TEMA EM DISCUSSÃO: O STF e o sistema de cotas

Por: FREI DAVID SANTOS

Mais de 1600 instituições superiores de ensino particular já adotaram cotas para negros através do ProUni. Os cotistas estão com média acadêmica superior aos que pagam suas mensalidades! A Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.330, em julgamento no STF, vai revelar esses dados de sucesso. Por que este grande sucesso? E a imprensa, por que não dá espaço para se debater os motivos desta vitória inesperada?Nas universidades públicas não é diferente. No julgamento no STF da ADPF 186 e do Recurso Extraordinário 597.285, contra a inclusão de critérios étnico-raciais, vamos provar que na UnB, UFRGS e em mais de 180 instituições superiores públicas os cotistas estão atingindo médias acadêmicas superiores aos eternos privilegiados da classe média, que podem pagar escolas e cursinhos caros!

Com as cotas, estimamos que, em cinco anos, foram incluídos mais negros nas universidades do que nos 500 anos anteriores! No vestibular entram com notas baixas e, após um ano, tendo acesso à mesma estrutura educacional, os cotistas estão dando um belo show! Há o racismo institucional do Estado brasileiro, que precisa ser refletido e enfrentado. As instituições particulares não ficam para trás, infelizmente. Vejam, por exemplo, a pesquisa do Instituto Ethos sobre “As 500 maiores empresas do Brasil e a inclusão”. Os dados são vergonhosos para uma nação tão fantástica como a nossa! Brancos e negros iremos dar as mãos e iremos mudar esta realidade!

O DEM atirou no que viu e está acertando no que não viu: no sistema injusto e arcaico chamado de “vestibular”. Ele foi usado, até então, como barreira para dizer até onde o negro poderia ir. O vestibular foi desmascarado com as cotas. Um exemplo que desacredita o atual vestibular está na primeira pesquisa de desempenho acadêmico da UnB com os cotistas, na época concluinte da primeira turma: atingiram média acadêmica quase 30% acima dos “não-cotistas”! Por que a imprensa não informa estes dados positivos à sociedade?

As universidades que adotam cotas estão apenas colocando em prática o artigo 3º da nossa Constituição: construir, garantir, erradicar, promover são linguagens verbais que indicam ação, movimento, um compromisso, um fazer! O vestibular seleciona os já selecionados: os que têm dinheiro no bolso para fugir do péssimo sistema público de ensino fundamental e médio e não precisam trabalhar e estudar ao mesmo tempo! Em suma, o vestibular é a principal engrenagem, hoje, que perpetua a exclusão.

A justiça se aproximará do seu ideal quando definirmos as cotas de outra forma: que a percentagem máxima de ingressos de alunos provenientes da rede particular de ensino seja a mesma dos que terminam o ensino médio: 12%. Com isso, automaticamente definiremos que 88% das vagas seriam destinadas aos alunos da rede pública! Esta atitude irá revolucionar a rede pública.

O que explica este esplêndido desempenho dos cotistas? O professor Michael J. Sandel, de Harvard, explica em seu livro “Justeice” que o sucesso vem da capacidade destes jovens negros e brancos pobres de aproveitar com entusiasmo as oportunidades. A visão de Sandel é revolucionária! Assim que a juventude brasileira descobrir Sandel, vai reencontrar o sentido de lutar por um mundo melhor! Ele é o Francisco de Assis que escolheu como espaço de atuação o mundo acadêmico!

FREI DAVID SANTOS é fundador da organização não governamental Educafro.

 

 

Fonte: O Globo 

+ sobre o tema

Uerj investiga denúncias de fraude no sistema de cotas

Universidade abre nove sindicâncias; ONG alerta para falsidade na...

Jandira celebra votação contra ‘autos de resistência’

A deputada Jandir Feghali (PCdoB-RJ comemorou o acordo para...

Relatório da Anistia Internacional mostra violência policial no mundo

Violência policial, dificuldade da população em acessar direitos básicos,...

para lembrar

Ferdinand diz não respeitar Blatter e Platini por passividade com o racismo

  BERLIM, 13 Jun 2012 (AFP) -O zagueiro inglês Rio...

Datafolha e Abolição: Por que rejeição a Bolsonaro é maior entre os pretos

Os números são atuais, mas se conectam a um...

Asfixia, a síntese do Brasil

Em meados de julho de 2020 surgiu a notícia...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=