Análise: Machado de Assis, o gênio na gaiola do racismo

Joaquim Maria Machado de Assis é um dos gênios da literatura brasileira, tendo contribuído na poesia, no romance, no conto, no teatro, na crônica e na crítica. Também liderou a criação da Academia Brasileira de Letras, sendo seu primeiro presidente. Sua figura ímpar cresce ainda mais quando lembramos seu contexto de vida. Autodidata, contou basicamente com seu talento, inteligência e garra pessoal para vencer na vida, sendo de família pobre, mestiço numa sociedade em que o racismo fechava portas e limitava caminhos.

Reafirmo a grandeza e a identidade afro-brasileira do escritor ante a narrativa parcial, toscamente condescendente, pela qual houve contribuição de escravizados e seus descendentes em áreas como culinária, formação do léxico, técnicas agrícolas, ritmos musicais, religião e capoeira. Com Machado de Assis, Lima Barreto, Maria Firmina dos Reis, Luiz Gama, André Rebouças, José do Patrocínio e tantos outros — para ficar apenas no século 19 e em poucos expoentes — a presença e o brilhantismo de afro-brasileiros ocorrem também em espaços de prestígio, reservados às elites escravocratas.

Não obstante, Machado de Assis foi um escritor afetado pela cultura racista. Em sua obra, o protagonismo negro é esquecido. Sabe-se que, naquela época, havia afro-brasileiros empreendedores e profissionais liberais, como o engenheiro André Rebouças, que era próximo da família imperial. Por outro lado, Machado chegou a elaborar tipos femininos complexos e interessantes, dando-lhes proeminência, malgrado o caráter machista e patriarcal da sociedade brasileira.

Na obra machadiana, porém, afro-brasileiros estão apenas nos lugares subalternos. São escravizados, alforriados, empregados domésticos, prestadores de serviço. Aliás, um e outro ganham nome. O paternalismo e a condescendência com que são tratados fixam padrão visto até hoje em nossas novelas. “Morava só; tinha um escravo da mesma idade que ele, e cria da casa do pai — mais irmão do que escravo, na dedicação e no afeto” (A mulher de preto in Contos fluminenses, p.65 — para todas as citações aqui: Ed. Globo, 1997). E ainda: “Raimundo, nove anos mais velho que o senhor, carregava-o ao colo e amava-o como se fora seu filho. Vendo-se livre pareceu-lhe que era um modo de o expelir de casa, e sentiu um impulso atrevido e generoso. Fez um gesto para rasgar a carta de alforria, mas arrependeu-se a tempo. […] Luís Garcia não dava ordem nenhuma; tinha tudo à hora e no lugar competente” (Iaiá Garcia, p.3).

Paternalismo imitado por alforriados. Prudêncio, liberto, compra um escravo para si, mas não tolera abusos e intervém para impedir um espancamento em plena via pública (Memórias Póstumas de Brás Cubas, Cap. 68). No conto Pai contra mãe (Relíquias de Casa Velha), faz-se boa contextualização da ambiência escravocrata. Certa descrição de traços psicológicos de um escravizado lembra-nos o que até recentemente dizia-se de mulheres vítimas de abusos físicos. “Há meio século, os escravos fugiam com frequência. Eram muitos, e nem todos gostavam da escravidão. Sucedia ocasionalmente apanharem pancada e nem todos gostavam de apanhar pancada” (id: p.3). Explicitarei os subentendidos: i) muitos escravos gostavam da escravidão; ii) alguns deles gostavam de apanhar. E castigos físicos não eram frequentes mas eventuais, o que contraria registros na literatura e fora dela.

Em Memórias Póstumas, há um tipo escroque. “O único fato alegado neste particular era o de mandar com frequência escravos ao calabouço, donde eles desciam a escorrer sangue; mas, além de que ele só mandava os perversos e os fujões, ocorre que, tendo longamente contrabandeado em escravos habituara-se de certo modo ao trato um pouco mais duro que esse gênero de negócio requeria e não se pode honestamente atribuir à índole original de um homem o que é puro efeito de relações sociais” (id.:p.175) Eis aí: (i) A perversidade associada ao escravizado, não ao torturador; (ii) Fugir à servidão é vício e não virtude; (iii) A escravidão como mero “negócio”; (iv) Pegar pesado com quem sai da linha é só “puro efeito de relações sociais”.

Que não se confunda criatura e criador é precaução básica. Que a prosa fique restrita a certos enfoques e tipos evidencia as limitações do escritor. Ora, já então Firmina dos Reis abordava a temática negra, e explorava a causa do momento. Pelo que vemos em seus escritos, Machado não cerra fileiras no movimento abolicionista, nem se irmana a expoentes afro-brasileiros e brancos ou à estudantada das Faculdades de Direito. Lamentavelmente, o que devia ser datado é crítica atualíssima, gaiola em que se encerram expoentes atuais de nossas literatura e teledramaturgia.

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

spot_imgspot_img

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...
-+=