‘Cartas’ entre Maria Helena Rodrigues e Amílcar Cabral em cena

Enviado por / FonteDo Noticias ao Minuto

A correspondência trocada entre Amílcar Cabral e Maria Helena, sua primeira mulher, constituem o universo da peça “Cartas”, que vai estar em cena na Escola de Mulheres, no Clube Estefânia, em Lisboa, de quinta-feira a domingo.

Na base desta criação, com direção artística de João Branco e Cátia Terrinca, estão as cartas, datadas de 1946 a 1960, trocadas entre Maria Helena Rodrigues e o líder da independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde, Amílcar Cabral.

Muitas das cartas deste período “perderam-se nas viagens, na fuga, na luta e no esquecimento”, observam os criadores, para sustentarem o facto de a peça pôr em cena “lacunas, os espaços entre o desfoque e a nitidez, o movimento da memória em direção ao corpo”, construíndo uma “recordação efémera de um homem e de uma mulher, na correspondência trocada entre eles”.

Por isso, ‘Cartas’ não é apenas um espetáculo-memória sobre dois seres, mas também uma revisitação ao imaginário de um amor imenso de um casal, ao qual foram impostas inúmeras barreiras e situações de ausência dolorosa, a que não foi alheia a luta travada por Amílcar Cabral pela independência da África lusófona, contra o colonialismo.

Nascido em 1924, em Bafatá, na então Guiné, atual Guiné-Bissau, Amílcar Cabral, filho de pais cabo-verdianos e cabo-verdiano de coração, fez o liceu no Mindelo, e fixou-se em Lisboa, de 1946 a 1952, onde estudou e se formou, trabalhou e se casou, com Maria Helena Rodrigues, uma portuguesa natural de Chaves, sua colega no Instituto Superior de Agronomia — onde o político estudou como bolseiro de 1946 a 1950 –, uma das primeiras mulheres agrónomas em Portugal.

‘Cartas’ baseia-se sobretudo nas cartas de Maria Helena a Amílcar Cabral. Mas é impossível assistir a este espetáculo sem pensar no livro “Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena. A outra face do homem”, editado em 2016, pela Rosa de Porcelana, e que acaba por desvendar facetas menos conhecidas do líder da guerra de libertação.

A partir das cartas que escreveu a Maria Helena Rodrigues — a primeira datada de 1946 –, é possível reconstituir a biografia e a história do homem a quem chegaram a chamar a “mais bela figura revolucionária” que África produzira.

O intervalo temporal acompanha o regresso à Guiné, em 1952, que percorre durante o recenseamento agrícola, segue o caminho que desembocará na luta armada e na fundação do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), assim como a sua permanência em Angola, onde acabou por ajudar a formar o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

E tudo se vislumbra nas cartas trocadas entre Amílcar Cabral e a mulher que foi também a mãe da sua filha, Iva Cabral.

Em prosa ou poesia, tudo de revela na obra com as missivas trocadas até 1960, quando o líder africano abandonou definitivamente Lisboa, mudando-se para Paris, onde Maria Helena e filha a ele se iriam juntar, seguindo-se África.

Data de abril de 1960, a última carta que Amílcar Cabral escreve a Maria Helena, em que diz “Tenho na algibeira a passagem para a viagem definitiva. Tenho também a ordem das passagens para ti e para Mariva [como chamava à filha]. Chegou, portanto, o momento de tomarmos algumas decisões fundamentais para o nosso futuro, para a vida”.

“O nosso caminho é sempre para a frente, e não podemos pensar em voltar para trás”, escreve Amílcar Cabral nessa carta, três anos antes de o PAIGC iniciar a luta armada pela independência, na Guiné Bissau, em janeiro de 1963.

“Eu tinha saudades de uma carta. Eu tenho saudades suas, acabou-se a tinta da caneta e aqui só há desta cor”, escuta-se na peça, numa recriação de uma carta que Maria Helena Rodrigues escreveu a Amílcar Cabral.

Maria Helena Rodrigues só viria a regressar a Portugal após o 25 de Abril de 1974. Fixou-se em Braga, lecionou na Universidade do Minho e morreu em 2005.

Amílcar Cabral foi assassinado em 20 de janeiro de 1973, por um seu guarda-costas, em Conacri, em circunstâncias ainda por esclarecer, impossibilitando o líder africano de assistir à independência por que tanto lutara, e que as Nações Unidas viriam a reconhecer ainda em 1973, cerca de um ano antes de Portugal o fazer.

O processo de trabalho de ‘Cartas’, uma criação coletiva, começou com uma residência artística no Mindelo, em Cabo Verde, com o apoio do Centro Cultural Português e da Academia Livre de Artes Integradas do Mindelo (ALAIM), a convite do Festival Mindelact, entre outubro e novembro de 2017.

A primeira versão da peça foi encenada por João Branco e apresentada em antestreia a 06 de outubro de 2017, no Mindelact, em coprodução com o Grupo de Teatro do Centro Cultural Português — Pólo do Mindelo (GTCCPM), de que o encenador é mentor e fundador.

Com dramaturgia de Celeste Forte e Sofia Berberan, que também assina a fotografia de cena, cenografia de Ricardo Guerreiro Campos, sonoplastia de José Bica e vídeo de Ângelo Lopes, “Cartas” é um projeto de UmColetivo e do GTCCPM.

Com desenho de luz e design gráfico de João P.Nunes, ‘Cartas’ tem representações na quinta-feira, sexta-feira e sábado, às 21h30, e no domingo (dia 08), às 18h00.

Em janeiro do próximo ano, de acordo com a companhia, a encenação de “Cartas” regressa a Cabo Verde.

+ sobre o tema

Sancionada criação do Dia Nacional de Zumbi

A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira (10) a...

Nas telas – Pelé: um time à altura de sua vida

Nas telas - Pelé: um time à altura de...

Deputados avaliam projeto sobre afro-bolivianos

La Paz, 1 set (Prensa Latina) A câmera...

Beyoncé lança ‘Break My Soul’, primeiro single de ‘Renaissance’

Beyoncé lançou, nesta terça-feira (21), o primeiro single de...

para lembrar

Entrevista: escritor Edimilson de Almeida fala sobre a Flip e os cânones literários

Professor da Universidade Federal de Juiz de Fora é...

Etíope diz ter 160 anos e quer provar que é o homem mais velho do mundo

Dhaqabo Ebba é um etíope que, já adulto, afirma...

Amenazas en Perú por “El Negro Mama”

La organización no gubernamental peruana Lundú dijo haber recibido...

Pastor, pai de Katy Perry chama cantora de ‘filha do diabo’

As letras picantes envolvendo lesbianismo em "Kissed a girl",...
spot_imgspot_img

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...
-+=