Usain Bolt: 9 curiosidades sobre os 9 ouros do mito em Olimpíadas

A lenda jamaicana do atletismo diz ter se despedido dos Jogos no Rio de Janeiro

no Terra

Usain Bolt conquistou na noite de sexta-feira o que ele alega ser seu último ouro olímpico. No revezamento 4×100 m, se tornou tricampeão em três provas, sendo ouro nos 100 m, 200 m e 4×100 m em 2008, 2012 e 2016. A despedida perfeita para o maior e mais veloz corredor de todos os tempos.

O que resta para se contar sobre as participações olímpicas de Bolt? Existem histórias além dos ouros? Existem. Abaixo, o LANCE! separou nove curiosidades sobre as campanhas olímpicas que renderam nove ouros ao raio:

usain bolt3

Correu menos de 8 minutos olímpicos 

Bolt corre as provas mais curtas do atletismo. Assim, o tempo que passa realmente disputando provas é muito baixo. Somando suas quatro participações olímpicas (ele disputou as eliminatórias dos 200 m em 2004), ele não correu nem sete minutos. Como não há medição exata dos tempos feitos no revezamento, já que não é feita a largada do modo tradicional e há passagem de bastão, não é possível afirmar exatamente o tempo – mas, se somados aos seus tempos individuais as marcas completas dos revezamentos, Bolt participou de provas que, somadas, demoraram 7 min 33s para terminar.

2004, a estreia 

Em Atenas-2004, Bolt chegou à Grécia com 17 anos e o segundo melhor tempo da temporada nos 200 m: 19s93. Mas, tendo sofrido uma distensão na parte posterior de sua coxa pouco antes dos Jogos, correu mal: fez 21s05 em sua eliminatória e foi eliminado. É sua única derrota em Olimpíadas.

Derrota em bateria

Ou quase isso. Na verdade, Bolt só não atravessou a linha de chegada na frente em Olimpíadas naquela prova em 2004 e também em uma eliminatória em Pequim-2008. Na quinta bateria da primeira fase dos 200 m, terminou em 2°, atrás de Rondel Sorrillo, de Trinidad e Tobago. Sorrillo acabaria eliminada na fase seguinte, enquanto Bolt seguiu para o ouro com recorde mundial.

2016 Rio Olympics - Athletics - Semifinal - Men's 200m Semifinals - Olympic Stadium - Rio de Janeiro, Brazil - 17/08/2016.    Usain Bolt (JAM) of Jamaica leads during the race. REUTERS/Edgard Garrido   FOR EDITORIAL USE ONLY. NOT FOR SALE FOR MARKETING OR ADVERTISING CAMPAIGNS.
2016 Rio Olympics – Athletics – Semifinal – Men’s 200m Semifinals – Olympic Stadium – Rio de Janeiro, Brazil – 17/08/2016. Usain Bolt (JAM) of Jamaica leads during the race. REUTERS/Edgard Garrido FOR EDITORIAL USE ONLY. NOT FOR SALE FOR MARKETING OR ADVERTISING CAMPAIGNS.

Três recordes mundiais 

Dos nove ouros, quatro foram conquistados com recordes mundiais batidos por Bolt. Em Pequim-2008, fez a melhor marca do mundo nos 100 m (9s69), 200 m (19s30) e no revezamento 4×100 m (37s10). Em 2012, o último recorde em Jogos: 36s84 com o revezamento jamaicano.

De equipe, mas nem tanto 

Bolt é o líder do time jamaicano no revezamento, mas nunca correu uma bateria eliminatória da prova – sempre apareceu só para a final. Além disso, em 2008 não fechou a prova, dando a honra para Asafa Powell.

Nuggets

O recorde mundial dos 100 m que Bolt bateu em 2008 teve “combustível” curioso. Ele revelou em biografia que a única alimentação que teve no dia da decisão foram nuggets de frango. Com uma soneca no meio. Além disso, fez a marca corrrendo com os cadarços desamarrados.

200 m, não à toa sua prova preferida

Usain Bolt já declarou diversas vezes que os 200 m são sua prova preferida. E em 2012, quando conquistou o bicampeonato, se tornou o primeiro na história a ser bi na prova.

Tricampeão de tudo 

No Rio de Janeiro, ele se tornou o primeiro tri dos 100 m, tri dos 200 m e tri do revezamento 4×100 m. Nenhum outro membro das equipes jamaicanas que venceram os revezamentos esteve presentes nos três ouros – só Bolt.

O ouro com “falha” 

As aspas deixam claro que é apenas uma figura de linguagem. Mas o fato é que o último ouro individual de Bolt em Jogos Olímpicos veio na única vez que ele não melhorou o tempo conquistado em sua prova anterior. Em todos os títulos nos 100 m, ele melhorou a marca das eliminatórias para a final. Nos anteriores dos 200 m, também. Mas, no Rio, ele fez o mesmo tempo da semifinal na decisão: 19s78. Não por acaso, a final de 2016 foi a única sob chuva.

+ sobre o tema

Esta ciranda quem me deu foi Lia que mora na Ilha de Itamaracá

O jornal The New York Times a chamou de...

Denzel Washington é homenageado no Globo de Ouro 2016

Tom Hanks, que contracenou com ele em 'Filadélfia', entregou...

Ele se inspirou na série favorita para bolar o jeito mais criativo de procurar estágio

O forte do brasileiro, sem dúvida, é a criatividade....

para lembrar

UnB reúne escritores para debate sobre racismo e ‘democracia racial’

Evento conta com 11 autores da literatura negra brasileira Debate...

Homenagem a escravos silencia carnaval de Recife

  Meia-noite de terça-feira (16/2) de carnaval em...

Cris Vianna não quer posar nua

Assim como sua personagem em Fina Estampa, a quituteira...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=