Um samba de cor e de protesto

A literatura, inclusive a dos enredos, é o cimento que solidifica o mar de poesia

“Eu aprendi o português, a língua do opressor / Pra te provar que meu penar também é sua dor.” Com versos tão cortantes quanto o garimpo ilegal, o Salgueiro, com o samba-enredo “Hutukara”, derramou na avenida a história do povo yanomami. Davi Kopenawa, liderança yanomami e escritor do brilhante “A Queda do Céu”, que inspira o enredo, desfilou.

Não foram os únicos a colocar no centro narrativas africanas e indígenas. Mitos tupinambás levaram a Grande Rio a desfilar a obra “Meu Destino é Ser Onça”, de Alberto Mussa. Viradouro, a ganhadora, desfilou o enredo “Arroboboi, Dangbé”, trazendo à avenida a tradição religiosa da costa ocidental do continente africano.

Portela desfila com enredo inspirado no livro “Um Defeito de Cor”, de Ana Maria Gonçalves – Foto: Ricardo Moraes/Reuters

De protesto e de literatura igualmente se vestiu na Sapucaí a Portela. O samba-enredo “Um Defeito de Cor”, nome da obra magistral de Ana Maria Gonçalves, colocou na passarela do samba a centralidade ancestral da mulher preta. “Tal a história de Mahin / Liberdade se rebela / Nasci quilombo e cresci favela”, canta o enredo, tecendo elos entre as revoltas escravas, o quilombo como território de resistência e a favela.

Foi acertada a inclusão na Portela de mulheres vítimas da violência, entre elas Marinete Silva, mãe de Marielle Franco, e Jackeline Oliveira, mãe de Kathlen Romeu. São as mulheres pretas e periféricas como elas que carregam nas costas o movimento contra o extermínio, são elas o norte dos movimentos negros. “Me embala, ô Mãe, no colo da saudade / Pra fazer da identidade nosso livro aberto”, enuncia poeticamente o enredo.

Não é a literatura que dignifica o samba; pensá-lo é elitismo. Ambos são mutuamente oriundos da melhor matéria-prima da poesia: as ruas. Kopenawa sente o cheiro do antigo céu, que desabou, no chão da floresta. Gonçalves e Mussa observam, com registros históricos, a vida a partir dos olhos das ruas. Samba emana da avenida e dela transborda; a literatura, inclusive a dos enredos, é o cimento que solidifica o mar de poesia para tudo não acabar na quarta-feira.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Ana Maria Gonçalves: Carta aberta ao governador Rui Costa, da Bahia

Carta aberta ao governador Rui Costa, da Bahia Por Ana...

Casos de racismo, sexismo e homofobia chegam a 331 durante o Carnaval de Salvador

Segundo relatório parcial do Observatório da Discriminação Racial, foram...

9 diferença entre “paquera” e “assédio” para usar neste carnaval

Beijos à força, puxões no cabelo, passadas de mão...

A força do tambor feminino

O bloco de carnaval formado por 250 mulheres para...
spot_imgspot_img

Chega a São Paulo Um defeito de cor, exposição que propõe uma revisão historiográfica da identidade brasileira por meio de uma seleção de obras em...

De 25 de abril a 1º de dezembro, o Sesc Pinheiros recebe "Um Defeito de Cor". Resultado da parceria entre o Sesc São Paulo...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba do país, vai homenagear o cantor e compositor Milton Nascimento no carnaval de 2025. A...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...
-+=