terça-feira, janeiro 26, 2021

Tag: Vilma Reis

Escritora Cidinha da Silva (Foto: Elaine Campos)

Flores para Vilma Reis

As pessoas que me acompanham como escritora são sabedoras de que não padeço do mal da tela em branco. Não fico parada, apoplética diante da tela. A falta de tempo mental, essa sim, me impede de escrever. Por Cidinha da Silva enviado para o Portal Geledés Mas agora, pesquisando o material do Blogue para escrever minha carta de apoio a Vilma Reis, Vice-Presidente do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra – CDCN, ativista do movimento negro e feminista, candidata ao posto de Ouvidora Geral da Defensoria Pública do Estado da Bahia, cargo que deve ser ocupado por uma representação da sociedade civil, uma sensação de catatonia tomou conta de mim e desisti de pesquisar. É tanta coisa significativa que esta guerreira de incontáveis lutas, causas, matizes, travou na vida, que não tive como selecionar algo para comentar. Dê uma olhadinha e veja com seus próprios olhos que, como os meus, ...

Leia mais

‘A polícia está sendo usada para sustentar o narcoestado’, diz militante na OAB-BA

Em entrevista ao Bahia Notícias, Vilma Reis, presidente do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado da Bahia (CDCN), afirmou que considera que a fala do governador Rui Costa sobre a ação policial que matou 12 pessoas no Cabula é o mesmo que dar licença para matar. Ela participou da audiência publica realizada nesta quinta (26) pela Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Bahia (OAB-BA) para discutir o fato. “A fala do governador foi desastrosa. por Bruno Luiz   Do Bahia Noticias Ela passou por cima de todas as prerrogativas legais. Um governador é o comandante chefe da polícia. Ele não pode, antes de qualquer investigação, se antecipar e tirar os mecanismos legais, o protocolo e liberar a tropa, pois, senão, ele abre a brecha para a ilegalidade”, afirmou. Vilma ainda afirmou que a polícia está sendo usada "para sustentar o narcoestado, o narcoparlamento e sustentar uma narcomunicação”. ...

Leia mais

“Muitos se valem da liberdade para expressar ódio” Artista Alves Correia é denunciado por crimes de racismo

O artista plástico  Alves Correia Santos foi denunciado esta semana pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) por conta de três atos racistas praticados por ele contra duas vizinhas, no Condomínio Mar Aberto Residence, no Costa Azul. Em uma das ocasiões registradas pela 9ª Delegacia Territorial (Boca do Rio) nos dias 18 e 19 de março, Eduardo colou um cartaz na frente do imóvel das vítimas com a frase "negro aqui não" (sic). Ele também colocou duas vezes na casa delas, por baixo da porta, bilhetes com os escritos "negro não caiam fora negrada" (sic) e "negrada não poluam a piscina não fora seus negros" (sic). Segundo o promotor de justiça José Renato Oliva, do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos e Combate à Discriminação do MP-BA, as provas contra o denunciado "são bem robustas". "Os três crimes estão provados. Um exame grafotécnico identificou a letra dele", informou o promotor. Conforme ...

Leia mais
Os pensamentos de Lélia Gonzalez[2] e Michel Foucault nas epígrafes acima, o primeiro datado de 1984 e o outro de 1976, assim como a presença-celebração a Carolina Maria de Jesus

Mulheres negras, criminalizadas pelas mídias, violadas pelo Estado

Para Carolina Maria de Jesus, que em 2014 celebramos seus 100 anos de nascimento. Autora do livro “Quarto de Despejo – Diário de uma favelada”, publicado em 1960, cujas tragédias narradas atravessam gerações, evidenciando o poder atemporal do racismo em suas formas reificadas, numa sociedade, como nos disse Florestan “de racismo sem racistas”. “O lugar em que nos situamos determinará nossa interpretação sobre o duplo fenômeno do racismo e do sexismo. Para nós o racismo se constitui como a sintomática que caracteriza a neurose cultural brasileira.” Lélia Gonzalez, p.224, 1984 “Fazer viver e deixar morrer – do homem-corpo ao homem-espécie. O nascimento do biopoder.” Michel Foucault, Em Defesa da Sociedade. Por Vilma Reis   Os pensamentos de Lélia Gonzalez e Michel Foucault nas epígrafes acima, o primeiro datado de 1984 e o outro de 1976, assim como a presença-celebração a Carolina Maria de Jesus, evidenciam os grandes temas-demandas do Movimento de Mulheres ...

