Agosto Verde: Geledés destaca a luta contra o racismo na Primeira Infância e a necessidade de políticas específicas

Neste mês de agosto, dedicado à conscientização sobre a importância da Primeira Infância, Geledés Instituto da Mulher Negra retoma uma questão vital: a necessidade de combater a universalização e generalização das políticas públicas voltadas para os primeiros anos de vida. neste sentido, ressaltamos a ausência de discussões qualificadas sobre os efeitos e impactos do racismo, que abrange desde o nascimento até os 6 anos de idade, afetando o desenvolvimento de crianças negras, indígenas e quilombolas de maneira particular.

O cerne do problema reside na falta de abordagem específica do racismo nas políticas públicas direcionadas à Primeira Infância. É uma lacuna que prejudica o desenvolvimento saudável e pleno dessas crianças, perpetuando desigualdades desde o início de suas vidas. Geledés ressalta que essa realidade prejudicial só pode ser superada quando houver um entendimento aprofundado dos impactos do racismo nessa fase do desenvolvimento infantil.

O impacto almejado por essas iniciativas foca no fim do racismo, na construção, desenvolvimento, execução e avaliação das políticas públicas destinadas ao cuidado e educação das crianças. A luta não é apenas para criar políticas inclusivas, mas também para reestruturar as já existentes, garantindo que elas atendam às necessidades específicas das crianças negras, indígenas e quilombolas.

O projeto “Primeira Infância no Centro” de Geledés tem como objetivo incluir a discussão sobre a dimensão racial nas políticas públicas de primeira infância em vigor. Por meio do controle social e incidência política o Grupo Articulador vem desenvolvendo ações tanto a nível nacional quanto a partir das realidades locais e as políticas existentes (ou ausentes) em seus territórios.

Geledés Instituto da Mulher Negra destaca que o Agosto Verde é um momento crucial para sensibilizar a sociedade e os governantes sobre a necessidade de ações direcionadas e conscientes para combater o racismo desde a Primeira Infância. Ao fazê-lo, não apenas se promove um presente mais justo para essas crianças, mas também se constrói um futuro mais igualitário para toda a nação.

+ sobre o tema

para lembrar

Divulgado resultado de registro acadêmico presencial de cotistas no UFMG

Estão publicadas, na página Sisu UFMG, as listagens das matrículas...

Jovem da etnia poianaua é o primeiro indígena formado em antropologia pela UnB

O antropólogo Jósimo da Costa Constant, 27 anos, percebeu...

Universidades temem paralisação de atividades após bloqueios no orçamento

Em um momento delicado da campanha eleitoral, o bloqueio...

A escola que quer formar novos líderes nas periferias brasileiras

A Escola Comum é um projeto inédito, idealizado por...
spot_imgspot_img

Inscrições para o Enem 2024 terminam nesta sexta-feira (7)

Termina nesta sexta-feira (7) o prazo para realização das inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024. Os estudantes têm até 23h59...

Analfabetismo: Sul e Sudeste têm vantagem histórica, mas o futuro aponta para resultados mais promissores no Nordeste

Num intervalo de 11 dias, duas importantes pesquisas sobre analfabetismo foram divulgadas. Há três semanas, o Censo de 2022 do IBGE revelou o retrato do...

Geledés Retoma Roda de Diálogos com Meninas Negras em 2024 para fortalecer trajetórias educacionais

Geledés - Instituto da Mulher Negra retomou a iniciativa da Rodas de Diálogos com Meninas Negras em 2024, que vem se desenvolvendo desde 2023,...
-+=