Agora é com eles – Promotoras Legais Populares da Restinga convocam os homens para falar sobre violências contra as mulheres

A rede de enfrentamento contra a violência de gênero ainda é composta, em sua maioria, por profissionais homens. São policiais, escrivães, peritos, delegados, promotores, juízes, entre outros que trabalham desde o primeiro momento da denúncia. Para saber o que eles pensam sobre os diferentes tipos de agressões sofridas pelas mulheres, as Promotoras Legais Populares do bairro Restinga realizam a atividade “A violência contra as mulheres na boca dos homens”, no próximo dia 23, às 18h, Centro de Promoção da Infância e da Juventude (CPIJ-Rua Mississipi, 130, Restinga). A atividade tem o apoio da ONG Themis – Gênero, Justiça e Direitos Humanos.

Do Themis

Segundo a organização do evento, a proposta é debater sobre as melhorias que independem de orçamento para fazer a rede funcionar de acordo com a teoria.  As promotoras Legais Populares também ressaltam que uma mulher em situação de violência precisa em primeiro lugar se sentir amparada. “Para acolher é preciso escutar sem julgar e estabelecer uma comunicação não violenta com a vítima. Infelizmente isso não é uma realidade constante. Daremos a oportunidade destas instituições falarem quais os projetos de qualificação de atendimento e como nós poderemos ajudar nesse trabalho”, pontua a PLP Maria Guaneci Marques de Ávila.

A mesa será composta por representantes da Brigada Militar, da Policia Civil, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Defensoria Pública do Rio Grande do Sul, Ministério Publico do Rio Grande do Sul, Secretaria Municipal de Saúde, Guarda Municipal, Conselheiro Tutelar, Assistência Social CRES, o Instituto Federal do Rio Grande do Sul (Ifet Restinga).

Serviço

Quando: 23 de Março de 2016

Hora: 18h

Onde: Centro de Promoção da Infância e da Juventude. CPIJ-Rua Mississipi, 130 – Restinga

Contato: Carmen Lúcia (51) 9580-6326 ou Maria Guaneci (51) 9295-5864

Texto: Rita Barchet
Assessoria de imprensa
(51) 9829-4609
Twitter: @themisONG
Facebook.com/Themis

+ sobre o tema

Primeira deputada negra do Brasil é reconhecida como doutora

Há reconhecimentos que custam a chegar. No caso de...

Gestores de promoção da igualdade racial discutem implementação do Sinapir

O tema será abordado através de videoconferência...

Sobre o que chamam “ideologia de gênero”

“O Estado Democrático de Direito precisa garantir os direitos à livre...

‘Se quiserem debater, que leiam’, diz Djamila Ribeiro sobre racismo

Para filósofa, deslegitimação de conceitos não é algo novo...

para lembrar

Racismo explícito: negras (in)confidências & rainha de Sabá – Por: Fátima Oliveira

"Negras (in)confidências – Bullying, não. Isto é racismo", livro...

Uma questão de gênero

A presença de mulheres como candidatas à vice-presidência nas...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=