V Semana de Reflexões Sobre Negritude, Gênero e Raça

Pesquisadores da temática racial de todo o país chegam a Brasília em 20 de novembro

 

Enviado por Iris Cary para o Portal Geledés 

unnamed

 

Cerca de 300 pesquisadores de graduação e pós-graduação de todo o país estarão em Brasília a partir de 20 de novembro para participar do simpósio que acontece durante a V Semana de Reflexões sobre Negritude, Gênero e Raça.

 

O maior contingente de participantes é ligado a universidades do Distrito Federal, seguido de Rio de Janeiro, Goiás, Bahia, São Paulo e Minas Gerais. Mas há inscritos do Amapá, Amazonas, Roraima, Pará, Amazonas, Paraná, Alagoas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

Segundo o professor do IFB, Glauco Vaz Feijó, integrante da equipe organizadora do V SERNEGRA, esta será uma oportunidade privilegiada de troca de saberes. “Parte trabalhos selecionados se alinham ao pensamento decolonialista de Frantz Fanon, já que o Sernegra deste ano pretende dar ênfase ao debate decolonial e a sua potência para o enfrentamento da questão racial”, explica.

 

As 32 seções temáticas abordam diferentes áreas do conhecimento, como: arte, educação, novas tecnologias, literatura, história, audiovisual, saúde, sociologia, análise de discurso, dança, quilombismo, mídia, infância, epistemologia.

 

Para assistir às comunicações orais, basta se inscrever como ouvinte em https://doity.com.br/vsernegraifb.

 

Convidados – Além da socióloga norte-americana Patrícia Hill Colins, o V SERNEGRA terá a participação da pedagoga Vera Candau, professora emérita do Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Reconhecida como uma das principais especialistas da América Latina no estudo de direitos humanos e multiculturalismo, Vera é autora de vários livros que estimulam a reflexão sobre identidade e discriminação no ambiente escolar. Ela fará conferência no dia 23, às 16h, sobre “Escola e pedagogia na perspectiva decolonial”, ao lado do professor da Universidade de Brasília, Wanderson Flor, especialista no ensino de filosofia. A mediação será de Adilson César de Araújo, pro-reitor de Ensino do IFB.

 

Outra presença ilustre no V SERNEGRA é a do  colombiano Adolfo Albán Achinte. Pintor e doutor em Estudos Culturais Latino-Americanos, ele é atualmente chefe do Departamento de Estudos Interculturais da Universidade de Cauca. Suas pesquisas em torno da pedagogia de resistência, abrangem das artes plásticas à gastronomia. Adolfo fará conferência no dia 22 de novembro, às 9h30, ao lado do professor Nelson  Inocêncio, do Departamento de Artes da Universidade de Brasília, com mediação da professora do IFB, Larissa Ferreira Regis Barbosa, na discussão sobre “A arte desde uma perspectiva decolonial”

+ sobre o tema

DPU apura denúncia de racismo em agência da Caixa Econômica em Lauro de Freitas

Em denúncia, cliente diz que foi impedido de entrar...

CPI que investiga violência contra os jovens negros e pobres realiza visita em São Paulo

Será realizada uma audiência pública na Assembleia Legislativa de...

“Focus” e “Süddeutsche” são acusados de racismo e sexismo

Revista semanal mostra mulher nua que foi agredida por...

para lembrar

O golpe de 2022 será com armas

Com ironia, aqui vai um alerta de gatilho (literalmente):...

Consulta Pública sobre mortes em conflitos policiais

CDDPH disponibiliza para consulta pública proposta para abolir o...

Sorriso amarelo e a luta antirracista OU os tamagotchis da branquitude

No dia 25 de maio de 2020, Derek Chauvin...
spot_imgspot_img

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...
-+=