Velório de Tyre Nichols nos EUA é marcado por emoção e raiva contra a violência policial

Enviado por / FonteG1

Tyre Nichols, de 29 anos, foi detido em Memphis no dia 7 de janeiro por membros de uma unidade especial da polícia, que o acusou por uma infração de trânsito. Três dias depois, ele morreu devido aos ferimentos causados pelos policiais.

Participantes do funeral de Tyre Nichols, o afro-americano que morreu após um espancamento policial, condenaram a violência institucional que tirou a vida do jovem. A cerimônia aconteceu nesta terça-feira (1º) em uma igreja na cidade de Memphis, nos Estados Unidos.

Kamala Harris, a vice-presidente dos EUA, esteve presente. Ela abraçou a mãe de Nichols por um longo tempo e criticou os policiais negros que espancaram Tyre mesmo quando ele pedia para ser socorrido aos berros.

“Ele não tinha o direito de estar seguro? Aqui está uma família que perdeu seu filho e seu irmão em um ato violento” perpetrado por pessoas encarregadas de protegê-los, e esse ato violento não visava garantir a segurança pública, disse Kamala à multidão.

Nichols era “uma boa pessoa, uma bela alma, um filho, um pai, um irmão, um amigo, um ser humano que partiu cedo demais”, afirmou o reverendo J. Lawrence Turner em seu discurso de abertura na Igreja Cristã Mississippi Boulevard. Ele também falou sobre a violência policial que afeta particularmente a população negra nos EUA.

Parentes de outras vítimas

Um dos presentes era o irmão de George Floyd, outro homem negro que morreu por causa da ação de policiais —em 2020, um policial branco pressionou o pescoço de Floyd com o joelho até que ele morresse asfixiado; após a morte, os EUA foram tomados por manifestações contra o racismo.

Também compareceu a mãe de Breonna Taylor, mulher negra de 26 anos, morta a tiros pela polícia em seu apartamento no Kentucky em 2020, que virou um ícone do movimento “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam).

O reverendo Al Sharpton, uma figura da luta americana pelos direitos civis, fez a oração fúnebre.

Entenda o caso

Nichols, de 29 anos, foi detido em Memphis no dia 7 de janeiro por membros de uma unidade especial da polícia, que o acusou por uma infração de trânsito. Três dias depois, ele morreu devido aos ferimentos causados pelos policiais.

Todo o procedimento policial foi gravado pelas câmeras acopladas aos uniformes do agentes e pelas câmeras de segurança pública da cidade.

Os vídeos deixam evidentes a violência brutal com socos, chutes, golpes de cassetetes, gás de pimenta e uma arma de choque. Em nenhum momento Nichols parece tentar agredir os policiais. Ele tenta fugir e é pego.

Os cinco policiais envolvidos – todos negros – foram demitidos e enfrentam acusações por homicídio doloso. Dois outros agentes foram suspensos, assim como três bombeiros.

Após o ocorrido, a polícia de Memphis desmantelou a unidade de polícia responsável pela morte, que havia sido criada em novembro de 2021 com a intenção de reduzir a atividade ilegal em pontos críticos da cidade.

Pedidos de mudanças

Após a morte de Nichols, foram registrados protestos exigindo mudanças drásticas nas forças policiais nos Estados Unidos. As autoridades temem que as manifestações adquiram caráter violento, como após a morte de George Floyd, embora tenham sido pacíficas até o momento.

A presença da vice-presidente Harris enfatiza o impacto político deste novo caso de brutalidade policial. O próprio presidente americano, Joe Biden, se declarou “indignado e profundamente triste” pelas imagens da abordagem dos agentes e falou com a família de Nichols para saudar sua “valentia e força”.

Biden planeja se reunir com os membros da Coalização Negra do Congresso americano na Casa Branca para debater uma legislação que permita uma reforma policial, segundo um porta-voz da Casa Branca.

+ sobre o tema

Artemisa Candé fala sobre identidade e movimento negro, racismo e luta contra o preconceito

Filha de professores, a guineense Artemisa Candé chegou ao...

Estudante Negro da UFRJ é coagido a sair de ônibus universitário

Por Chico Motta     Na terça-feira dia (26/02) , às 22h,...

21 de março é Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial; entenda significado

A Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou, em 1966, a data...

As causas dos distúrbios no Reino Unido

  Da decadência moral à exclusão social, passando...

para lembrar

Flávia Oliveira: ‘Glória Maria foi corajosa ao ousar ser um corpo negro feminino no jornalismo de TV’

A despedida de Glória Maria encerra um capítulo glorioso do jornalismo...

SEPPIR: Semana Nacional da Consciência Negra

  Lançamento da campanha Novembro pela Igualdade Racial e a...

Gentili, sua assistente negra e o apresentador de TV demitido por racismo nos EUA

A Univisión, maior rede de TV hispânica nos EUA,...

MC Soffia é alvo de racismo nas redes

A rapper de 13 anos, conhecida por suas músicas...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=