Vôlei brasileiro tem denúncias de racismo em dias consecutivos, e atletas cobram confederação

Jogadoras e técnico relatam ofensas em partidas feminina e masculina da Superliga B

A Superliga B, segunda divisão da principal competição de vôlei do país, registrou duas denúncias de racismo na última semana —uma na disputa feminina e outra na masculina. Os casos são investigados pela CBV (Confederação Brasileira de Voleibol), enquanto atletas pedem por punição.

Na sexta-feira (26), três jogadoras do Tijuca Tênis Clube, do Rio de Janeiro, declararam ter escutado sons de macaco vindos da torcida do Curitiba Vôlei durante partida na capital paranaense. Após o encontro, a central Dani Suco, a ponteira Camilly Ornellas e a levantadora Thaís Oliveira gravaram vídeo relatando o ocorrido.

“Era o segundo set, teve um rali, nós ganhamos, e eu fui para o saque. No momento em que eu estava batendo a bola, escutei, em alto e bom som, barulhos de macaco mesmo”, disse Dani. “Não acreditei, olhei para trás e vi que eram muitas pessoas, mas não consegui identificar ninguém. Quando eu saí da quadra, perguntei para as meninas se elas tinham escutado, e disseram que sim”, continuou.

O Curitiba diz ter solicitado abertura de inquérito policial para apuração minuciosa dos fatos.

Cabe à CBV, porém, incitar qualquer punição esportiva ao mandante pela atitude da sua torcida. A entidade afirmou à Folha que está fazendo o levantamento de imagens do jogo, além de analisar súmula, relatório do delegado da partida e manifestações de atletas e clubes envolvidos.

“O material está sendo encaminhado aos órgãos competentes para serem tomadas as medidas cabíveis no âmbito esportivo e perante o poder público e demais instâncias”, explicou a confederação. O caso pode ser levado ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) e ao Comitê de Ética do COB (Comitê Olímpico Brasileiro).

Nesta terça-feira (30), representantes da CBV irão ao Tijuca ouvir envolvidos a fim de reunir mais informações sobre o caso. O clima no clube, que se posicionou a favor das vítimas, é de perplexidade. Comissão técnica e atletas dizem estar abalados.

EM POUCAS HORAS, MAIS UMA DENÚNCIA

No sábado (27), foi a vez de a competição masculina ter seu relato de racismo. Durante partida em Goiânia entre Goiás e América-RN, o técnico da equipe potiguar, Alessandro Fadul, interrompeu a disputa de um dos pontos para informar ter sido chamado de macaco por um espectador.

A atitude do profissional irritou o árbitro, que o apresentou um cartão vermelho. No esporte, a punição representa um ponto para o adversário.

O homem acusado por Fadul não foi retirado do ginásio, e a Associação Esportiva Vôlei Pró, mantenedora do time goiano, negou ter havido qualquer tipo de injúria. “Diante do que foi apurado, não houve o alegado fato envolvendo insultos racistas por parte de um torcedor”, divulgou em nota.

Sobre o caso, a CBV disse aguardar um posicionamento oficial do América e de seu comandante para seguir os devidos trâmites. Sem sucesso, a reportagem tentou contato com a equipe por email e por telefone.

A comunidade do vôlei, em especial atletas negros, tem emitido manifestações sobre as denúncias surgidas na Superliga B e questionaram sobre punições, alfinetando a confederação. Fabiana Claudiano, central bicampeã olímpica, publicou vídeo no Instagram dizendo ser inadmissível nada ter sido feito quando as ofensas foram percebidas.

“Estamos cansadas de notas de esclarecimento no dia seguinte e de um crime não ter a devida importância e investigação. Até quando, hein? Toda a solidariedade às vítimas e todo o meu repúdio aos responsáveis que sempre se omitem quando o assunto é crime de racismo. Chega!”, declarou ela.

Serginho, líbero histórico da seleção masculina, também se pronunciou na mesma rede social. “Prisão para os racistas”, escreveu. “Impressionante como a impunidade faz com que essas atitudes criminosas aconteçam”, opinou também Fernanda Garay, ponteira com três participações olímpicas e duas medalhas no currículo.

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Nasa envia pela primeira vez uma mulher negra americana para estação espacial

A Nasa está enviando pela primeira vez uma astronauta...

Porteiro preso há 3 anos em investigação com erros é solto

O porteiro Paulo Alberto da Silva Costa, de 37...

Para não esquecer

A polêmica sobre a intenção de se criar um...

Secretária da Igualdade Racial quer aumentar cota racial em concursos

A socióloga Márcia Lima, secretária nacional de Ações Afirmativas...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=