‘Vou sempre apoiar e incentivar diretores negros’,diz Spike Lee

Spike Lee venceu o Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes ano passado, com “Infiltrado na Klan”, filme que rendeu sua primeira indicação ao Oscar de melhor diretor. Apesar de lançar a maioria dos seus trabalhos no festival francês, é no concorrente direto da Riviera, o Festival de Veneza, que ele vem apresentar seus projetos alternativos.

Por Janaina Pereira, do Hypeness

Spike Lee. (Foto: Getty Images)

Na 76 edição de Veneza, o cineasta americano lançou “American Skin”, documentário sobre racismo dirigido por Nate Parker. Em entrevista ao Hypeness, Lee contou porque se colocou a frente do projeto. “Vou sempre apoiar e incentivar os diretores negros”, disse.

Ele acrescentou que é amigo de Parker, e jovens cineastas precisam de um mentor. “Fazia muito, muito tempo que não me emocionava com um projeto. E quando Nate me contou do filme, que ele estava escrevendo e produzindo sozinho, eu quis ajudar. Lançar aqui em Veneza é importante, e vim apresentar “American Skin” para dar mais força, assim as pessoas vão ver esse documentário e se emocionar como eu”.

O apoio de Spike Lee a Nate Parker também passa por um assunto delicado: em sua estreia nos cinemas, em 2017, Parker conquistou o prêmio no Festival de Sundance com o filme “Birth of Nation”. Aclamado e prestigiado, estava cotado ao Oscar no ano seguinte. No meio do caminho, acusações de que ele estuprou uma jovem quando era mais jovem caíram na mídia, e “Birth of Nation” não só saiu da disputa do Oscar, como também teve sua distribuição mundial prejudicada.

Lee não quis comentar as acusações que recaem sobre seu pupilo Nate Parker. O cineasta preferiu mudar o assunto e atacou o presidente americano Donald Trump. “Aquele homem, e eu me recuso a dizer o nome dele, arrancou crianças dos braços de suas mães, trancou em gaiolas e não se preocupou até hoje em reunir essas famílias novamente”.

Na opinião de Spike Lee, negros, mulheres e imigrantes estão na mesma situação em boa parte do planeta, especialmente nos Estados Unidos: fazem parte de um grupo preterido pelos líderes mundiais. “O presidente de um país tem uma posição de liderança. Ele deve inspirar um povo. No caso do meu país, o presidente é um louco”, finalizou.

+ sobre o tema

Em entrevista , Milton Nascimento lembra momentos marcantes

Milton Nascimento adianta detalhes do show que fará na...

Beyoncé lança teaser completo da turnê Mrs. Carter Show

Puro luxo. O teaser completo para promover a nova...

“Estatísticas servem para tudo, menos para igualdade racial”, diz ministra Luiza Bairros

Rachel DuarteEles representam mais de 50% da população brasileira,...

Conheça o trabalho dos grupos Bumba Maria Meu Boi e Samba das Sete Mulheres

Grupos formados só por mulheres usam arte como ferramenta...

para lembrar

Uneafro reúne centenas e recebe Lázaro Ramos em Guaianases

A Uneafro Brasil realizou neste último sábado, 2 de...

ONG Favela Mundo recebe peça Histórias da Mãe África

Evento procurará empoderar crianças e adolescentes atendidos pela ONG...

Djavan lança álbum ao vivo com registro de show feito há 25 anos na Suíça

Em 5 de julho de 1997, Djavan subiu ao palco do...

Spotify abre inscrições para projetos musicais de mulheres

Edital faz parte da Casa da Música Escuta as...
spot_imgspot_img

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Gilberto Gil é homenageado na Uerj por contribuições culturais ao país

Cantor, compositor, escritor, produtor musical, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro da Cultura. Dono de vários talentos e posições, Gilberto Gil ganhou nesta...
-+=