Ativista que processou jornal antigay é morto em Uganda

Publicação foi acusada de ter incitado no ano passado o enforcamento de homossexuais no país, onde atos do tipo são crime.

 

A polícia de Uganda confirmou nesta quinta-feira o assassinato de um ativista gay que no ano passado processou um jornal local que incitou o enforcamento de homossexuais.

David Kato, foi encontrado com ferimentos na cabeça em sua casa, na capital ugandense, Campala. A polícia disse que ainda está investigando as circunstâncias e não confirmou se o crime foi motivado pelo fato da vítima ser homossexual.

O jornal processado, o Rolling Stone, publicou no ano passado as fotos de várias pessoas, inclusive Kato, que dizia serem gays sob o título ‘Enforque-os’.

Atos homossexuais são considerados ilegais em Uganda, com pena prevista de até 14 anos na prisão.

Um deputado recentemente apresentou um projeto para tornar a punição mais severa, incluindo a pena de morte em alguns casos.

Kato havia feito campanha contra o projeto, que provocou fortes críticas internacionais após ser apresentado.

Segundo o correspondente da BBC em Uganda Kevin Mwachiro, não está claro se a morte de Kato estaria ligada à campanha do jornal Rolling Stone.

O editor do Rolling Stone, Giles Muhame, disse à agência de notícias Reuters que condenava o assassinato e que o seu jornal não pediu o ataque aos gays.

‘Há muita violência, pode não ser porque ele era gay’, disse, afirmando que o jornal defende é que o governo enforque quem promove o homossexualismo.

Onda de assassinatos
Recentemente houve uma onda de assassinatos de pessoas na cidade de Mukono, onde Kato vivia.

Testemunhas disseram à BBC que um homem entrou na casa de Kato e o espancou-o até a morte.

O grupo Minorias Sexuais de Uganda, dirigido por Kato, disse que ele vinha recebendo ameaças desde que o Rolling Stone publicou sua foto, seu nome e seu endereço no ano passado.

O diretor-executivo do grupo, Frank Mugisha, disse à BBC que ficou ‘arrasado’ ao ouvir a notícia.

‘Ele foi morto por alguém que chegou a sua casa com um martelo. Qualquer um pode ser o próximo alvo’, disse.

‘Estamos pedindo a todos os gays, lésbicas, bissexuais e transexuais de Uganda que tomem muito cuidado com sua segurança. Eles devem tomar mais precauções’, disse Mugisha, que pediu ainda que o governo ofereça proteção aos gays do país.

A ONG internacional Human Rights Watch pediu uma investigação a fundo sobre o assassinato. ‘A morte de David Kato é uma perda trágica para a comunidade de direitos humanos’, disse Maria Burnett, representante da organização.

Fonte: G1

+ sobre o tema

Duas em cada dez empresas se recusam a contratar homossexuais no Brasil

Companhias rejeitam candidatos gays por temer que sua imagem...

Suprema corte americana aprova o casamento gay em todo o país

A Suprema Corte americana aprovou por cinco votos a...

Campeão de fisiculturismo revela ser transgênero e se apresenta como mulher

Os músculos de Matt "Kroc" Kroczaleski já renderam títulos...

“Brasil vai à idade das trevas ao excluir gays do Estatuto da Família”

Para deputada Erika Kokay, comissão tem “o único objetivo...

para lembrar

Afro-bolivianos

Afro-bolivianos são bolivianos de ancestralidade africana.  O termo também...

África elege o seu primeiro deputado assumidamente gay

Zakhele Mbhele é ativista do movimento LGBT e, há...

Todos somos africanos, diz o ator Danny Glover

Todos somos africanos, disse o famoso ator estadunidense Danny...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=