser feminista é assumir uma postura incômoda de um grupo que historicamente vem sendo menosprezado. Feministas são pessoas comuns que lutam por uma sociedade mais justa”, explica Djamila.

“O lugar de onde você olha para a sociedade impede que veja algumas das questões, urgências que outros grupos colocariam como necessárias. Esse outro olhar que os movimentos sociais trazem tem penetração na sociedade como um todo”, complementa Amara.

Para Djamila, falta consciência para compreender que é responsabilidade também dos grupos privilegiados mudar o estado de coisas, caso contrário, cria-se a impressão de que apenas os grupos oprimidos devem falar sobre certos temas. “Eu tenho de pensar sobre minha condição o tempo inteiro, porque as pessoas não esquecem que sou negra nos espaços que chego ou na forma em que sou abordada”, destaca a filósofa.

Amara ressalta o papel da linguagem da manutenção das estruturas de poder vigentes. “Alguns não estão acostumados a serem questionados, a entender que sua palavra pode violentar outros grupos. Esse outro olhar que os movimentos sociais trazem tem penetração na sociedade como um todo. Isso é significativo de uma sociedade que se dá conta de que a linguagem é capaz de jogar grupos à margem. A linguagem tem poder – e cobrar que as pessoas que usam da linguagem sejam responsáveis por aquilo que dizem é o mínimo”, destaca.

 

+ sobre o tema

Mulheres realizam protesto contra ofensas racistas à militante de Colatina

O Movimento de Mulheres Negras de Colatina e Região Zacimba...

Dione Moura: a professora que transformou a vida de jovens negros no país

A trajetória da professora Dione Moura é feita de...

Mulheres encontram força e desafiam preconceitos para realizar seus sonhos

Mãe solteira, professora, enfermeira e bombeira. Marília é ou...

para lembrar

Sojourner Truth

Isabella Baumfree Data e local de nascimento: c. 1797 Swartekill, Nova...

O boato sobre a legalização do aborto no Brasil

Informações falsas sobre a legalização do aborto no Brasil...

Marido é indiciado por feminicídio após matar dançarina de funk

Mais um caso absurdo de violência contra a mulher...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=