Árbitro que assumiu ser gay volta a apitar e recebe ameaça de morte

Jesús Tomillero tem só 21 anos, mas já está abandonando o futebol pela segunda vez na carreira. E o motivo se repete: o preconceito, agora com ameaça de morte. Árbitro espanhol, ele virou manchete no primeiro semestre deste ano depois de assumir ser homossexual. Semanas depois, foi insultado por torcedores e decidiu se afastar dos campos.

Do Uol

Foram quase quatro meses longe do futebol, até que ele decidiu voltar a apitar para não se render às críticas de seus agressores. No entanto, logo em sua primeira partida, mais insultos homofóbicos, desta vez de outro árbitro de uma liga local da Andaluzia, durante jogo entre times sub-14.

A primeira agressão verbal aconteceu quando Jesús Tomillero marcou um pênalti. Ao ser ofendido, ele avisou as autoridades, que retiraram o agressor. Assim que o pênalti foi batido e desperdiçado, o mesmo homem voltou a atacar Jesús, que suspendeu a partida.

No vestiário, não bastassem as ofensas homofóbicas, o árbitro foi ameaçado profissionalmente. “Um homem se apresentou dizendo ser da federação e exigindo que eu continuasse o jogo, ameaçando que se não fizesse isso eu seria suspenso”, relatou ao El Confidencial.

Jesús Tomillero, então, publicou o ocorrido nas redes sociais para mostrar ao público o que estava acontecendo. Em entrevista a uma rádio, afirmou que estava apresentando denúncia à polícia. Resultado: passou a receber ameaças de morte.

“Fiz a denúncia e começaram a chegar ameaças de morte pelo Twitter, dizendo que se eu continuar apitando vão cortar minha perna ou me matar”, revelou o árbitro. “Não paro de chorar. Sinto uma pontada no meu peito e não sei o que fazer”.

A primeira decisão de Jesús foi se afastar do futebol mais uma vez, temporariamente. E tudo isso aos 21 anos.

+ sobre o tema

Sobreviventes da Violência obstétrica – Saiba o que fazer!

A opinião de Getúlio Costa Melo Do Barbacena Online A característica física...

Mulheres foram mais alvo de assédio sexual do que de roubos ao se deslocarem pelas cidades no país, aponta pesquisa

Importunação e assédio sexual são os principais motivos de insegurança...

A beleza de Lupita Nyong’o e as bananas do Neymar: deslizamentos ou deslocamentos discursivos em torno do racismo?

“Nenhuma raça possui o monopólio da beleza, da inteligência, da...

Modelo negra é condenada por assalto, apesar de provar que não estava na cidade

Apesar de apresentar provas sobre sua inocência, a modelo Bárbara Querino...

para lembrar

EUA elogiam programas sociais brasileiros e inclusão feminina

A embaixadora-geral para Assuntos Globais da Mulher dos Estados...

Pedido para trocar garçonete ‘sapatão’ revolta clientes no Chopp da Fábrica

Nessa sexta-feira (22), uma garçonete do restaurante Chopp da...

Mulher e linguagem em Carolina Maria de Jesus

A escritora Carolina Maria de Jesus (1914-1977) vem sendo...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=