Leia mais
Quem tem medo dos editais para as iniciativas culturais afro-brasileiras? por Vilma Reis

Quem tem medo dos editais para as iniciativas culturais afro-brasileiras? por Vilma Reis

Vilma Reis No contexto das forças políticas os Movimentos Negros e de Mulheres Negras se organizam no país contra a reação conservadora que, se levanta contra as diferentes formas de reparação, seja no mercado de trabalho, no acesso a educação ou no acesso a recursos, para que um grupo majoritário da sociedade brasileira, a população negra, possa apresentar suas narrativas para as gerações atuais e deixe seu legado, na dramaturgia, na dança, na música ou em outra forma de manifestação da cultura, para as gerações vindouras. Essa manifestação do conservadorismo quando não permite a equidade, através de ações afirmativas, impede a partilha dos bens e recursos produzidas por todo povo brasileiro, evidenciando que é o racismo que estrutura o Brasil, onde o medo branco da onda negra permanece como um fenômeno longevo. O Ministério da Cultura, conhecido como MinC, uma instituição com apenas 28 anos de existência, tão jovem como ...

Leia mais
vices

Vice negra é passo para valorizar liderança feminina

Independente do resultado das urnas no dia 28 de outubro, Salvador terá pela primeira vez em sua história uma mulher negra ocupando o cargo de vice-prefeita, o segundo mais importante da cidade. A escolha de uma representante do sexo feminino e afrodescendente para a função é um marco, sobretudo em uma capital cuja maioria da população é negra, mas ainda registra casos de preconceito racial, e onde as oportunidades de emprego e renda são desiguais para os gêneros, principalmente na área política. Por: Kleyzer Seixas Embora a composição da chapa dos candidatos com vices-negras - Célia Sacramento do PV compõe com ACM Neto do DEM e Olívia Santana do PC do B, com Pelegrino (PT) - seja considerada uma avanço, sobretudo simbolicamente, a escolha, por outro lado, suscita questionamentos. Primeiro, pelo papel de "meras coadjuvantes" desempenhado pelas vices, o que, para a socióloga e presidente do Conselho de Desenvolvimento da ...

Leia mais
CPI da Violência Urbana ouve Vilma Reis e Marcelo Paixão

CPI da Violência Urbana ouve Vilma Reis e Marcelo Paixão

Fonte: Lista Racial- Tema: "Juventude Negra, a principal vítima da violência no Brasil" A Comissão Parlamentar de Inquérito que apura a violência urbana vai tratar do tema "Juventude Negra, a principal vítima da violência no Brasil" nesta quarta-feira (11/09), às 14:30h, na Câmara dos Deputados. O economista Marcelo Paixão e a cientista social Vilma Reis foram convidados a partir de requerimento do Deputado Federal Luiz Alberto (PT/BA). É a primeira vez que a questão será tratada como tema principal nesta CPI. Alguns dados foram apresentados por outra(o)s convidada(o)s em relação ao perfil da maioria que morre por causa de homicídios: jovens, negros, na faixa etária entre 15 e 24 anos. Entretanto, o debate desta realidade como foco prioritário acontecerá nesta Audiência. CONVIDADA - Vilma Reis é mestra em Ciências Sociais no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH/UFBA), onde defendeu a Dissertação "As políticas de Segurança ...

Leia mais
Vilma Reis: As lutas que começam com aquelas que estão supostamente vencidas

Vilma Reis: “Os lugares mais privilegiados estão sob controle da ‘branquitude’”

Leia trechos inéditos da entrevista com a socióloga Vilma Reis, uma das coordenadoras do Ceafro/Ufba e presidente do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra: Fonte: A Tarde - avó, >> A infância em Nazaré das Farinhas Nasci no bairro de Marechal Rondon, em Salvador, e com dois anos fui para Nazaré das Farinhas. Me criei no Recôncavo com aquele orgulho todo das famílias negras de lá. Fui criada por uma mulher muito forte, a minha avó. Ela já havia criado 13 filhos e depois criou mais oito netos, por conta das interrupções impostas pelo racismo a seus filhos homens. Meu pai era ferroviário e sofreu um acidente na linha férrea. Ele saiu do hospital e assinou uma série de documentos que o fez perder muitos direitos trabalhistas. Ele não aguentou a pressão e foi parar no sanatório. Por isso fui para Nazaré. A minha vó é pra mim o principal ...

Leia mais
vilma

Racismo Brasil: Uma Pilha de Cadáveres Negros

- Por: Vilma Reis* - Fonte: OPINION ARGENTINA - Djair Santana de Jesus, negro, 16 anos, estudante do ensino fundamental, com mãe negra chefa de família, foi assassinado pela Polícia Militar da Bahia, na comunidade do Alto da Esperança, na região das Sete Portas, sob a acusação de ter trocado tiros com os policiais da ROTAMO. As mulheres que protestaram a sua morte foram covardemente espancadas e sua tia, dona Jaciara Santana, foi baleada nas nádegas. Toda a comunidade presenciou, com medo e tristeza, o sorriso sinistro e jocoso do policial atirador. Mais uma ocorrência rotineira em Salvador, segunda maior cidade negra do planeta, onde ser negro ainda é sinônimo de perigoso, indesejável, fora do lugar e, fundamentalmente, descartável. Acompanho as ações das polícias na Bahia, desde a Operação Beirú, em 1996, quando o chamado "modelo de tolerância zero ao crime" foi a política de segurança pública dos senhores dos ...

Leia mais
Página 2 de 2 1 2

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist