Três ex-policiais de Mineápolis são julgados por morte de George Floyd

Enviado por / FonteBrasil 247

Promotores da divisão dos direitos civis do Departamento de Justiça dos EUA buscaram convencer o júri que os homens deliberadamente falharam em ajudar Floyd

ST. PAUL, Mineápolis (Reuters) – Um júri ouviu nesta segunda-feira (24) os discursos de abertura em um julgamento federal de direitos civis de três ex-policiais de Mineápolis que participaram da morte sob custódia de George Floyd.

Tou Thao, J. Alexander Kueng e Thomas Lane foram acusados de violarem os direitos civis de Floyd durante a prisão do homem negro e algemado de 46 anos em uma rua no lado de fora de um supermercado de Mineápolis em 2020, cujo vídeo gerou protestos nas ruas contra racismo e brutalidade policial no mundo inteiro.

Ano passado, o antigo colega deles, Derek Chauvin, 45, foi declarado culpado de assassinato na morte de Floyd ao fim de um julgamento estadual televisionado para todo país, em abril de 2021, e um juiz de Minnessota o sentenciou a 22 anos e meio na prisão.

Chauvin, que é branco, também foi acusado ao lado de seus colegas por promotores federais por ter violado os direitos civis de Floyd na posição de policiais. Chauvin mudou sua declaração para culpado em dezembro. Thao, Kueng e Lane, que podem ficar anos na prisão se forem condenados, se declararam inocentes.

Promotores da divisão dos direitos civis do Departamento de Justiça dos EUA buscaram convencer o júri que os homens deliberadamente falharam em ajudar Floyd quando ele estava inconsciente enquanto Chauvin se ajoelhava sobre seu pescoço. A acusação diz que uma pessoa sob custódia tem o direito a “ser liberto da indiferença deliberada de um policial pelas suas sérias necessidades médicas”.

Thao e Kueng encaram mais uma acusação, que diz que eles deliberadamente falharam em impedir Chauvin de usar força excessiva contra Floyd, caído e algemado, violando o direito de Floyd de ser livre de uma apreensão inadequada.

Após o julgamento federal, os três homens ainda serão julgados em nível estadual por terem contribuído para o assassinato de Floyd.

+ sobre o tema

A educação antirracista não pode mais esperar

Comemoram-se neste ano duas décadas e os 15 anos das leis 10.639/2003 e 11.645/2008,...

Meu cabelo não é ruim! por Sou Yawo

Até quando? Posted by Sou Yawo on Domingo, 29 de novembro...

Carrefour: Reconstituição do caso Januário acontece nesta 2ª feira

Osasco/SP - A delegada Rosângela Máximo da Silva, do...

Sentença-relâmpago na Bahia absolve policiais por mortes do Cabula

Numa decisão com rapidez inusual para os padrões da...

para lembrar

Alunos de colégio em Brasília sofrem ataques racistas em torneio de futsal

A Escola Franciscana Nossa Senhora de Fátima afirma que...

‘Quando cheguei, descobri o que era ser negra’: como africanos veem o preconceito no Brasil

Formada em Letras, a africana de Guiné-Bissau Nádia Ferreira,...

Mahershala Ali: “Um negro só vive tranquilo quando é famoso”

Indicado ao Oscar por 'Green Book' estrela a terceira...
spot_imgspot_img

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...
-+=