Artigo: Violência contra a mulher não pode ser banalizada

"Uma mudança somente é possível quando a sociedade se mostrar apta a formular um novo conceito sobre o assunto"

No último Dia dos Namorados, circulou, nas redes sociais, vídeo de uma advogada em que fazia piada com a data, pois segunda ela, o dia “combinava com crime passional”. Quase 17 anos depois da entrada em vigor da Lei Maria da Penha e 8 anos depois da Lei que tornou o feminicídio um homicídio qualificado, ainda nos deparamos com chiste envolvendo a violência contra a mulher.

Após tantas mudanças legislativas, campanhas, implementações de políticas públicas pelos grupos que buscam enfrentar a violência contra a mulher, a reflexão que nos acomete é a do que mais é necessário para erradicar a existência de discursos que legitimam, banalizam e naturalizam a violência dentro de casa?

Uma mudança somente é possível quando a sociedade se mostrar apta a formular um novo conceito sobre o assunto. Por enquanto, o que vemos são crenças que ainda permeiam o coletivo e que possuem uma grande carga emotiva que contribuem para criar e manter a ideologia do grupo e que por isso são resistentes à permuta e à razão.

Para atingir um objetivo, como naturalizar a violência doméstica, por exemplo, a crença se alia às representações dos mitos como o amor romântico. Em sociedades como a do Brasil, nas quais se creem em mitos como a onipotência do amor, não surpreende que os indivíduos pensem a reprodução de um ponto de vista violento simplesmente como produto natural. É preciso tornar inteligíveis os fundamentos das representações das crenças e mitos coletivos para que se possa compreender a dinâmica dos discursos que fortalecem a violência. Tal tarefa exige a consideração de quais crenças e mitos são responsáveis para a produção das sentenças e quais são as consequências dessa reprodução naturalizada.

Nos mitos, o falso é visualizado e apontado como regra. Nas crenças, o falso se transforma em discurso, opinião e percepção equivocada da realidade. Os mitos da “natural superioridade masculina” em contraposição a uma “natural” inferioridade feminina ensejam uma crença de patriarcado que estabelece o masculino como geral e válido para toda a sociedade, ao passo que o feminino é apresentado como particular. O mito surge no instante em que, diante de um elevado conjunto de questões, como ocorre com a violência contra a mulher, não é possível fornecer explicações inteligíveis. Aceita-se o que existe de mais verossímil, sem que se pretenda ultrapassar seus limites.

As crenças naturalizam os mitos para que o habitual seja apresentado como algo que “é assim porque tem que ser”, intentando outorgar um sentido moral em determinadas circunstâncias. A normalidade é construída sobre uma cultura que introduz a crença de que o não cumprimento dessa ordem natural é um ato de agressão ou violência. E é exatamente o que ocorre com a violência doméstica. Os agressores legitimam seus atos invocando mitos para agirem “como homens questionados” diante das condutas das mulheres com as quais convivem. A sociedade, por sua vez, reproduz as crenças da violência ao aceitar como natural crenças machistas e patriarcais. O resultado disso tudo: o famigerado e “engraçado” “crime passional”.

Na violência contra a mulher, as crenças são definidas como concepções estereotipadas, fatos que servem para minimizar, negar, justificar ou até mesmo fazer piada à agressão à mulher. A história de machismo e patriarcado é construída pelos mitos e constitui a crença que naturaliza os atos de violência. Trata-se de uma ordem natural preconcebida na qual há um sentido prefixado em que cada um deve desempenhar o papel designado para a execução do objetivo comum. Essa “ordem natural” tem ocupado diferentes níveis da sociedade para organizar e dar sentido aos acontecimentos que buscam dar significado à vida e encontrar o fundamento das crenças.

Analisar as crenças oriundas de uma sociedade patriarcal é necessário para compreender a naturalização da violência masculina sobre as mulheres. Além do que, no enfrentamento da violência doméstica, são imprescindíveis ações conjugadas que possam modificar os discursos e práticas revitimizadores das mulheres no sistema de justiça. A presença das crenças e dos discursos de banalização da violência dificulta os avanços em relação ao tema não apenas na sociedade de um modo geral, mas nas instituições que compõem o sistema de justiça. Portanto, piadas com a banalização da violência contra a mulher nada mais são do que um reforço à violência nossa de cada dia, seja no dia dos namorados, seja em qual dia do ano.


Por Rejane Jungbluth Suxberger — Juíza do TJDFT. Máster em Gênero e Igualdade pela Universidade Pablo de Olavide – Sevilla/Espanha. Mestrado em Direito no UniCeub. Autora dos livros: Invisíveis Marias: histórias além das quatro paredes e Violência contra a mulher e o sistema de justiça: epistemologia feminista em um estudo de caso.

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Ameaças e violência têm transformado minha vida em uma grande tensão

Dentro da faculdade em que estudo, recebi por meses...

PLP 2.0: aplicativo para o combate à violência contra a mulher é lançado oficialmente

Ferramenta apoiada pela AJURIS passará por período de testes...

Site oferece guia sobre ‘como estuprar uma mulher na UFMG’

Texto afirma que 'a mulher mineira é famosa por...

No ano passado, 29 mulheres mortas na intimidade deixaram 46 crianças órfãs

Menos mulheres foram assassinadas em contexto de violência doméstica...
spot_imgspot_img

Projeto permite que mulheres chequem antecedentes criminais de parceiros

Um projeto de lei que tramita na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) quer permitir que mulheres tenham acesso aos antecedentes criminais de seus parceiros. O texto,...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...
-+=