Câmara dos Vereadores: sai Agnaldo Timóteo, chega Coronel Telhada

por Leonardo Sakamoto

A partir do momento em que saiu a pesquisa Boca de Urna do Ibope, apontando que o segundo turno ficaria entre José Serra e Fernando Haddad, virei o radar de preocupações para a composição da Câmara Municipal de São Paulo. Naquele momento, muita gente afirmou que a exclusão de Celso Russomanno da disputa era a prova de que ainda há esperança para a cidade. Permitam-se, humildemente, discordar.

A composição do legislativo municipal é uma radiografia interessante para tentar entender quem é o paulistano, o que ele pensa e como é influenciado. Creio que a composição que saiu das urnas mostra uma São Paulo como ela é: mais conservadora do que, particularmente, gostaria que fosse. Voltaram pessoas comprometidas, entrou gente nova com capacidade de propor mudanças, saíram alguns cacarecos, mas também ficaram, entraram ou retornaram nomes preocupantes que, certamente, vão dar o que falar.

No final das contas, remexendo os escombros deixados pelo primeiro turno, houve algumas notícias alvissareiras e outras tantas preocupantes. Vou trazer uma de cada.

Não tinha dúvidas que o Coronel Paulo Telhada, ex-comandante da Rota, por exemplo, receberia expressiva votação. Computados os votos, teve 89.053 apoios, ficando em quinto lugar. Telhada incitou seus seguidores no Facebook contra o repórter André Camarante, da Folha de S.Paulo, por conta da reportagem “Ex-chefe da Rota vira político e prega a violência no Facebook”. O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo chegou a encaminhar a autoridades um documento solicitando proteção para o jornalista.

Isso poderia ser usado para questionar sua candidatura. Mas, por enquanto, serviu apenas para ameaçar a liberdade de imprensa.

Muitos paulistanos têm orgasmos múltiplos com os discursos de terrorismo de Estado e da flexibilização dos direitos civis no intuito de vencer a “guerra” contra os bandidos. Acham o máximo declarações como “tem gente que ainda quer defender essa raça de safados […] e algumas ‘organizações’ querem defendê-los como vítimas da injustiça da polícia”. Ignoram que a função da força policial não é julgar, condenar e executar a pena e, sim, cumprir a lei. Se com o devido processo legal já cometemos barbaridades, imagine sem ele.

Mas São Paulo gosta mesmo disso. Se o Coronel Ubiratan Guimarães, que chefiou (no chão) o massacre de 111 presos no Carandiru, há 20 anos, não tivesse morrido pelo gatilho de sua própria namorada, teria sido facilmente reeleito como deputado estadual. Seu número, para deixar claro qual era o mote de sua campanha, era 14.111.

A boa notícia é que, dentro da taxa de renovação de 40% que atingiu o legislativo municipal neste pleito, finalmente Agnaldo Timóteo dará adeus ao Palácio Anchieta.

O vereador do PR recebeu 12.009 votos e não se reelegeu. Ele que já usou o cargo para defender torturadores da ditadura também afirmou, com seu jeito peculiar, que “deveríamos colocar a bunda para a lua e agradecer” aos militares. Phino.

Contudo, o que nunca vai sair da minha memória é a patética intervenção a favor da exploração sexual juvenil há cinco anos. Em um discurso na Câmara, ele disse que o visitante que vem ao país atrás de sexo não pode ser considerado criminoso. “Ninguém nega a beleza da mulher brasileira. Hoje as meninas de 16 anos botam silicone, ficam popozudas, põem uma saia curta e provocam. Aí vem o cara, se encanta, vai ao motel, transa e vai preso? Ninguém foi lá à força. A moça tem consciência do que faz”, declarou. “O cara (turista) não sabe por que ela está lá. Ele não é criminoso, tem bom gosto.”

Como já disse aqui, alguns dizem que ele não reflete sobre o que fala, é um conservador caricato apenas. Não dispendo a ele a complacência que se dá aos políticos patéticos porque ele não é bobo. Timóteo simboliza aqueles que não vêem o Estado como espaço de efetivação da cidadania, mas sim de batalha. Em que o mais forte, esperto ou rápido, vence. De certa forma, como alguns políticos-policiais.

Timóteo se beneficia de sua imagem como cantor e que leva parte da população a votar nele. Tem o dom da palavra, consegue falar com um público amplo e coloca soluções fáceis na mesa que são consumidas com facilidade. De certa forma, como Celso Russomanno.

Mas ele não é causa e sim consequência. Verbaliza a visão de uma parte da sociedade que, mal informada e com medo de si mesma, reproduz processos que mantém a opressão, a dor e o preconceito.

O tempo é implacável. Timóteo, provavelmente, gastou todo seu capital de imagem. Contudo, as posições que ele defende não se vão com ele, porque não pertencem a ele. A Câmara Municipal, quer gostemos ou não, é um espelho da cidade e, portanto, esses posicionamentos serão incoporados por outros eleitos ou reeleitos.

Todos os pontos de vista relevantes merecem ter representação no legislativo municipal. A tristeza é que, alguns deles, são provas que falta muito para sermos uma sociedade de respeito aos direitos fundamentais. Tenho esperança de que, um dia, com muito diálogo e paciência, a composição da Câmara reflita

Fonte: Blog do Sakamoto

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

spot_imgspot_img

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...
-+=